fbpx

sexta, 28 de janeiro de 2022

Cerca de 88,7% dos municípios do AM registram crescimento no PIB

Destaque foi Novo Airão, município que registrou maior crescimento, com variação de 23,45% na comparação entre 2018 e 2019, impulsionado por serviços de alojamento em hotéis.

17 de dezembro de 2021

Compartilhe

Novo Airão obteve o maior crescimento do PIB entre os minucípios do estado (Foto: Reprodução)

Nove em cada dez dos 62 municípios do Amazonas – 55 ao todo – registraram crescimento no Produto Interno Bruto (PIB) referente ao ano de 2019. Em valores nominais, o resultado foi da ordem de R$ 108 bilhões, um aumento de 8,06% em relação a 2018. Manaus registrou o maior PIB dentre as cidades do Norte e Nordeste, e o sexto maior do país, com valor de R$ 84,867 bilhões.

Os números integram levantamento elaborado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti), em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Os indicadores têm demonstrado que estamos no caminho certo e vamos continuar investindo com prioridade para o desenvolvimento de todo o estado do Amazonas, em especial do nosso interior, diminuindo desigualdades e levando mais qualidade de vida para a população”, destacou o governador do Estado, Wilson Lima, em relação aos números positivos.

O destaque foi para Novo Airão, município que registrou maior crescimento, com variação de 23,45% na comparação entre 2018 e 2019. O aumento do PIB de Novo Airão foi atribuído à atividade de alojamento (serviços de alojamento em hotéis e similares) que teve um salto de 173,31%.

Manaus, onde se concentra o Polo Industrial, com PIB de R$ 84,867 bilhões, detém 78,45% da participação de todo o PIB do Amazonas. Coari possui o segundo maior PIB do estado, com R$ 2,212 bilhões e participação de 2,04%. Já Itacoatiara vem em terceiro lugar do PIB dos municípios, com participação de 1,88% e valor de R$ 2,035 bilhões.

Quando se exclui Manaus, os 10 maiores PIBs dos municípios do interior têm participação de 10,52% no total do PIB do Amazonas, e os 10 menores municípios têm participação de 1,04% no PIB do estado.

Setores

A Indústria amazonense em 2019 apresentou participação de 30,49% no PIB do estado, ao contabilizar o total de R$ 32,983 bilhões, contra R$ 28,935 bilhões de 2018, um crescimento nominal de 13,99%. Manaus, devido a sua Zona Franca, teve participação de 90,47% no setor e registrou valores de R$ 29,839 bilhões. O crescimento nominal foi de 13,05% em relação ao ano de 2018, que totalizou R$ 26,394 bilhões.

O município de Coari ocupou a segunda colocação no ranking dos 62 municípios, com valores de R$ 1,092 bilhão em 2019, e um crescimento nominal de 13,96% em relação a 2018, que registrou R$ 957,948 milhões. A participação da Indústria de Coari no Setor Industrial do Amazonas foi de 3,31%, sendo que 94,17% da Indústria do município pertence à Indústria Extrativa (gás e petróleo).

Presidente Figueiredo teve participação de 1,32% na Indústria em todo o estado, ocupando a terceira posição no ranking ao registrar valores de R$ 435,617 milhões para o ano de 2019, contra R$ 325,274 milhões de 2018. Presidente Figueiredo tem participação de 96,96% na extração de minerais de todo o Amazonas.

Em 2019, a Agropecuária do Amazonas totalizou R$ 4,970 bilhões, registrando uma queda de 9,87% em comparação a 2018, quando o resultado foi de R$ 5,514 bilhões. Os cultivos agrícolas que tiveram redução da produção entre 2018 e 2019, foram: a banana (-27,4%), o mamão (-17,6%) e a extração de açaí (-7,5%).

Além disso, o principal produto da agropecuária amazonense – a mandioca –, também registrou diminuição (-1,4%) no mesmo período. Por sua vez, as produções de cana-de-açúcar (12,6%) e de abacaxi (5,4%) tiveram crescimento.

O município com maior valor na Agropecuária foi Manacapuru, com R$ 545,461 milhões e participação de 10,97% no total do estado. Itacoatiara ocupou a segunda posição entre os 62 municípios, com o total de R$ 397,874 milhões e participação de 8%. Na terceira posição vem Codajás, com R$ 312,019 milhões e participação de 6,28%. Manaus ocupou a sexta posição, com R$ 206,306 milhões e participação de 4,15% na Agropecuária do Amazonas.

Serviços têm crescimento

O Setor de Serviços do Amazonas registrou crescimento nominal de 5,73% na comparação entre os anos de 2019 e 2018. Em 2019, o Setor alcançou R$ 52,772 bilhões contra R$ 49,912 bilhões de 2018. Manaus é o município com a maior participação no Setor com 72,59% e valores de R$ 38,309 bilhões em 2019. O crescimento desse índice foi de 4,68% em relação a 2018 que foi R$ 36,595 bilhões.

Itacoatiara ocupou a segunda posição no Setor de Serviços dentre os 62 municípios do estado. A cidade registrou em 2019 um valor de R$ 1,313 bilhão, contra R$ 1,189 bilhão de 2018, e crescimento nominal de 10,34%. A participação de Itacoatiara no Setor de Serviços foi de 2,49%. Coari ocupou a terceira posição, com R$ 944,503 milhões e crescimento nominal de 12,10% na comparação com o ano de 2018, que registrou R$ 842,541 milhões.

O Setor de Impostos teve participação de 16,14% no PIB do Amazonas, e seu valor em 2019 foi R$ 17,456 bilhões. Manaus teve participação de 94,59% nesta composição, com valor de R$ 16,512 bilhões. Itacoatiara registrou o montante de R$ 150,764 milhões e participação de 0,86%. Itacoatiara, que ocupou a terceira posição, registrou R$ 84,498 milhões e participação de 0,48%.

Região Metropolitana de Manaus

Em 2019, a Região Metropolitana de Manaus (RMM) composta por 13 municípios (Autazes, Careiro, Careiro da Várzea, Iranduba, Itacoatiara, Itapiranga, Manacapuru, Manaquiri, Manaus, Novo Airão, Presidente Figueiredo, Rio Preto da Eva e Silves), representou 85,13% na composição do PIB amazonense, totalizando R$ 92,089 bilhões. A soma dos 49 municípios que estão fora da RMM foi de R$ 16,091 bilhões, cuja participação correspondeu a 14,87% do total do estado.

O estudo do PIB dos municípios do Amazonas faz parte dos trabalhos elaborados pelo Departamento de Estatística e Geoprocessamento (Degeo) da Secretaria Executiva de Planejamento (Seplan) da Sedecti. Para acompanhar esse e outros estudos elaborados pela Sedecti, basta acessar o site da Sedecti: www.sedecti.am.gov.br e clicar na aba “Indicadores e Mapas”.

Leia mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Empresários de serviços iniciam 2022 menos confiantes, aponta FGV

A confiança dos empresários do setor de serviços recuou 4,3 pontos em janeiro e atingiu 91,2 pontos. É o menor nível desde maio de 2021, quando alcançou 88,1 pontos.

28 de janeiro de 2022

Amazonas teve a 4ª maior arrecadação de royalties de Petróleo em 2021

O Estado recebeu R$ 307,9 milhões em royalties segundo balanço da ANP referente a 2021 que assinalou recorde na distribuição do recurso no País com crescimento de 65%.

28 de janeiro de 2022

Amazonas Shopping promove Liquidação Ponto Mix a partir desta sexta

Durante a Liquidação Ponto Mix, lojas de todos os segmentos estarão com produtos com descontos que vão de 5% a 70%. Promoção acontece até o próximo domingo (30).

28 de janeiro de 2022

Confiança do comércio cai e atinge menor nível desde abril de 2021

Índice de Confiança do Comércio (Icom) cedeu 0,4 ponto em janeiro, ao passar de 85,3 para 84,9 pontos, menor nível desde abril de 2021 (84,1 pontos).

28 de janeiro de 2022

Desemprego recua, mas ainda atinge 12,4 milhões de brasileiros

Apesar do recuo, o rendimento real dos trabalhadores caiu. A queda é de 4,5% frente ao trimestre anterior, para R$ 2.444. É o menor rendimento da série histórica do IBGE.

28 de janeiro de 2022

Procurando emprego? Sine Manaus oferta 253 vagas nesta sexta–feira

O candidato que deseja concorrer a uma das vagas disponíveis, deve enviar mensagem para os números de WhatsApp disponibilizados na vaga pretendida, informando dado completos.

28 de janeiro de 2022

Defensoria Pública abre processo seletivo de estágio em Direito

As inscrições no Cadastro de Reserva da Defensoria Pública do Estado do Amazonas estão abertas para candidatos ao Estágio de Direito com bolsa de R$987 e auxílio transporte.

27 de janeiro de 2022

Secretários de Fazenda aprovam congelamento de ICMS dos combustíveis

Congelamento do preço médio ponderado ao consumidor final (PMPF), base para cálculo do ICMS, tinha validade até 31 de janeiro. Com a decisão, valerá por mais 60 dias.

27 de janeiro de 2022