fbpx

terça, 07 de dezembro de 2021

Lei do Salão Parceiro levou mais segurança para o mercado da beleza e estética

Marco legal, que teve a constitucionalidade assegurada pelo STF, permite que cabeleireiros, barbeiros, manicures, esteticistas, depiladores e maquiadores trabalhem como MEI.

9 de novembro de 2021

Compartilhe

A Lei do Salão parceiro, reconhecida como constitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF), no último dia 27 de outubro, levou mais segurança e autonomia para os profissionais do segmento de beleza e estética. É o que aponta uma pesquisa realizada pelo Sebrae. De acordo com o levantamento, 60% desses profissionais se sentem mais seguros com a nova norma e para 40% deles, a lei ampliou as oportunidades de trabalho no setor.

O segmento de beleza reúne quase 10% de todos os MEI do país, com mais de 1,2 milhão de profissionais inscritos. Antes da aprovação da Lei do Salão Parceiro, em 2016, o Brasil tinha 591 mil pessoas registradas nessa categoria.

Segundo a pesquisa, antes da aprovação desse marco legal, 73% das pessoas que atuam no segmento trabalhavam sem registro na carteira e sem formalização. Para a coordenadora nacional deste setorial do Sebrae, Andrezza Cintra, a Lei reconheceu milhares de trabalhadores que viviam numa espécie de “limbo jurídico”.

“Os profissionais trabalhavam dentro dos salões, mas bem poucos tinham carteira assinada e não se registravam como autônomos ou MEI. Como essas pessoas teriam acesso aos benefícios previdenciários e trabalhistas, por exemplo?”, questiona.

“Com a aprovação da Lei do Salão Parceiro, os profissionais da beleza puderam se formalizar, firmar contratos com mais de um espaço de embelezamento, aumentar sua renda e seu potencial como profissional. Sendo MEI, eles têm autonomia para fazer empréstimos, investir na carreira, fazer cursos, se especializar e construir o seu nome no mercado. Não é o Sebrae que está dizendo, a pesquisa que realizamos mostra que a Lei trouxe a percepção de mais segurança jurídica, acolhimento previdenciário, foi um avanço real”, analisa Andrezza.

Transparência nos processos de pagamento de salários, comissões e descontos; qualificação da mão de obra com a melhora do potencial técnico e a organização de mercado são algumas das outras vantagens apontadas pelos profissionais na pesquisa do Sebrae.

Ainda de acordo com o levantamento, ao trabalhar por meio de parceria como MEI, 68% dos profissionais se acham mais responsáveis pela geração da própria renda. “Isso se explica justamente pela autonomia que eles ganham.

Embora não seja o mais comum, uma profissional que é manicure em um salão, por exemplo, pode conciliar o horário de trabalho e fazer parceria com dois espaços de embelezamento, dividindo seu trabalho em turnos. Esse arranjo pode turbinar a renda, daí a explicação para esse dado”, diz Andrezza.

Quando se trata de desvantagens, a burocracia é uma das questões que mais incomodam os trabalhadores dos salões de beleza. Para 52% dos entrevistados, a Lei do Salão Parceiro não trouxe nenhuma desvantagem. O restante acredita que pagar impostos, pagar contador, emitir notas fiscais e pagar INSS são inconvenientes.

Decisão do STF

No último dia 27, o plenário do Supremo Tribunal Federal decidiu, por 8 votos a 2, pela constitucionalidade da Lei do Salão Parceiro. A legislação, sancionada pelo então presidente Michel Temer (em 2016), permite a atuação desses profissionais como autônomos dentro dos estabelecimentos, sem vínculo empregatício. O regime de parceria garante a seguridade social do trabalhador, mediante a obrigação de recolhimento de impostos e encargos. Por outro lado, ficará a cargo do “salão-parceiro” reter os tributos e contribuições sociais e previdenciárias do “profissional parceiro”.


Profissionais de Beleza

O levantamento feito pelo Sebrae mostra as principais características dos profissionais que trabalham com beleza e estética no país. A maioria (77%) são do sexo feminino, tem entre 25 e 55 anos (65%) e possuem ensino médio completo (41%). A renda declarada pelos trabalhadores varia entre um e seis salários-mínimos, a maioria (52%) diz que fatura entre um e quatro salários. A autoestima dos profissionais também está boa, 37% acham que quase todos os seus clientes o seguiriam em possíveis mudanças de local de trabalho. 33% acreditam que alguns seguiriam e 23% supõem que a metade dos clientes se manteriam fiéis.

Fonte: Sebrae

Leia mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Construtora inscreve pessoas negras para programa nacional de trainee

O objetivo é promover maior equidade de oportunidades no ambiente corporativo - especialmente no que se refere à ocupação de cargos de liderança.

6 de dezembro de 2021

Fluxo no transporte hidroviário intermunicipal aumenta 21% em novembro

Em novembro, 87.657 pessoas utilizaram embarcações, com saída dos postos de fiscalização da Arsepam em Manaus, para outros municípios do estado. Em outubro, foram 72.288.

6 de dezembro de 2021

Saques em poupança superam depósitos em R$ 12,37 bilhões

De janeiro a novembro, foi registada retirada líquida de R$ 43,157 bilhões. Em 2020, a poupança captou R$ 166,31 bilhões em recursos, o maior valor anual da série histórica.

6 de dezembro de 2021

Brasil lança oficialmente os selos nacionais de Indicações Geográficas

Selos nacionais de Indicação de Procedência ou Denominação de Origem serão lançados oficialmente no IV Evento Internacional de Indicações Geográficas e Marcas Coletivas.

6 de dezembro de 2021

Banco do Brasil realiza mutirão para renegociação de dívidas

Mutirão de negociação de dívidas começa nesta segunda-feira (6) vai até o dia 17 de dezembro, com descontos de até 95% para pagamento à vista das dívidas vencidas.

6 de dezembro de 2021

INSS divulga calendário de pagamentos para 2022; confira

Os depósitos para 36 milhões de beneficiários seguirão a sequência de anos anteriores, com um calendário para quem recebe um salário mínimo e outro para quem ganha mais.

6 de dezembro de 2021

Mais de 2 mil bolsas de pós-graduação são disponibilizadas em Manaus

As inscrições para as bolsas de estudo de 100%, 70% e 50% seguem até o dia 28 de janeiro. A primeira chamada dos selecionados acontece no dia 1º de fevereiro de 2022.

6 de dezembro de 2021

Cartões chegam ao Juruá: auxílio injetará R$ 4,8 milhões/ano em Eirunepé

Com o benefício mensal no valor de R$ 150, a estimativa é de que aproximadamente R$ 400.950 sejam injetados na economia da cidade, mensalmente.

6 de dezembro de 2021