fbpx

sábado, 23 de outubro de 2021

Senadores divergem sobre lei que facilita crimes de agentes públicos

Omar Aziz (PSD) disse que não facilitará privilégios. Plínio Valério (PSDB) afirmou que jamais votaria em algo que dificultasse punições. Eduardo Braga (MDB) estava ausente.

30 de setembro de 2021

Compartilhe

Os senadores Omar Aziz e Plínio Valério divergiram do tema em seus votos durante a sessão desta quarta-feira do Senado Federal (Foto: Reprodução)

Agentes públicos que atentam contra princípios da administração pública, promovam prejuízos aos cofres públicos e enriquecem ilicitamente, se valendo do cargo que ocupam, agora passam a ter mais tranquilidade em relação à punição para tais crimes. Esse foi o entendimento de 47 senadores, que aprovaram uma nova redação para a Lei da Improbidade Administrativa.

Procurados pelo RealTime1, os senadores do Amazonas se posicionaram sobre o tema.

Omar Aziz (PSD) votou pela mudança da lei e, quando questionado sobre os privilégios que essas alterações poderiam gerar para agentes que cometeram irregularidades, ele minimizou a situação descartando a possibilidade da regalia.

”Não há privilégio nenhum, não. Você não pode é permitir certas situações. Ela [a lei] vai inviabilizar, por exemplo, que um prefeito do interior seja afastado do cargo mesmo quando não há má fé, não há dolo, apenas isso”, ponderou o senador.

Já Plínio Valério (PSDB) votou contra, afirmando que jamais aprovaria algo que beneficiasse condutas ilícitas.

”Qualquer mudança na Lei de Improbidade Administrativa, que beneficie alguma categoria, no caso os políticos, eu sou contra. Prejudica a lei? Prejudica. A mudança é para melhor ou para pior? Para pior. Então eu sou contra e vou ser sempre contra essas coisas”, garantiu o parlamentar tucano.

Eduardo Braga (MDB) está de licença por motivos de saúde e não participou da votação. Questionada sobre como avalia o tema, o parlamentar não respondeu às mensagens enviadas pelo RealTime1.

Principais mudanças

Dos 25 artigos originais da legislação, que é do ano de 1992, somente dois não são foram modificados pelo projeto. Uma das principais alterações estabelece que, para a condenação de agentes públicos, será exigida a comprovação de dolo, ou seja, da intenção de cometer irregularidade, algo que pode dificultar uma condenação e, consequentemente, pode atrapalhar o combate a esses crimes.

Em casos de enriquecimento ilícito e prejuízo aos cofres públicos, a sanção de perda de função pública atinge somente o vínculo de mesma natureza da época que o político cometeu a infração. Ou seja, se um senador for condenado por improbidade em razão de fatos da época em que era um deputado estadual, por exemplo, ele não pode perder o mandato.

O presidente da Associação Amazonense do Ministério Público (AAMP), promotor de Justiça Alessandro Gouveia disse ao RealTime1 que as instituições que representam os membros do MP buscaram o diálogo com parlamentares a fim de reduzir retrocessos previstos na lei, mas que ainda assim nem tudo foi atingido.

”Com a nossa atuação, houve avanço em, pelo menos, sete pontos. No entanto, o texto ainda não atende a todas as expectativas do Ministério Público. A categoria vai continuar trabalhando com o propósito de continuar defendendo instrumentos efetivos no combate à impunidade e à corrupção”, afirmou.

O texto segue para Câmara antes de ir para sanção presidencial.

Texto: João Luiz Onety

Leia Mais:

Leia mais sobre Política

Gilberto Kassab anuncia Rodrigo Pacheco como candidato a presidente

O presidente Nacional do PSD revelou, neste sábado, que o candidato do partido à presidência, no próximo ano, será o senador Rodrigo Pacheco, presidente do Senado.

23 de outubro de 2021

Wilson Lima e David Almeida assinam convênios de mais de meio bilhão

O governador Wilson Lima e o prefeito David Almeida assinarão, amanhã, uma série de convênios que representarão um presente para a cidade que fará 352 anos neste domingo.

23 de outubro de 2021

STF realiza audiência para discutir a criação do juiz de garantias

Juiz de garantias vai atuar fiscalizando a legalidade dos atos praticados pelo juiz da instrução criminal, o que gerou uma dúvida sobre a constitucionalidade desta novidade.

23 de outubro de 2021

Congresso abre prazo para apresentação de emendas a LOA da União

Lei Orçamentária Anual (LOA) do Governo Federal reservou R$ 16,2 bilhões para os parlamentares apresentarem emendas com execução obrigatória no próximo ano.

23 de outubro de 2021

Improbidade administrativa um problema recorrente das prefeituras

Para analista político, irregularidades na prestação de contas pode ser fruto da falta de pessoal, dificuldades dos servidores e até mesmo má fé com a causa pública.

23 de outubro de 2021

“Baixo orçamento é oriundo de Arthur Neto”, culpa Antônio Stroski

Titular da secretaria de meio ambiente disse que política de "encolhimento" de antecessor foi responsável pelo atual orçamento de R$ 17,1 milhões em 2022.

23 de outubro de 2021

Após viagens na pandemia e diagnóstico de Covid-19, Assis volta à CMM

Vereador chamava a atenção de pessoas por aglomerações e o não uso de máscara, mas na Pandemia emendou duas viagens seguidas em agosto e voltou pra Manaus com Covid-19.

22 de outubro de 2021

Ex-ministro Esteves Colnago assumirá Secretaria de Tesouro e Orçamento

A nomeação foi confirmada há pouco pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, em declaração conjunta ao lado do presidente Jair Bolsonaro.

22 de outubro de 2021