fbpx

quinta, 30 de junho de 2022

Edson Fachin diz que acatar resultado da eleições é inegociável

Em várias ocasiões, o presidente Jair Bolsonaro deu a entender que não aceitará outro resultado que não seja a sua vitória em outubro deste ano.

27 de maio de 2022

Compartilhe

Edson Fachin, está no comando da Corte Eleitoral desde fevereiro (Foto: Antonio Augusto/TSE)

O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Edson Fachin, disse nesta sexta-feira (27) que acatar o resultado das eleições 2022 é algo inegociável. Ele também propôs que os espíritos sejam desarmados para que haja paz no processo eleitoral.

“O Brasil tem eleições limpas, seguras e auditáveis. O acatamento do resultado do exercício da soberania popular é expressão inegociável da democracia pelo respeito ao sufrágio universal e ao voto secreto”, disse Fachin durante palestra a magistrados no Recife (PE) sobre participação de mulheres na política.

A fala do presidente do TSE foi proferida um dia após o presidente Jair Bolsonaro (PL) evitar responder se acatará o resultado das eleições em caso de derrota.

O sistema eleitoral brasileiro é alvo de constantes ataques do presidente da República, enquanto ministros do TSE e do STF (Supremo Tribunal Federal) deram respostas duras às ilações do chefe do Executivo.

“A defesa da democracia propõe serenidade, segurança e ordem para desarmar os espíritos. Prega o diálogo, a tolerância e a obediência à legalidade constitucional. E por isso, enfrenta a desinformação com dados e com informação correta. A justiça eleitoral conclama para a paz”, afirmou Fachin nesta sexta.

Edson Fachin elencou, durante discurso a juízes na palestra, que há “ações imprescindíveis”, como “a obediência irrestrita às normas eleitorais e à legalidade constitucional; a atuação institucional harmônica, nos limites da Constituição, para mitigar os riscos ao Estado democrático de direito e à integridade do processo eleitoral”.

Por fim, o presidente do TSE reafirmou o entendimento pela necessidade do “respeito ao resultado das eleições e à soberania popular manifestada nas urnas”.

Nesta quinta (26), em Brasília, Bolsonaro foi questionado se pode se comprometer a aceitar o resultado das urnas eletrônicas independentemente do resultado, mesmo que não seja reeleito, mas não respondeu. Disse apenas: “Democraticamente, eu espero eleições limpas”.

Bolsonaro tem mantido desde a campanha de 2018 um discurso em que, sem nenhuma prova, coloca dúvidas sobre o sistema eleitoral brasileiro. Em várias ocasiões, ele deu a entender que não aceitará outro resultado que não seja a sua vitória em outubro.

No início deste mês, por exemplo, afirmou que uma empresa será contratada pelo PL, o seu partido, para fazer uma auditoria privada das eleições deste ano. E sugeriu, em tom de ameaça, que os resultados da análise podem complicar o TSE se a empresa constatar que é “impossível auditar o processo”.

Na mesma entrevista, Bolsonaro disse que desconfiar das urnas e do sistema eleitoral é um direito dele.

“Da minha parte você não vê ataques. Agora, desconfiar é um direito meu. Estou num país democrático. Por que o senhor Moraes diz que o candidato que por ventura duvidar da urna eletrônica terá o registro cassado e preso? Quem ele pensa que é?”

Ao contrário do que disse, Bolsonaro faz ataques em série aos ministros do STF e do TSE. Dias atrás, por exemplo, disse que Edson Fachin, Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes “infernizam” o Brasil. O chefe do Executivo disse ainda que Moraes se comporta como “líder de partido de esquerda”.

A investida contra o sistema eleitoral por Bolsonaro começou com a defesa do voto impresso, derrotada no Congresso. Depois, o presidente aproveitou o convite da corte eleitoral para as Forças Armadas integrarem a Comissão de Transparência das Eleições para elevar o tom contra o tribunal.

O atual presidente do TSE, Edson Fachin, está no comando da Corte Eleitoral desde fevereiro, quando sucedeu Luís Roberto Barroso. Fachin segue na função até agosto, quando Alexandre de Moraes toma posse na presidência do tribunal.

Além da palestra para magistrados e membros do Ministério Público, Fachin participará, no Recife, do lançamento de uma iniciativa de automação no processo de testes de integridade das urnas, com uso de braço robótico e inteligência artificial.

O modelo em testagem foi elaborado por uma parceria do TRE-PE (Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco) com a UFPE (Universidade Federal de Pernambuco).

Fonte: Folhapress

Leia Mais:

Leia mais sobre Política

Projeto de Lei isenta templos religiosos de pagar IPTU em Manaus

Apresentado pelo vereador Rosinaldo Bual, o Projeto de Lei tira do papel direito à isenção previsto na Constituição, mas impacta arrecadação da Prefeitura de Manaus.

30 de junho de 2022

TSE define teto de gastos de campanha presidencial em R$ 88,3 milhões

A decisão unânime da corte foi no sentido de determinar que seja usado o mesmo teto de gastos de 2018, mas corrigido pela inflação. Ou seja, pelo IPCA.

30 de junho de 2022

Comissão realiza oitivas sobre falta de segurança em terra indígena

Comissão vai pedir providências sobre os assassinatos de Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, além de apurar a omissão do poder público na segurança dos indígenas.

30 de junho de 2022

Wilson entrega mais de R$ 10 milhões em materiais para Operação Enchente

A entrega de 19 lanchas rápidas e 300 purificadores, que juntos somam o investimento de R$ 10,8 milhões dão continuidade nas ações de enfrentamento da enchente 2022.

30 de junho de 2022

‘Wilson Lima tem habilidade e é um dos favoritos da eleição’ , diz Hissa

Pré-candidato pelo Avante, Hissa Abraão afirmar que vai lutar pela Reforma Tributária e pela revisão dos impostos para que a classe média pague menos que os mais ricos.

30 de junho de 2022

‘Mesmo sob ditadura camuflada, golpe não virá’, avalia um dos criadores do PT

Foragido político por 15 anos, Carlos Augusto, para muitos Raimundo Cardoso viveu escondido em Manaus; integrou o PCdoB na década de 70 e está no PT há 43 anos.

30 de junho de 2022

Governo suspende publicações em redes sociais até o fim da eleição

Medida atende vedação prevista na legislação eleitoral que visa dar igualdade de disputa na corrida eleitoral minimizando o peso da máquina pública na eleição.

30 de junho de 2022

Federação PT, PV e PCdoB confirma pré-candidatos em 1º de agosto

O presidente estadual do PCdoB no Amazonas já definiu os nomes que vão ocupar as oito vagas da sigla na federação, sendo seis para Aleam e dois para a Câmara Federal.

30 de junho de 2022