fbpx

segunda, 15 de agosto de 2022

Senado aprova mudanças na regra eleitoral e na posse presidencial; entenda!

Volta das coligações, defendida pelos deputados, foi barrada no Senado Federal durante votação nesta quarta-feira (22); parte das mudanças vale a partir de 2022.

22 de setembro de 2021

Compartilhe

(Foto: Marília Lima /CB/D.A Press)

Senado aprovou nesta quarta-feira (22), em dois turnos, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que trata da reforma eleitoral. A PEC tem origem na Câmara, onde foi aprovada no mês passado, com a previsão da volta das coligações partidárias nas eleições proporcionais (para escolha de vereadores e deputados).

O texto foi aprovado por 70 votos a 3, em primeiro turno, e por 66 votos a 3, em segundo turno. Serão promulgados pelo Congresso Nacional os pontos aprovados nas duas casas legislativas — não é o caso das coligações, rejeitadas no Senado.

A formação de coligações permite a união de partidos — muitas vezes sem a mesma ideologia partidária — em um único bloco para a disputa das eleições proporcionais (deputados e vereadores).

O mecanismo favorece os chamados “partidos de aluguel”, que tendem a negociar apoios na base do “toma-lá-dá-cá”. Segundo especialistas, as coligações também possibilitam que candidatos com votação expressiva contribuam para a eleição de integrantes de siglas coligadas que receberam poucos votos.

Mudança na data da posse presidencial

A partir da eleição de 2026, o presidente da República e o vice-presidente tomam posse no dia 5 de janeiro do ano seguinte ao pleito, enquanto governadores e vice-governadores assumem no dia 6 de janeiro. Atualmente, isso ocorre no primeiro dia do ano seguinte ao pleito.

Fidelidade Partidária

A PEC também constitucionaliza as regras de fidelidade partidária e prevê a perda do mandato dos deputados e vereadores que se desfiliarem da legenda, exceto quando o partido concordar ou em hipóteses de justa causa estipuladas em lei.

Código Eleitoral

Aprovada às pressas pelos deputados, a proposta censura pesquisas eleitorais na véspera e no dia do pleito (as famosas boca de urna), fragiliza normas de transparência, fiscalização e punição de políticos e partidos por mau uso das verbas públicas, entre outros pontos.

Confira o que foi aprovado e rejeitado pelo Senado.

Rejeitado pelo Senado:​

– Volta das coligações nas eleições proporcionais

– Aplicação do princípio da anterioridade para decisões do STF e do TSE que tratem sobre processo eleitoral

– Mudança de critérios para apresentação de projeto de lei de iniciativa popular. Proposta previa que seriam necessárias apenas 100 mil assinaturas. Atualmente, é preciso reunir aproximadamente 150 milhões.

Aprovado pelo Senado:

– Votos em mulheres e negros contarão em dobro para fins de cálculo do valor do fundo partidário e do fundo eleitoral a partir da eleição de 2022 até 2030

– Constitucionalização da fidelidade partidária: deputados e vereadores perderão o mandato quando se desligarem do partido, exceto nos casos de justa causa e anuência da sigla. Hoje, a regra está prevista apenas em lei

– Posse do presidente da República em 5 de janeiro e de governadores em 6 de janeiro, a partir de 2026. Atualmente, ocorrem no primeiro dia do ano

– Plebiscitos municipais ocorrerão concomitantemente às eleições municipais

Da Redação, com informações dos sites Folha e G1.

Leia Mais:

Leia mais sobre Política

Deputados estaduais que disputam reeleição declaram R$ 24,1 milhões em bens

Adjuto Afonso e Therezinha Ruiz são os mais ricos da Assembleia Legislativa, com R$ 7,1 milhões e R$ 3,4 milhões, respectivamente. Dos 24 deputados, apenas 5 não disputam.

14 de agosto de 2022

Patrimônio de Arthur Neto cresceu 1450% entre 2016 e 2022

Arthur Neto pediu o registro de candidatura ao Senado na sexta-feira e declarou possuir R$ 2,5 milhões em bens. Nas eleições de 2016, o tucano declarou R$160,7 mil.

14 de agosto de 2022

Moraes assume TSE após carreira centralizadora e ligada à política

Moraes é personagem central no noticiário nacional dos últimos anos devido aos inquéritos sob sua responsabilidade que investigam o presidente Jair Bolsonaro e apoiadores.

14 de agosto de 2022

Bolsonaro e Lula travam disputa sobre valor do Auxílio Brasil

Após acusação do petista de que o auxílio tem duração até o fim do ano e de que pretende, se eleito, mantê-lo em 2023, Bolsonaro disse que o benefício será mantido em 2023.

14 de agosto de 2022

Presidenciáveis dão largada na campanha com foco no Sudeste

Região Sudeste concentra 42,6% dos eleitores do país. A dois dias do início da propaganda eleitoral gratuita, Lula se mantém na dianteira, enquanto Bolsonaro cresce.

14 de agosto de 2022

TRE-AM dá nome a cartório eleitoral de indigenista assassinado em Atalaia do Norte

O pleno do TRE-AM reconheceu, por unanimidade, colaboração do indigenista Bruno Pereira, assassinado em junho no Vale do Javari, par a instalação de novas seções eleitorais.

13 de agosto de 2022

Michelle assume protagonismo na marcha para Jesus com evangélicos

Durante a marcha, presidente falou em 'luta contra o comunismo' e convocou população para ato em Copacabana no Sete de Setembro.

13 de agosto de 2022

Wilson adere ao TikTok para ampliar comunicação com eleitores

Wilson Lima anuncia adesão ao TikTok convocando seguidores e fazendo dancinha, para buscar o eleitorado mais jovem, maioria dos perfis do aplicativo.

13 de agosto de 2022