fbpx

segunda, 08 de agosto de 2022

Improbidade administrativa: especialista diz que mudança na lei é péssimo exemplo

Agentes públicos só serão responsabilizados se for comprovada a intenção de cometer o crime. Danos causados por imprudência, por exemplo, não serão enquadrados na lei.

7 de outubro de 2021

Compartilhe

A improbidade administrativa é caracterizada por atos de agentes públicos que atentam contra o erário (Foto: Reprodução)

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (6) por 287 votos a 133, o projeto que revisa a Lei de Improbidade Administrativa (PL 2505/21 – antigo PL 10887/18), que vai agora para sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A maior alteração do texto é a exigência de dolo (intenção) para que agentes públicos sejam responsabilizados. Danos causados por imprudência, imperícia ou negligência não poderão ser configurados como improbidade.

O cientista político e membro do Comitê Amazonas de Combate à Corrupção, Carlos Santiago, disse ao RealTime1 que a aprovação das mudanças representam um retrocesso para a sociedade.

”No momento que o país está buscando gestores sérios, comprometidos com a ética pública, transparência e legalidade, o Congresso Nacional vota contra tudo isso. As modificações vão contra os interesses coletivos, porque atos, que hoje vão contra os princípios da administração, com as modificações, livram os péssimos gestores de ações de improbidade administrativa”, salientou o cientista.

Santiago disse ainda que os parlamentares não tem dado um bom retorno para os cidadãos, ao aprovar leis que beneficiam apenas os políticos e não o povo. ”O Congresso Nacional nas últimas votações tem dado péssimos exemplos, tem facilitado a vida de péssimos gestores, modificando inclusive a lei da ficha limpa”, concluiu.

Ex-prefeito de Manaus e atual deputado estadual, Serafim Corrêa (PSB), criticou a Lei

Nesta quarta-feira (7), durante sessão plenária da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), o deputado Serafim Corrêa (PSB), que já foi chefe do executivo municipal de Manaus comentou sobre as mudanças da lei.

O parlamentar criticou a rigidez com que o Tribunal de Conta do Estado (TCE) julgava os processos na época em que ele foi prefeito da capital (2005-2008) e afirmou que a situação ainda permanece.

”A lei de improbidade administrativa que está em vigor, é uma barbaridade, por tudo um prefeito, um gestor termina virando um bandido, quando ele não é bandido”, disse Serafim, defendendo que as mudanças vêm para evitar erros e não para ser condescendente com irregularidades dos gestores.

”A nova lei da improbidade veio para separar aquilo que é enriquecimento ilícito daquelas falhas pequenas. Ao fazer essa separação está recebendo críticas do tipo, isso é o afrouxamento da lei de improbidade que ficava com uma espada no pescoço dos gestores, porque não tinham tempo para prescrever e agora tem”, concluiu Serafim.

Bancada amazonense, mais uma vez, dividida

Votaram pela alteração da Lei: Átila Lins (PP), José Ricardo (PT) e Silas Câmara (Republicanos). Os deputados Bosco Saraiva (Solidariedade), Capitão Alberto Neto (Republicanos), Delegado Pablo (PSL) e Sidney Leite (PSD) foram contra as mudanças. O deputado Marcelo Ramos (PL), presidia a sessão e por isso não teve direito a voto.

O que é improbidade administrativa?

A improbidade administrativa é caracterizada por atos de agentes públicos que atentam contra o erário, resultam em enriquecimento ilícito ou atentam contra os princípios da administração pública.

Entre as penas previstas estão: ressarcimento ao erário, indisponibilidade dos bens, perda da função pública e suspensão dos direitos políticos.

Texto: João Luiz Onety, com informações da Câmara Federal

Leia Mais:

Leia mais sobre Política

Wilson Lima se reúne com agricultores no Ramal do Brasileirinho

Governador conversou com cerca de 1 mil agricultores do ramal do Brasileirinho, na zona rural de Manaus, onde ouviu demandas do setor primário do Estado.

7 de agosto de 2022

Multidão invade ruas de Maués em apoio à comitiva do PSD e aliados

A comitiva percorreu ruas do município e foi seguida por uma multidão de apoiadores que prestigiaram o lançamento da candidatura de Sidney Leite à reeleição na Câmara.

7 de agosto de 2022

Bolsonaro paga R$ 89 milhões em campanhas que elogiam sua gestão

Três campanhas institucionais são as mais caras pagas pelo Governo Bolsonaro. 60% do valor gasto até o momento é com ênfase nas redes sociais.

7 de agosto de 2022

Campanha de Lula quer Petrobras fora de privatização e ações da Eletrobras

Proposta da campanha de Lula inclui ainda a fusão da Petrobras com a Eletrobras criando uma estatal da energia. Assessores veem erros nas privatizações de Bolsonaro.

7 de agosto de 2022

Ambev pode sair do Amazonas e causar desemprego, alerta senador

Omar Aziz alertou que decretos de redução do IPI de concentrados ameaçam empregos em Maués, pois a Ambev, que compra guaraná do município; pode sair do Amazonas.

7 de agosto de 2022

Michelle Bolsonaro diz em culto que Planalto já foi ‘consagrado a demônios’

Michelle Bolsonaro reforça aspecto evangélico da campanha de Bolsonaro e tenta diminuir rejeição do presidente junto ao eleitorado das mulheres.

7 de agosto de 2022

1º debate com candidatos ao Governo do AM acontece neste domingo

Band Amazonas mantém tradição com debate e com o formato, anunciando o fim do botão de tempo que era administrado pelos próprios candidatos.

7 de agosto de 2022

Mais de 23 milhões de eleitores estão aptos a votar voluntariamente

A Constituição Federal estabelece o voto facultativo, ou seja, opcional, para os jovens de 16 e 17 anos de idade; pessoas com 70 anos ou mais e também para analfabetos.

7 de agosto de 2022