fbpx

segunda, 23 de maio de 2022

Indulto de Bolsonaro a Daniel Silveira pode ser alvo de questionamentos

Indulto foi dado antes de o processo ter sido transitado em julgado. Como o presidente Bolsonaro beneficiou aliado, medida também gera interpretação de desvio de finalidade.

22 de abril de 2022

Compartilhe

Daniel Silveira é aliado de Bolsonaro. (Foto: Reprodução)

O indulto concedido pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) pode ser alvo de questionamentos. O decreto pode ser questionado por ter sido dado antes de o processo do deputado ter transitado em julgado. Como o presidente beneficiou aliado, a medida também gera interpretação de desvio de finalidade. Confira as brechas.

Conforme reportagem de O Globo, a decisão de Bolsonaro foi tomada antes de terem se esgotado todas as chances de recurso judicial, o que não é comum e deve levar dúvidas ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Na avaliação de especialistas, a medida não livra Silveira da inelegibilidade e poderá ser contestada na Suprema Corte, já que o decreto pode ser interpretado como desvio de finalidade, ao ferir os princípios da impessoalidade e da moralidade.

Saiba quais são as brechas

Inelegibilidade

O indulto funciona como um perdão da pena. Em tese, o indulto individual livra o deputado da pena de prisão, mas não da inelegibilidade. Ou seja, Danil Silveira continuaria impedido de se candidatar na eleição deste ano.

O entendimento é que o indulto trata apenas da questão penal, não sendo estendida para outras áreas, como a lei eleitoral. Isso ocorreria também por força da Súmula 631 do Superior Tribunal de Justiça, que diz: “O indulto extingue os efeitos primários da condenação — pretensão executória —, mas não atinge os efeitos secundários, penais ou extrapenais”.

Filipe Coutinho da Silveira, advogado criminalista sócio do Silveira Athias Advogados, destaca que o decreto do indulto não afasta os demais efeitos da condenação de Silveira. Por exemplo, em caso de cometimento de novo crime, fica configurada a reincidência.

Perdão pode gerar dúvidas

O decreto que beneficia Daniel Silveira foi publicado antes mesmo do trânsito em julgado, ou seja, antes de terem se esgotado todas as chances de recurso judicial.

Para juristas, isso deve levar dúvidas no STF. “Bolsonaro está perdoando uma pena que nem é um título executável. Está perdoando uma pena precária, que nem se formou. Ainda existe a possibilidade de embargos, por exemplo”, disse Rodrigo de Oliveira Ribeiro, advogado criminalista e professor.

Decreto pode ser contestado

Especialistas afirmam que o decreto pode ser interpretado como desvio de finalidade, ao ferir os princípios da impessoalidade e da moralidade, tornando-o inconstitucional.

De acordo com o jurista Gustavo Binenbojm, professor titular da Faculdade de Direito da Uerj, o assunto deve ser enfrentado pelo STF.

“O que chama a atenção na situação concreta é tratar-se de um agente político aliado do presidente. Podemos imaginar que o STF pode controlar (analisar) o decreto, no sentido de considerar que há desvio de finalidade. Pode haver um controle de legalidade do ponto de vista dos princípios constitucionais da administração pública, como impessoalidade e moralidade”, disse..

Condenação e indulto

Menos de 24 horas após o STF condenar o deputado Daniel Silveira a oito anos e nove meses de prisão, Bolsonaro editou um decreto que concedeu ao parlamentar o indulto.

Da redação, com informações de O Globo

Leia Mais:

Leia mais sobre Política

Saiba quem são os famosos que já anunciaram em quem votam para presidente

Na lista estão a cantora Pabllo Vittar, que segurou uma bandeira de Lula no Lollapalooza, e a modelo Andressa Urach, que quis registrar o filho com o nome de Bolsonaro.

22 de maio de 2022

Escorregões de Lula em linguagem inclusiva viram alvo de aliados e rivais

Em defesa do ex-presidente Lula, auxiliares minimizam a gravidade das falhas e evitam expô-las em público para não criar mais ruídos na comunicação com o eleitor.

22 de maio de 2022

Justiça Eleitoral reformula cinco aplicativos para as eleições no Brasil

Além do aplicativo e-Título, em que é possível obter a via digital do Título de Eleitor, o app Boletim na Mão dá cópia digital do boletim de urna e o Pardal recebe denúncias.

22 de maio de 2022

Presidente descarta taxar compra por meio de aplicativos estrangeiros

Para Bolsonaro, irregularidades devem ser combatidas com fiscalização e o aumento dos impostos não é uma saída para o Governo com as empresas que ofertam compras online.

22 de maio de 2022

Temor com lei eleitoral trava medidas econômicas do governo federal

A lei eleitoral proíbe, no ano da disputa, a "distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios por parte do governo", o que impossibilita alguns planos de Bolsonaro.

22 de maio de 2022

João Pedro se lança ao Governo do AM, mas apoio da Federação ainda é incerto

O ex-senador João Pedro inscreveu pré-candidatura no Partido dos Trabalhadores e defende legado do ex-presidente Lula com o Estado do Amazonas.

22 de maio de 2022

Bolsonaro diz na Marcha para Jesus que ‘só Deus’ o tira do Palácio do Planalto

Em Curitiba, com um discurso com várias citações bíblicas, Jair Bolsonaro voltou a fazer críticas aos ministros do Supremo e a falar sobre "liberdade de expressão".

21 de maio de 2022

STF nega por unanimidade obrigar Lira a analisar impeachments

Decisão unânime do STF que desobriga Lira a cumprir prazos de análise de impeachment ocorreu nesta sexta-feira (20), mantendo 144 processos engavetados.

21 de maio de 2022