fbpx

quinta, 30 de junho de 2022

Audiovisual contrata 40% a menos com fim de editais e pandemia

Estudo Tela Amazônia identificou que a maioria das produtoras de audiovisual no Amazonas atua há dez anos no mercado e 98,4% estão formalizadas.

27 de maio de 2022

Compartilhe

Produtoras de audiovisual no Amazonas buscam menor dependência de editais (Foto: Reprodução)

Produtoras do Amazonas de audiovisual (filmes, séries, documentários, animações etc) reduziram, em média, em 40% as contratações nos últimos dois anos devido a descontinuidade das políticas públicas para o setor e por causa da pandemia da Covid-19. A informação consta de um mapeamento do setor no Estado, o ‘Tela Amazônia‘.

O estudo identificou que a maioria das produtoras locais estão no mercado há dez anos, sendo 98,4% formalizadas.

Grande fomentador de projetos entre longas, séries, animações e outros formatos entre 2014 até 2018, os editais do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) foram suspensos a partir do impeachment da presidente Dilma Roussef (PT), o que impactou o setor no País como um todo.

“A gente vinha de um crescente do setor no Brasil desde 2014 com políticas que fizeram descentralizar o repasse de recursos, em várias linhas de fomento de produções fora do eixo. A partir do impeachment da Dilma, as políticas não tiveram continuidade e isso se refletiu nos Estados e Municípios”, diz o produtor executivo do mapeamento, Clemilson Farias.

Ele destaca que além disso, a pandemia da Covid-19, entre 2020 e 2021, também contribuiu para essa redução de contratações pois a atividade foi bastante afetada com as medidas restritivas, que embora necessárias para conter o vírus, restringiram filmagens e exibições para grande audiências.

Falta de incentivos e de recursos é o principal gargalo

A descontinuidade das políticas públicas e a falta de recursos são apontados por 54% como os principais impedimentos para o desenvolvimento da produção audiovisual no Estado.

Para 85% dos entrevistados, o desenvolvimento do setor, no Amazonas, necessita de políticas públicas fortalecidas e contínuas, mas também de maior compreensão das ferramentas de captação de recursos privados e formação especializada dos agentes do setor local.

“Isso expõe que as empresas têm consciência de que elas ainda são muito dependentes das políticas públicas e que precisam também buscar e conhecer modelos de negócios que as ajudem a superar essa dependência”, explica Clemilson.

O setor aguarda no momento a decisão do presidente Jair Bolsonaro em relação às leis Aldir Blanc 2 e Paulo Gustavo, que destinam recursos para a Cultura, incluindo o setor audiovisual. Se sancionadas, as leis podem reativar linhas de fomento que reaquecerão a atividade no País.

O próprio levantamento foi contemplado com edital do Programa Cultura Criativa – 2020/Lei Aldir Blanc – Prêmio Feliciano Lana, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Amazonas, com a supervisão da Secretaria Especial de Cultura vinculada ao Ministério do Turismo.

Demandas

O mapeamento também identificou outras demandas do setor como a procura por capacitação de funções técnicas para execução dos projetos. Em especial, as [demandas] por roteiro, profissionais de som direto, de pós-produção de som, edição e preparação de elenco.

Como diz o texto do estudo, “a falta de mão de obra qualificada faz com que muitos dos processos de produção das obras, realizadas no estado, necessitem ser finalizadas nas outras regiões do País”.

Apesar das deficiências, mais da metade das produtoras (53%) já licenciaram conteúdo para a televisão. No entanto, 66% delas não realizaram coprodução nacional. Outros 83% não realizaram coprodução internacional e somente 8% tiveram produção exibida em circuito comercial de cinema.

Por isso mesmo, 64% têm como meta ter produções voltadas para exibição em circuito comercial de cinema.

Confira a pesquisa na íntegra

Texto: Emerson Medina

Leia Mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Concurso da Agência de Fomento do AM abre inscrições no dia 18 de julho

São ofertadas 30 vagas para nível superior neste certame, onde os salários chegam até R$ 6,5 mil. O edital já pode ser consultado hoje no site da comissão organizadora.

30 de junho de 2022

Conheça o Empresa Fácil, sistema que facilita abertura de empresas em Manaus

O Empresa Fácil coleta os dados necessários para o funcionamento da empresa pelo preenchimento de formulário eletrônico único, disponível na internet, pelo site da Jucea.

29 de junho de 2022

“Porta-voz da ZFM”, Daniella Consentino deverá presidir a Caixa

Braço direito de Paulo Guedes, Consetino deixa a Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade pouco mais de quatro meses após assumir a predidência.

29 de junho de 2022

PIM fecha primeiro quadrimestre com alta de 8,96% no faturamento

Entre janeiro e abril, o faturamento total do Polo Industrial de Manaus ficou em R$ 52,68 bilhões, o que representa alta de 8,96% em relação ao mesmo período de 2021.

29 de junho de 2022

Amazonas melhora índice e obtém nota A em transparência fiscal

O Amazonas está entre os Estados que tiraram nota A juntamente com Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Paraná, Pernambuco, Santa Catarina e Tocantins.

28 de junho de 2022

Programa de capacitação em tecnologia para mulheres tem inscrições abertas

Programa Santander Code Girls 2022, uma iniciativa do Santander Universidades, atende a mulheres que têm interesse na área de Tecnologia e desejam trabalhar com programação.

28 de junho de 2022

Postos já recebem gasolina com desconto de impostos federais

Desconto ainda é gradual, já que o repasse depende dos estoques das distribuidoras, mas o governo negocia com o setor uma alternativa para agilizar os cortes nos preços.

28 de junho de 2022

Estados fazem propostas no STF sobre o ICMS dos combustíveis

Governadores, secretários de fazenda e representantes da União participaram de audiência de conciliação marcada por Gilmar Mendes do STF para tratar dos combustíveis.

28 de junho de 2022