fbpx

quinta, 30 de junho de 2022

Projeto que limita ICMS deve ter tramitação lenta, avaliam senadores

Senadores avaliam que a proposta que fixa o ICMS de combustívveis e energia em 17%, aprovada pela Câmara dos Deputados, deverá deixar um grande rombo nos cofres regionais.

27 de maio de 2022

Compartilhe

Proposta não vai ser aprovada no Senado com a mesma rapidez do processo na Câmara (Foto: Reprodução)

Defendido pelo governo como uma resposta para o aumento de preços no país, o projeto que cria um limite para a tributação estadual do ICMS sobre itens como energia e combustíveis deve passar por uma tramitação lenta no Senado.

A visão entre líderes da Casa sobre a proposta aprovada pela Câmara nesta quarta-feira (25) é que o rombo provocado pelo texto nos cofres regionais vai ser alto. Por isso, a expectativa deles é de forte pressão dos estados – que já falam em “fulminar” o texto.

O projeto aprovado pela Câmara classifica combustíveis, gás natural, energia elétrica, comunicações e transporte coletivo como bens e serviços essenciais. Com isso, valeria entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) que limita a incidência do imposto a esses itens a uma faixa de 17% a 18% – provocando um rombo de até R$ 83,5 bilhões para os governadores neste ano.

Decisão do Senado deverá considerar a posição dos governadores

O líder do PSDB, Izalci Lucas (DF), afirma que a proposta não vai ser aprovada na Casa com a mesma rapidez do processo na Câmara e que a posição dos estados influenciará de forma significativa as decisões.

“Na prática, quem representa os estados é o Senado, a casa da federação. Então a decisão do Senado deverá considerar a posição dos governadores. Eu vi um impacto muito grande em alguns estados”, afirmou.

“Esse debate [mudanças nos tributos estaduais] já aconteceu no Senado antes de ir para a Câmara [em referência a um projeto anterior, que buscava mudar regras de ICMS sobre combustíveis]. Havia a questão da interferência na autonomia dos estados, mas principalmente deverá ser levado em conta o impacto disso nos estados”, completa.

Izalci ainda acrescenta que o Senado não deve aprovar apenas uma saída paliativa e deve preferir medidas estruturais. E também afirma que a proposta no Senado deve prever uma compensação mais robusta para os governadores, caso seja colocada em votação.

Na mesma linha, o líder do Podemos, Álvaro Dias (PR), afirma que haverá uma forte reação dos governadores. “O projeto terá forte reação dos governadores e é natural. O Paraná, por exemplo, terá um rombo de R$ 6,2 bilhões, 20% do total da receita do estado. Então é natural que os governadores resistam à aprovação desse projeto”, afirmou.

Diminuir carga tributária ou defender os estados, eis a questão

Por outro lado, Dias acrescenta que mesmo o projeto sendo alvo de críticas e apresentando pontos polêmicos, seria muito difícil para um parlamentar votar contrariamente a partir do momento que a proposta for colocada para apreciação.

“Para um parlamentar é muito difícil ficar contra o limite de imposto. Por quê? Por que a carga tributária é muito pesada. Esse é o discurso de sempre, não é? Agora, como não há uma reforma tributária abrangente, simplificadora, que tribute menos no consumo e mais na renda, nós ficamos sujeitos a esses remendos, e vamos a cada passo desorganizando ainda mais o nosso sistema tributário”, completou Dias.

O líder da minoria, Jean Paul Prates (PT-RN), também afirma que a perspectiva em relação ao projeto aprovado na Câmara é de “prejuízo grave às contas dos estados”.

O parlamentar petista foi o relator da proposta que previa a criação da conta de compensação, cujos recursos seriam usados para minimizar o impacto das flutuações dos preços dos combustíveis. Prates diz que a Câmara dos Deputados engavetou a proposta e na sequência “tenta tirar soluções da cartola”. Também afirma que mudanças serão promovidas no texto vindo da Câmara, para evitar danos maiores aos estados.

“Vamos tentar aprimorar o projeto no Senado. O pior dos mundos é que seja realizado esse saque aos orçamentos estaduais e o corte não chegue ao consumidor, apenas ampliando a margem de lucro das cadeias produtivas”, afirma.

“Lamentavelmente estamos observando o Congresso por a perigo a provisão de serviços públicos no país inteiro com o único objetivo de avalizar o projeto político de reeleição do presidente”, completa.

Pacheco receberá secretários de Fazenda

Na próxima segunda-feira (30), secretários estaduais de Fazenda vão se encontrar com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para tentar barrar o projeto.
Pacheco diz que o texto parece ser uma proposta “inteligente” para a redução dos preços, mas afirmou que vai buscar ouvir os governadores. Os estados prometem até mesmo ir ao STF para barrar a proposta.

“A intenção do Congresso Nacional, Câmara e Senado, é buscar soluções inteligentes, efetivas para a redução dos preços dos combustíveis e, uma vez votado na Câmara, até por respeito pela Câmara dos Deputados, nós daremos toda atenção ao projeto”, afirmou Pacheco.

O presidente do Senado disse que vai conversar com líderes para bater o martelo se a proposta vai passar por comissões da Casa ou se vai direto para votação em plenário.

“Não queremos sacrificar nenhuma das partes, nem o governo federal, nem os estados, nem a Petrobras. Mas o consumidor não pode ser sacrificado. Então, nesse critério de prioridade, nós temos que dar essa prioridade aos consumidores, mas construir uma solução através dessa busca de consciência e a participação dos governadores é fundamental”, completou.

Inconstitucional

Os estados veem o projeto como inconstitucional e dizem que a saída encontrada pelo governo e pela Câmara não vai resolver o problema.

Felipe Salto, secretário de Fazenda do estado de São Paulo, afirma que o projeto é uma aberração. “Ele é inconstitucional e não resolve o problema. O preço do combustível está aumentando, mas não é pelo ICMS. É porque o petróleo está subindo”, afirma.

Salto reforça o entendimento de que as compensações da União aos estados (o que é previsto no projeto nos casos de perda de receita superior a 5%) são baseadas em um gatilho que não deve ser acionado. Segundo os estados, as receitas com o ICMS têm crescido naturalmente a um ritmo anual superior a 15% em muitas unidades federativas -com isso, mesmo considerando o corte de arrecadação a ser aplicado pelo projeto, os governadores acabariam sem contrapartidas.

Salto afirma que o governo tem tentado jogar o problema para os estados dizendo que os caixas regionais estão cheios, mas que a própria União tem sido beneficiada por mais receitas -inclusive pela elevação de ganhos com participações em óleo e gás e dividendos da Petrobras. Por isso, diz, o Tesouro poderia criar subsídios focados nos mais pobres.

Fonte: Folhapress

Leia mais:

Leia mais sobre Política

Amazonino tenta se promover às custas de policiais que prometem greve

Amazonino divulga que policiais ameaçam entrar em greve este ano e diz que sempre esteve ao lado da classe, mas esquece que quando governador teve que contornar paralisação.

30 de junho de 2022

Projeto de Lei isenta templos religiosos de pagar IPTU em Manaus

Apresentado pelo vereador Rosinaldo Bual, o Projeto de Lei tira do papel direito à isenção previsto na Constituição, mas impacta arrecadação da Prefeitura de Manaus.

30 de junho de 2022

TSE define teto de gastos de campanha presidencial em R$ 88,3 milhões

A decisão unânime da corte foi no sentido de determinar que seja usado o mesmo teto de gastos de 2018, mas corrigido pela inflação. Ou seja, pelo IPCA.

30 de junho de 2022

Comissão realiza oitivas sobre falta de segurança em terra indígena

Comissão vai pedir providências sobre os assassinatos de Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, além de apurar a omissão do poder público na segurança dos indígenas.

30 de junho de 2022

Wilson entrega mais de R$ 10 milhões em materiais para Operação Enchente

A entrega de 19 lanchas rápidas e 300 purificadores, que juntos somam o investimento de R$ 10,8 milhões dão continuidade nas ações de enfrentamento da enchente 2022.

30 de junho de 2022

‘Wilson Lima tem habilidade e é um dos favoritos da eleição’ , diz Hissa

Pré-candidato pelo Avante, Hissa Abraão afirmar que vai lutar pela Reforma Tributária e pela revisão dos impostos para que a classe média pague menos que os mais ricos.

30 de junho de 2022

‘Mesmo sob ditadura camuflada, golpe não virá’, avalia um dos criadores do PT

Foragido político por 15 anos, Carlos Augusto, para muitos Raimundo Cardoso viveu escondido em Manaus; integrou o PCdoB na década de 70 e está no PT há 43 anos.

30 de junho de 2022

Governo suspende publicações em redes sociais até o fim da eleição

Medida atende vedação prevista na legislação eleitoral que visa dar igualdade de disputa na corrida eleitoral minimizando o peso da máquina pública na eleição.

30 de junho de 2022