fbpx

sexta, 28 de janeiro de 2022

CNI: sete em cada 10 indústrias têm dificuldades para comprar insumo

Dificuldades de abastecimento de insumos e matérias-primas afetaram em média 68% das empresas das indústrias extrativa e de construção, em outubro, segundo pesquisa da CNI.

2 de dezembro de 2021

Compartilhe

88% das indústrias dizem que a normalização de insumos só virá em 2022 (Foto: Reprodução)

As dificuldades de abastecimento de insumos e de matérias-primas afetaram em média 68% das empresas das indústrias extrativa e de construção, em outubro de 2021, de acordo com pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada nesta quinta-feira (2).

O percentual é menor do que o de fevereiro deste ano, quando 73% das empresas relataram o problema. “Apesar da ligeira queda, a situação está bastante complicada e mais da metade das indústrias avalia que esse desajuste só terá fim a partir de abril de 2022”, informou a CNI.

Segundo a pesquisa, em 18 dos 25 setores da indústria de transformação consultados, mais de dois terços das empresas afirmaram que, mesmo em negociações com o valor acima do habitual, está mais difícil obter os insumos no mercado doméstico. 

Esse problema atinge 90% do setor de calçados; 88% das indústrias de couro, 85% dos fabricantes de móveis; 79% da indústria química; 78% do vestuário e 78% das madeireiras, além de 77% das indústrias de equipamentos de informática e produtos eletrônicos e 76% do setor de bebidas, por exemplo.

Insumos importados

Entre os setores que dependem de insumos importados, 18 deles também relataram o mesmo problema: a dificuldade de comprar a mercadoria, mesmo que se decida pagar a mais por ela. Os setores mais afetados foram: farmacêuticos (88%), máquinas e materiais elétricos (86%), vestuário (85%), material plástico (84%), limpeza e perfumaria (82%), têxteis (81%) e móveis (80%).

De acordo com o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, há, pelo menos, três explicações para a falta de insumos gerada pela crise provocada pela pandemia de covid-19. “Há um buraco na produção industrial que ainda não foi resolvido. A [pesquisa] Sondagem Industrial de outubro mostrou ajuste nos estoques, é uma condição importante, necessária para resolver o problema, mas é um primeiro passo. E esse ajuste ainda precisa se completar para uma série de setores”, explicou o economista, em nota. 

“Além disso, temos a expansão da demanda global de uma série de produtos, com os países voltando da crise. Esses fatores seguem provocando estresse nas linhas produtivas e a escassez de diversos insumos”, completou.

Segundo Marcelo Azevedo, há ainda um outro agravante composto pelo elevado custo da logística, alto preço e baixa qualidade dos contêineres. “Alguns países estão buscando alternativas para esse problema dos insumos, como desenvolver fornecedores locais, mas não é algo que se faça rapidamente nem depende só da ação da vontade, e envolve custos”, afirmou.

Construção civil

De acordo com a CNI, na construção civil o problema se agravou entre fevereiro e outubro deste ano. O percentual de construtores que disse ter dificuldade para obter insumo e matéria-prima passou de 72% para 75%.

Diante disso, a expectativa de um cenário de normalização da oferta de insumos é um pouco mais pessimista, em comparação com a indústria geral: 88% acreditam que a normalização de insumos só ocorrerá em 2022 e 9% das empresas esperam que haja normalização apenas em 2023. Nesse segmento, dos 27% que importam insumos, 80% deles sinalizaram dificuldades de acessar matérias-primas importadas.

Fonte: Agência Brasil

Leia mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Defensoria Pública abre processo seletivo de estágio em Direito

As inscrições no Cadastro de Reserva da Defensoria Pública do Estado do Amazonas estão abertas para candidatos ao Estágio de Direito com bolsa de R$987 e auxílio transporte.

27 de janeiro de 2022

Secretários de Fazenda aprovam congelamento de ICMS dos combustíveis

Congelamento do preço médio ponderado ao consumidor final (PMPF), base para cálculo do ICMS, tinha validade até 31 de janeiro. Com a decisão, valerá por mais 60 dias.

27 de janeiro de 2022

Jovem aprendiz colabora em média com 30% da renda das famílias, diz fórum

Fórum lançado nesta quinta, busca soluções para ampliar estágio e primeiro emprego no Brasil por meio de ações alinhadas com Estados e Municípios e ao Novo Ensino Médio.

27 de janeiro de 2022

Empresas podem acionar Justiça para liberar mercadorias na Receita

Mais empresas podem seguir a Moto Honda e acionar a Justiça para desembaraçar mercadorias fiscalizadas no operação padrão dos auditores fiscais, diz a Fieam.

27 de janeiro de 2022

Setor imobiliário deve frear reação devido Inflação e juros altos, em 2022

Conjuntura de 2022 com inflação e juros altos tem diferença em relação ao ano passado quando o mercado imobiliário reagiu bem apesar da pandemia, dizem especialistas.

27 de janeiro de 2022

Faturamento do PIM cresce 32% até novembro de 2021 e bate recorde

De acordo com dados da Suframa, o faturamento do Polo Industrial de Manaus acumulado de janeiro a novembro de 2021 atingiu volume recorde de quase R$ 145,59 bilhões.

27 de janeiro de 2022

5 milhões de m³/dia: consumo de gás natural atinge volume inédito no AM

Volume demandado em 2021 alcançou média de 5,2 milhões de m³/dia, alta de 5,5 % em comparação com o ano de 2020, segundo cálculos da Cigás.

27 de janeiro de 2022

Confiança da indústria registra sexta queda consecutiva, informa FGV

Índice de Confiança da Indústria (ICI) caiu 1,7 ponto em janeiro, para 98,4 pontos, o menor nível desde julho de 2020, quando o índice atingiu 89,8 pontos.

27 de janeiro de 2022