fbpx

sábado, 21 de maio de 2022

Não é o AM: saiba qual Estado que mais perde com redução do IPI

O Amazonas ocupa apenas a 16ª posição entre os estados que mais devem perder faturamento com o recolhimento do tributo, com uma previsão de redução de R$ 302 milhões em 2022.

7 de março de 2022

Compartilhe

Estado ainda faz as contas para saber qual será o valor exato do prejuízo (Foto: Reprodução)

Um levantamento feito pela assessoria técnica do senador José Serra (PSDB) com dados do Comitê Nacional de Secretários da Fazenda, Finanças, Receitas ou Tributação dos Estados e Distrito Federal (Consefaz) e do Tribunal de Contas da União (TCU), ao qual o RealTime1 teve acesso, mostra que as maiores perdas de receita com a redução em 25% da alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), em 2022, estão bem longe do Estado do Amazonas.

No ranking, o estado aparece apenas na 16ª sexta posição entre as unidades da federação que mais devem perder faturamento com o recolhimento do tributo, com uma previsão de redução de R$ 302 milhões.

De acordo com o secretário de estado da Fazenda, Alex del Giglio, o estado ainda está fazendo as contas para saber qual será o valor exato do prejuízo aos cofres estaduais.

“Ainda não temos um número preciso. Estamos estimando o prejuízo provável, uma vez que dependemos de uma série de variáveis significativas que incluem: setores, alíquotas, margens, estudos de concorrência nacional e estrangeira, sensibilidade da oferta e demanda, entre outros”, explicou o titular da Sefaz.

Estado que mais perdem com a redução

Ainda segundo as projeções, os Estados mais prejudicados com a redução do IPI são São Paulo, com uma perda de R$ 1,23 bilhão em faturamento; Minas Gerais, que deve deixar de arrecadar R$ 1,21 bilhão; e a Bahia, com perdas que somam R$ 891,2 milhões.

Entre os estados da região Norte, o Pará deverá ser o mais prejudicado, com prejuízos na ordem de aproximadamente R$ 717 milhões na arrecadação, sendo também a quarta maior perda do país.

Confira os números na íntegra:

Texto: Lucas Raposo

Leia Mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Faturamento do varejo cresce 3,5% em relação ao período pré-pandemia

Para a Câmara dos Dirigentes Lojistas de Manaus, a abertura de novos empregos na capital impulsionou os resultados, contribuindo para a recuperação do segmento.

21 de maio de 2022

Lei de tempo de espera máximo para atendimento é sancionada, no AM

O Instituto de Defesa do Consumidor do Amazonas destaca que, para que o consumidor consiga indenização perante a Justiça, é necessário recorrer ao Poder Judiciário.

20 de maio de 2022

PL destina recursos do pré-sal para políticas de pesca e aquicultura

Projeto de Lei 6114/19 destina para as políticas de aquicultura e pesca dos estados e municípios até 1% dos recursos arrecadados pela União com venda dos barris de petróleo.

20 de maio de 2022

PIM poderá ganhar fábrica da Tesla, empresa de Elon Musk, diz colunista

Informação é do colunista Igor Gadelha, do site Metrópoles. Em setembro do ano passado, a empresa apresentou, pela primeira vez, um protótipo de um veículo de duas rodas.

20 de maio de 2022

Em 4 meses, a arrecadação tributária do AM cresce 4% e supera R$ 5 bi

Crescimento reflete o bom desempenho da atividade comercial, e ainda, do subsetor de postos de combustíveis, que registraram alta na arrecadação, respectivamente, de 6% e 10%

20 de maio de 2022

Governo publica decreto com regras para mercado de carbono

Medida exige que os ministérios do Meio Ambiente e da Economia criem um plano de mitigação das mudanças climáticas, em que serão definidas metas de emissão de gases.

20 de maio de 2022

Eneva mais do que dobra reservas de gás na Bacia do Amazonas

Auditoria de reservas e recursos na Bacia do Amazonas mostra que as reservas de gás natural da Eneva passaram de 7,1 bilhão de m³ (Bm³) no fim de 2021 para 14,8 Bm³ em abril.

20 de maio de 2022

Brasil terá geração mais pobre com fechamento de escolas na pandemia, diz FMI

Aprendizado incompleto na pandemia pode diminuir o rendimento médio dessa geração de estudantes em 9,1%. Prognóstico coloca o país na 3ª pior posição entre os países do G20.

20 de maio de 2022