quarta-feira, 17 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

Lei do Salão Parceiro levou mais segurança para o mercado da beleza e estética

Marco legal, que teve a constitucionalidade assegurada pelo STF, permite que cabeleireiros, barbeiros, manicures, esteticistas, depiladores e maquiadores trabalhem como MEI.
COMPARTILHE
beleza

A Lei do Salão parceiro, reconhecida como constitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF), no último dia 27 de outubro, levou mais segurança e autonomia para os profissionais do segmento de beleza e estética. É o que aponta uma pesquisa realizada pelo Sebrae. De acordo com o levantamento, 60% desses profissionais se sentem mais seguros com a nova norma e para 40% deles, a lei ampliou as oportunidades de trabalho no setor.

O segmento de beleza reúne quase 10% de todos os MEI do país, com mais de 1,2 milhão de profissionais inscritos. Antes da aprovação da Lei do Salão Parceiro, em 2016, o Brasil tinha 591 mil pessoas registradas nessa categoria.

Segundo a pesquisa, antes da aprovação desse marco legal, 73% das pessoas que atuam no segmento trabalhavam sem registro na carteira e sem formalização. Para a coordenadora nacional deste setorial do Sebrae, Andrezza Cintra, a Lei reconheceu milhares de trabalhadores que viviam numa espécie de “limbo jurídico”.

“Os profissionais trabalhavam dentro dos salões, mas bem poucos tinham carteira assinada e não se registravam como autônomos ou MEI. Como essas pessoas teriam acesso aos benefícios previdenciários e trabalhistas, por exemplo?”, questiona.

“Com a aprovação da Lei do Salão Parceiro, os profissionais da beleza puderam se formalizar, firmar contratos com mais de um espaço de embelezamento, aumentar sua renda e seu potencial como profissional. Sendo MEI, eles têm autonomia para fazer empréstimos, investir na carreira, fazer cursos, se especializar e construir o seu nome no mercado. Não é o Sebrae que está dizendo, a pesquisa que realizamos mostra que a Lei trouxe a percepção de mais segurança jurídica, acolhimento previdenciário, foi um avanço real”, analisa Andrezza.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

Transparência nos processos de pagamento de salários, comissões e descontos; qualificação da mão de obra com a melhora do potencial técnico e a organização de mercado são algumas das outras vantagens apontadas pelos profissionais na pesquisa do Sebrae.

Ainda de acordo com o levantamento, ao trabalhar por meio de parceria como MEI, 68% dos profissionais se acham mais responsáveis pela geração da própria renda. “Isso se explica justamente pela autonomia que eles ganham.

Embora não seja o mais comum, uma profissional que é manicure em um salão, por exemplo, pode conciliar o horário de trabalho e fazer parceria com dois espaços de embelezamento, dividindo seu trabalho em turnos. Esse arranjo pode turbinar a renda, daí a explicação para esse dado”, diz Andrezza.

Quando se trata de desvantagens, a burocracia é uma das questões que mais incomodam os trabalhadores dos salões de beleza. Para 52% dos entrevistados, a Lei do Salão Parceiro não trouxe nenhuma desvantagem. O restante acredita que pagar impostos, pagar contador, emitir notas fiscais e pagar INSS são inconvenientes.

Decisão do STF

No último dia 27, o plenário do Supremo Tribunal Federal decidiu, por 8 votos a 2, pela constitucionalidade da Lei do Salão Parceiro. A legislação, sancionada pelo então presidente Michel Temer (em 2016), permite a atuação desses profissionais como autônomos dentro dos estabelecimentos, sem vínculo empregatício. O regime de parceria garante a seguridade social do trabalhador, mediante a obrigação de recolhimento de impostos e encargos. Por outro lado, ficará a cargo do “salão-parceiro” reter os tributos e contribuições sociais e previdenciárias do “profissional parceiro”.


Profissionais de Beleza

O levantamento feito pelo Sebrae mostra as principais características dos profissionais que trabalham com beleza e estética no país. A maioria (77%) são do sexo feminino, tem entre 25 e 55 anos (65%) e possuem ensino médio completo (41%). A renda declarada pelos trabalhadores varia entre um e seis salários-mínimos, a maioria (52%) diz que fatura entre um e quatro salários. A autoestima dos profissionais também está boa, 37% acham que quase todos os seus clientes o seguiriam em possíveis mudanças de local de trabalho. 33% acreditam que alguns seguiriam e 23% supõem que a metade dos clientes se manteriam fiéis.

Fonte: Sebrae

Leia mais:

COMPARTILHE