fbpx

sábado, 21 de maio de 2022

Suplentes no Senado: cargos de menor visibilidade são alvo de disputa

Cada senador tem direito de indicar dois suplentes, postos que são usados estrategicamente para definir apoios financeiros, alianças políticas e muito poder em Brasília.

21 de março de 2022

Compartilhe

Cada senador da República tem o direito de indicar dois suplentes, que podem ocupar o cargo por morte do titular ou eleição para outro cargo majoritário (Foto: Divulgação)

Um dos postos de menor visibilidade na política, mas que desperta grande ambição é o de suplente de Senador. E, neste ano, a briga está ainda mais acirrada pelas duas únicas vagas de suplência que estão abertas para a cadeira hoje ocupada pelo senador Omar Aziz (PSD).

Favorito a renovar o mandato conforme as pesquisas de intenção de votos, as duas suplências de Omar são disputadas em várias frentes. Articulando o apoio do prefeito de Manaus, David Almeida (Avante), o senador poderá ter como suplente um indicado do prefeito e o nome mais cotado é o do secretário municipal de Limpeza Pública, Sabá Reis, considerado um coringa de David.

Omar também procura renovar o apoio de lideranças evangélicas da Assembleia de Deus, que no atual mandato indicaram o vereador Luís Mitoso (PTB) para a segunda vaga de suplente. Neste caso, surgiu nos últimos dias o nome do ex-vereador Amaury Colares. Por último, um nome que apareceu no radar nesta semana é o do deputado estadual Serafim Corrêa, que levaria para o Omar o apoio do PSB.

O ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio Neto (PSDB) tem oscilado entre ter como suplente a própria esposa, Elisabeth Valeiko, ou o filho, o ex-deputado federal Arthur Bisneto. Na área política ele costura uma aliança com o ex-governador Amazonino Mendes, que seria o candidato do PSDB ao Governo do Estado e nessa condições poderia indicar para a suplência de Arthur o próprio filho dele, o empresário Armando Mendes. Em outra frente, Arthur pode indicar um empresário aliado e que traria apoio do segmento produtivo para a chapa.

Candidato ao Senado por indicação do presidente Jair Bolsonaro (PL), o coronel da reserva do Exército Alfredo Menezes costura com o presidente do PL no Amazonas, o ex-ministro Alfredo Nascimento, os nomes de suplentes que agradem aos dois grupo, no caso um militar da reserva e um aliado de Alfredo. Os nomes ainda não surgiram, mas a costura envolve o grupo de políticos bolsonaristas que vão entrar no PL neste mês.

O ex-deputado estadual Luiz Castro, que foi o último a entrar nessa corrida pela vaga no Senado, desta vez pelo PDT, disse, nesta quinta-feira (17), durante o lançamento das pré-candidaturas dele e da defensora pública Carol Braz ao Governo do Estado, que os postos de suplente para a sua chapa ainda não foram acertados e que a partir de segunda-feira vão começar as tratativas com outras forças para a escolha destes aliados.

Estratégias de escolha

Tradicionalmente as duas vagas de suplentes nas chapas de candidatos ao Senado são ocupadas de três formas: empresários financiadores da campanha; pessoas de confiança dos candidatos, incluindo aí familiares; e, por fim, aliados políticos.

Na atual composição da bancada amazonense a receita para a escolha de suplentes foi seguida a risca. As duas suplências do senador Omar Aziz foram destinadas a aliados políticos indicados por partidos aliados da campanha dele em 2014: o médico Helder Cavalcante, indicado pelo PL, e o vereador Luís Mitoso, indicado por lideranças evangélicas que apoiaram Omar.

O senador Eduardo Braga, que no primeiro mandato no Senado teve como suplente o empresário Lírio Parisotto, dono da Videolar e um dos principais financiadores da campanha dele em 2010, mudou a estratégia de escolha no segundo mandato, optando por pessoas da mais inteira confiança dele, no caso a própria esposa, Sandra Braga, e um dos principais dirigentes locais do MDB, o ex-deputado estadual Miguel Capobiango.

Plínio Valério optou por indicar suplentes da confiança dele, no caso Carlos Alberto de Castro Almeida e Jacira Maria Souza. Ambos já trabalharam com Plínio em mandatos na Câmara Municipal de Manaus.

Texto: Gerson Severo Dantas

Leia Mais:

Leia mais sobre Política

Wilson destina mais de R$ 57 milhões para os municípios Caapiranga e Anamã

Os investimentos do Governo do Amazonas têm o objetivo de melhorar a infraestrutura, o escoamento da produção agrícola e a trafegabilidade nos dois municípios.

20 de maio de 2022

Moraes bloqueia bens de Daniel Silveira para garantir pagamento de multas

Medida do ministro Moraes visa garantir que Daniel Silveira pague as multas acumuladas em mais de R$ 600 mil pelo descumprimento do uso de tornozeleira eletrônica.

20 de maio de 2022

Wilson anuncia R$ 1,3 milhão para equipamentos no Hospital de Caapiranga

O hospital recebeu reforma geral, passando por ampliações e adaptações, sendo necessário para o completo atendimento aos usuários, e reforço na estrutura.

20 de maio de 2022

Aliados de Bolsonaro indicam nova visita do presidente ao AM no dia 28 de maio

O anúncio da vinda do presidente foi feito por seus aliados no Amazonas. No entanto, a agenda presidencial ainda não foi divulgada oficialmente pelo Planalto.

20 de maio de 2022

Lula estabiliza em 44% contra 32% de Bolsonaro em nova pesquisa Ipespe

Pesquisa foi realizada por telefone, entre os dias 16 e 18 de maio, com 1 mil entrevistados com idade a partir de 16 anos, em todas as regiões do país.

20 de maio de 2022

Prefeitos do AM criam novo fórum e esvaziam Associação de Municípios

Desde a eleição de Jair Souto para o comando da AAM, os demais prefeitos reclamam da falta interlocução dele com o Governo do Estado para sanar demandas do interior.

20 de maio de 2022

Escolha de ouvidor-geral nas Defensorias deve ser em lista tríplice

Segundo relator Gilmar Mendes, as atribuições conferidas aos membros da Ouvidoria-Geral das Defensorias Públicas estão entre as previstas na Constituição Federal

20 de maio de 2022

‘Wilson levou asfalto onde jamais imaginavam’, diz pré-candidato do Republicanos

Pastor da Igreja Universal diz que não é bolsonarista e tem opinião própria sobre a corrida presidencial, mas se for eleito buscará parceria mesmo com Lula na presidência.

20 de maio de 2022