fbpx

sábado, 28 de maio de 2022

Redução do IPI irá aumentar abismo social entre estados, alerta Hanan

Com a redução do IPI a União deixa de destinar cerca de R$ 3,47 bilhões/ano dos estados menos desenvolvidos. Impactos serão mais sentidos nos orçamentos da saúde e educação.

25 de abril de 2022

Compartilhe

Samuel Hanan pede urgência na anulação do decreto assinado por Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução)

Muito além de anular a sua competitividade da Zona Franca de Manaus (ZFM), ferindo de morte o modelo de desenvolvimento regional mais bem sucedido do país, a redução linear do Imposto sobre Produtos Industriais (IPI), determinada pelo decreto nº 11.047/2022, deverá ampliar as desigualdades regionais entre estados, com reflexos diretos nas áreas da saúde e educação – principalmente das unidades federativas mais pobres.

A avaliação é do engenheiro, empresário, e ex-vice-governador do Amazonas, Samuel Hanan. Em seu artigo intitulado “Redução do IPI: conta a ser paga pelos estados mais carentes”, ele explica que, com a renúncia fiscal estimada em R$ 19 bilhões por ano, a redução das alíquotas do tributo também reduz os repasses federais ao Fundo de Participação dos Estados (FPE) e ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

Com a redução do IPI a União deixa de destinar cerca de R$ 3,47 bilhões/ano dos estados menos desenvolvidos. Os impactos dessa perda serão mais sentidos nos orçamentos estaduais da saúde e da educação – principalmente, pelos estados mais pobres das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

“De tudo o que a União arrecada com esse imposto, 21,5% são destinados ao FPE e 22,75%, ao FPM. Outros 3% são destinados a fundos constitucionais. A conta é simples: com o decreto, a União vai tirar R$ 3,47 bilhões/ano dos estados menos desenvolvidos. Já os municípios das regiões citadas, terão R$ 2,08 bilhões a menos de receita a cada ano”, alerta Hanan.

O empresário lembra ainda que, ao contrário de São Paulo, que sozinho responte por 31,6% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, os estados do Norte, Nordeste e Centro-Oeste ainda são fortemente dependentes das parcelas oriundas do rateio das parcelas do FPE e do FPM, formados por 44,25% do IPI e Imposto de Renda.

O reflexo inevitável desta queda na arrecadação, segundo Hanan, será o desequilíbrio nas contas públicas e forte redução nos investimentos em educação e saúde, o que vai ampliar ainda mais as desigualdades regionais

“Como se sabe, estados e municípios são obrigados a aplicar nessas duas áreas pelo menos 25% e 12% (estados) e 15% (municípios), respectivamente, de suas receitas advindas de impostos. Inevitável, portanto, que dois dos setores de maior demanda da população terão menos recursos disponíveis. Nos estados das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, as menos desenvolvidas do país, a educação perderá R$ 868 milhões/ano e, na saúde, serão R$ 417 milhões a menos anualmente. Nos municípios dessas mesmas regiões, a queda da receita para educação será de R$ 522 milhões/ano e, na saúde, de R$ 833 milhões/ano. Num país em que as pessoas ainda morrem nas filas dos hospitais à espera de atendimento e onde faltam escolas e ensino de qualidade, essa opção não encontra justificativa”, argumenta.

O ex-vice-governador do Amazonas encerra o texto afirmando que “o olhar míope do governo levou à edição do decreto de redução do IPI, gerando uma conta que não pode ser paga apenas por uma parte do país, justamente a mais carente” e pede urgência na anulação do decreto assinado por Jair Bolsonaro.

“A medida precisa ser revista com urgência para que não se aprofunde o desequilíbrio de uma Federação – ainda distante de fazer jus ao nome -, condenando brasileiros à condição de cidadãos de segunda classe simplesmente pela região em que nascem”, conclui.

Texto: Lucas Raposo

Leia mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Fapeam inscreve propostas de CT&I em editais de R$ 25 milhões

Sete editais da Fapeam buscam o desenvolvimento de diversas cadeias produtivas do Estado com incremento da Ciência, Tecnologia e Inovação e recursos que somam R$ 25 milhões.

27 de maio de 2022

Programa Manaus + Agro contempla 70 produtores no ramal do Brasileirinho

Produtores rurais da região receberam alevinos, sementes e kits de agricultura familiar. Além disso, foram entregues 10 toneladas de ração para avicultores e piscicultores.

27 de maio de 2022

Ipea: Uma a cada quatro pessoas poderia trabalhar remotamente

Maioria dos trabalhadores que poderiam exercer atividades remotas é mulher (58,3%); branca (60%); com nível superior completo (62,6%); e tem idade entre 20 e 49 anos (71,8%).

27 de maio de 2022

Fundador do Grupo Digitron, Sung Un Song é o Industrial do Ano 2022

Título será concedido nesta sexta pela Fieam. Também serão homenageados os industriais Irani Bertolini e Gilberto Novaes e a empresa maior exportadora de 2021, a Recofarma.

27 de maio de 2022

Havan inaugura primeira megaloja em Manaus no dia 25 de junho

Nova Havan estará em anexo ao Shopping Manaus Via Norte. De acordo com a rede varejista, serão geradas 150 novas vagas de emprego diretos e cerca de 650 indiretos na capital.

27 de maio de 2022

5G poderá ser o ‘divisor de águas’ para a indústria do PIM, avalia Cieam

Segundo avaliação de representantes do setor, a nova tecnologia, caso implantada de forma satisfatória, poderá proporcionar agilidade ao processo produtivo, ao operacional.

27 de maio de 2022

Grupo busca 20 startups para investir R$ 5 milhões em recursos

SdP Capital, área do Grupo de Inovação e Investimentos Sai do Papel, é responsável por apoiar empreendedores a escalarem empresas inovadoras e estabelecer redes de conexões.

27 de maio de 2022

Secretaria de Empreendedorismo e Sebrae realizam a Semana do MEI

Semana do MEI vai acontecer de segunda (30/05) a sexta-feira (03/06). Objetivo é ofertar soluções inovadoras, para quem já é microempreendedor e para quem quer se formalizar.

27 de maio de 2022