fbpx

domingo, 16 de maio de 2021

Presidente Bolsonaro sanciona, com vetos, Nova Lei de Licitações

Novo marco estabeleceu um cronograma de transição de dois anos para a nova legislação entrar em vigor. Nesse período, licitações poderão ser realizadas com base na Lei atual.

2 de abril de 2021

Compartilhe

Trecho sobre leilões com agências internacionais foi retirado da lei (Foto: Reprodução)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sancionou com vetos a nova Lei de Licitações. A sanção foi publicada na noite desta quinta-feira (1º) em edição extraordinária do Diário Oficial da União.

Um trecho que previa condições especiais em leilões que envolvam empréstimos de agência oficial de organismos internacionais foi vetado. O texto aprovado pelo Congresso previa que uma autoridade superior poderia autorizar as condições especiais na contratação mediante despacho, mas o Palácio do Planalto entendeu que a medida contraria o interesse público.

Segundo a justificativa do veto, a exigência do despacho deve ser da autoridade superior do órgão que executa o programa ou o projeto, não da autoridade superior do órgão que representa o mutuário, no caso o órgão que contraiu empréstimos internacionais.

Bolsonaro também vetou o artigo que estabelecia que os valores de referência dos itens de consumo comprados pelos órgãos públicos não poderiam ser maiores que os valores de referência do Poder Executivo. Para o governo, isso violaria o princípio da separação dos Poderes.

Mudanças

Aprovada no início de março pelo Senado, a nova Lei de Licitações estabelece cinco tipos de licitação para a União, os estados e os municípios: concorrência, concurso, leilão, pregão e diálogo competitivo. Além do critério de menor preço, a legislação prevê critérios de melhor técnica ou conteúdo artístico, maior retorno econômico, maior desconto e lance mais alto.

Introduzida pelo novo marco regulatório, a categoria de diálogo competitivo permite concorrências com potenciais competidores selecionados com antecedência. O modelo é inspirado em experiências internacionais.

A lei também prevê a criação do Portal Nacional de Contratações Públicas, página que agrupará informações sobre licitações e contratações de todas as esferas de governo (federal, estadual e municipal).

Em relação às irregularidades, foi inserido um capítulo específico sobre crimes em licitações e em contratos administrativos, com penas para os envolvidos.

O novo marco estabeleceu um cronograma de transição de dois anos para a nova legislação entrar plenamente em vigor. Nesse período, as licitações poderão ser realizadas com base nas atuais Lei de Licitações, Lei dos Pregões, Lei do Regime Diferenciado para que os órgãos públicos se adequem às novas regras. Após esse prazo, passará a valer exclusivamente o novo modelo.

Fonte: Agência Brasil

Leia mais:

Leia mais sobre Política

PSDB-AM lamenta morte de Bruno Covas: ‘é exemplo a ser seguido’

Arthur Neto e Luiz Alberto Carijó falaram dos ideais de Covas e destacaram que ele é um exemplo a ser seguido pela militância partidária.

16 de maio de 2021

Omar destaca erro na condução da pandemia e desinteresse por vacinas

O senador Omar Aziz preside a CPI da Covid e fez estas afirmações durante entrevista à GloboNews; Aziz diz que todos sabem que houve 'erro' na condução da pandemia.

16 de maio de 2021

Inspirado na Netflix, grupo lança ‘Bolsoflix’; assista a um dos vídeos

Desde a última sexta (14), um site foi ao ar, reunindo uma série de vídeos do presidente Jair Bolsonaro e seus aliados do Governo Federal; confira o trailer.

16 de maio de 2021

Sem máscara, Bolsonaro pede aprovação do voto impresso e ataca Lula

O presidente Jair Bolsonaro compareceu hoje a atos pró-governo. Com queda na aprovação de seu governo, ele disse aos manifestates que mudanças não são imediatas.

15 de maio de 2021

Empate: população está dividida sobre impeachement de Bolsonaro

A pesquisa DataFolha divulgada hoje (15) indica um empate técnico entre as pessoas que aprovariam, ou não, um processo de impeachement ao presidente Jair Bolsonaro.

15 de maio de 2021

Bancada reage à permissão para Pazzuello ficar calado na CPI

Interrogado na próxima quarta-feira (19) o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazzuello, assegurou no Supremo Tribunal Federal uma liminar que garante o direito de ficar calado.

15 de maio de 2021

Fachin nega pedido da Polícia Federal e não vai investigar Dias Toffoli

Fachin determinou que é preciso aguardar o plenário da Corte se manifestar sobre o tema. O ministro enviou o processo para o plenário virtual do STF.

15 de maio de 2021

Saúde não teve mais recursos pois Governo não contava com segunda onda

Em ofício, o Ministério da Economia indicou que não destinou mais recursos para Saúde na LOA em 2021, pois o ministério não contava com o recrucidamento da pandemia.

15 de maio de 2021