fbpx

terça, 21 de setembro de 2021

‘Igreja Católica precisa se voltar para as periferias’, afirma padre

Padre José Alcimar considera o Grito dos Excluídos e das Excluídas uma forma de resistência contra a teologia da prosperidade, que é uma teologia excludente, segundo ele.

6 de setembro de 2021

Compartilhe

Padre José Alcimar considera o Grito dos Excluídos e das Excluídas uma forma de resistência (Foto: Divulgação)

“A Igreja Católica tem que repensar bastante o seu modo de evangelizar”, afirmou o padre José Alcimar Araújo, nesta segunda-feira (6). O religioso, que é diretor da Cáritas Arquidiocesana de Manaus, disse que a Igreja está voltando um pouco às bases e isso é muito importante para não acontecer como no Rio de Janeiro e São Paulo, que lá “a gente perdeu as periferias e é necessário voltar as periferias e estar junto desse povo”, afirmou.

Então o ‘Grito dos Excluídos e das Excluídas’, que é realizado em parceria com a Igreja Católica, é exatamente a resistência. São 27 anos de atos realizados em todos os governos passados, inclusive nos do PT, lembra o padre.

“A gente nunca deixou de ir para a rua porque é uma resistência constante, profética. Porque a gente sabe que há muita gente passando fome, e a pobreza é algo produzido, é um modo como a sociedade se organiza que mantem na verdade esse modo de exclusão, produz descartáveis, produz uma classe inútil, aquela que não vai ter emprego”, afirmou.

Segundo José Alcimar, o ato é um contraponto à teologia da prosperidade, que tem atraído mais pessoas. “Você encontra Deus, paga seu dízimo e você tem a recompensa de Deus. As igreja que cresceram são essas. Mesmo as evangélicas com perfil tradicional também diminuíram. O que tem avançado são aquelas que adotaram a teologia da prosperidade. Porque é uma recompensa de vida financeira aqui, e eles conseguem convencer”, disse.

Existe a prevalência de uma igreja mais carismática, que não olha para a realidade social, mas atrai para o templo, para as liturgias e até para o padre, com olhar muito condescendente com autoridades que pensam e falam como eles.

“É o que estamos vendo nesse momento, por isso, a gente tem uma grande parte de evangélicos apoiando o atual governo, como também grande parte de católicos tradicionalistas, que não têm esse olhar para a realidade, mas somente sacramental, litúrgico e da dimensão do pecado, também apoiam esse atual governo”, explica.

Segundo o religioso, de certa forma criou-se uma polaridade. “Aqueles que pensam diferente na Igreja, tem muita gente de modo parecido com a CNBB, mas não age, não são acostumados a irem para as ruas, é só a minoria que consegue”, disse.

Bíblia numa mão, jornal na outra

Algumas décadas atrás, a Igreja Católica vivia com muito mais força nas Comunidades Eclesiais de Base (Cebs), segundo José Alcimar, “com a preocupação do contato com a palavra de Deus, mas também olhando para a realidade, Bíblia na mão jornal no outro. Uma palavra que iluminava a realidade política e social pela quais as pessoas viviam e o contexto em que estavam inseridas”, avalia.

Com essa postura sempre a partir dos leigos e padres missionários e missionárias, a Igreja Católica desenvolveu alternativas de fazer com que as pessoas participassem mais das discussões políticas.

“Hoje, quem está desse modo, com clareza, se posicionando claramente é a hierarquia da Igreja Católica, coisa que no passado havia uma resistência a esse modelo de igreja. O modelo atual, exatamente na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), boa parte dos bispos têm a consciência de tudo que acontece, o próprio papa Francisco tem incentivado a participação política dos cristãos. porque entende a política como o lugar da construção do bem comum e não como politicagem”, disse.

Para José Alcimar, é necessário voltar a Jesus e ao seu evangelho, porque a igreja tradicional fala muito de doutrina, mas não de Jesus, não do seu evangelho. “Se você perguntar a um católico. Você já leu um evangelho inteiro, você vai se assustar com o número de pessoas que irão levantar a mão”.

Segundo o padre, Igreja Católica começou o movimento de voltar a Jesus de modo lento mas que, em se tratando de história, os resultados são a longo prazo.

“Jesus é libertado, ele é verdade, ele é a justiça porque ele fez a vontade de Deus. Se a gente perceber, os evangélicos trabalham demais o antigo testamento, falam de Jesus salvador, mas não usam o evangelho, praticamente. Se você acompanha as pregações, todas elas são baseadas sobretudo no antigo testamento. Tem uma mentalidade judaica e não cristã. Nós somos cristãos, temos refazer isso aí”, aconselha o padre.

Texto: Aldizangela Brito

Leia Mais:

Leia mais sobre Política

Wilson diz que é inocente e crê em absolvição em processo no STJ

Governador diz que agora terá oportunidade para apresentar defesa e provar que não teve participação no processo de compra de respiradores com valor superfaturado no Amazonas

20 de setembro de 2021

Mais uma: CMM dispensa licitação e contrata materiais de cozinha por R$ 17 mil

Até o dia 1º de setembro, os contratos sem licitação de David Reis na CMM já somavam mais de R$ 4,2 milhões, o que levou o Comitê de Combate à Corrupção a entrar em jogo.

20 de setembro de 2021

Criação da 1ª biblioteca pública virtual de Manaus é aprovada na CMM

Biblioteca Pública Virtual de Manaus Francisco Calheiros homenageia um dos grandes poetas que o Amazonas já teve, o amazonense Francisco Calheiros, que morreu de Covid-19.

20 de setembro de 2021

Pojeto que cria ‘Brechó da Construção’ segue para sanção do prefeito

Os produtos deverão ser recolhidos no local da doação e encaminhados a uma central de distribuição para classificação, armazenamento e entrega aos beneficiários.

20 de setembro de 2021

STJ acata denúncia da PGR, mas mantém Wilson no Governo do Amazonas

O processo envolve a compra de 28 respiradores por mais de R$ 2 milhões durante a segunda onda da Covid-19 no Amazonas. A denúncia conclui que o valor pago foi superfaturado.

20 de setembro de 2021

CMM reage mal à cobrança de oposicionistas contra ‘puxadinho’

Vereadores da base governista do prefeito David Almeida (Avante) na CMM provocaram Rodrigo Guedes e Amom Mandel que conseguiram na Justiça barrar o avanço da obra.

20 de setembro de 2021

Controlador-geral da União: Wagner Rosário depõe à CPI nesta terça

Ministro-chefe da Controladoria-Geral da União terá de responder porque o órgão tinha informações sobre a Precisa Medicamentos, mas não fez nada a respeito.

20 de setembro de 2021

Renan adia entrega do relatório final da CPI da Covid no Senado

Relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) revelou que documentos apreendidos na Precisa Medicamentos ainda estão sendo analisados.

20 de setembro de 2021