fbpx

segunda, 23 de maio de 2022

Deputados e vereadores repercutem decreto do IPI na CMM e na Aleam

Bancada federal cobrou uma atuação mais incisiva da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) no que diz respeito a uma possível Adin na Justiça. Mas, Cidade pede 'calma'.

20 de abril de 2022

Compartilhe

Deputados e vereadores criticaram a demora na reedição do decreto com a garantia de preservação da Zona Franca (Foto: Reprodução)

Nas sessões desta quarta-feira (20), os vereadores da Câmara Municipal de Manaus (CMM) e os deputados estaduais na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) voltaram a condenar a reedição do decreto que confirmou a redução de 25% do IPI e prejudica a Zona Franca de Manaus

Na Câmara, Lissandro Breval (Avante), líder do partido do prefeito David Almeida, atacou o principal interlocutor de Bolsonaro (PL) no Amazonas, pré-candidato ao Senado, Coronel Menezes. O vereador o chamou de “papagaio de pirata” do presidente e pediu que o governo do Estado judicialize logo o tema.

Diante das críticas de vereadores ao presidente, nenhum vereador bolsonarista saiu em defesa do presidente da República. O bolsonarista Capitão Carpê (Republicanos) chegou a aplaudir o discurso de Breval. O vereador Marcel Alexandre (Avante), que já minimizou o efeito da redução do IPI na competitividade, faltou à sessão de hoje.

“Precisamos tomar uma decisão jurídica e enérgica, imediatamente”, disse Breval, que chegou a sugerir que os vereadores fossem ao STF fazer pressão no ministro relator da futura ação.

Na Assembleia, Roberto Cidade fala em ‘calma’

Mesmo com um prazo já exaurido e promessas não cumpridas, o presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), deputado Roberto Cidade (UB), pediu mais tranquilidade no tema Zona Franca x Decreto do IPI. A fala foi dita após uma provocação do deputado Wilker Barreto (Cidadania) que cobrou uma atitude da Mesa Diretora da Casa e afirmou que os deputados não podem se acovardar.

”Conversei ontem com o governador Wilson Lima e ele está tentando ver isso com o presidente Bolsonaro. Nós temos que ter paciência e aguardar a manifestação do presidente Bolsonaro e do ministro Paulo Guedes. Você impetrar uma Ação Direta de Inconstitucionalidade nesse momento seria precipitado. Nós temos que esperar o prazo de início da validade do decreto e esgotar todos recursos”, afirmou o presidente da Aleam.

Cidade disse ainda que é preciso a compreensão do ministro da economia sobre a importância do modelo para o Brasil. ”Paulo Guedes tem que entender que o modelo da Zona Franca de Manaus não ajuda apenas o Amazonas, mas todo o Brasil. Nós temos que esgotar todos recursos”, reforçou.

O vice-presidente da Aleam, deputado Carlinhos Bessa (PV) rebateu Cidade lembrando a “certeza do prejuízo que a reedição do decreto traz para a Zona Franca”.

Fausto Junior (UB) disse que o problema não é o decreto, mas sim o fato da ZFM perder suas vantagens. ”Nós somos a favor do decreto, mas os produtos feitos na Zona Franca de Manaus devem ser excepcionalizados”.

Adjuto Afonso (UB) defendeu a necessidade de outras matrizes, mas reforçou que o modelo não pode ser extinto dessa forma. ”A gente precisa sim ter outras alternativas econômicas para explorar, como o potássio por exemplo, mas nós não podemos ficar sem o polo industrial agora”.

Bancada federal cobra mais atitude

O deputado José Ricardo (PT) disse, durante uma reunião na casa do senado Omar Aziz (PSD), que mesmo a bancada entrando como uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) na Justiça, outros órgãos poderiam fazer o mesmo.

Ele afirmou que vai diretamente com Roberto Cidade cobrar uma ação. ”A gente lamenta que o Governo e a Assembleia Legislativa ainda não tenham dado entrada. Inclusive, vou lá com o presidente [da Aleam, deputado Roberto Cidade] fazer uma solicitação formal para que a Mesa possa também usar esse instrumento para defender nossa Zona Franca”.

Texto: João Luiz Onety e Jefferson Ramos

Leia Mais:

Leia mais sobre Política

Saiba quem são os famosos que já anunciaram em quem votam para presidente

Na lista estão a cantora Pabllo Vittar, que segurou uma bandeira de Lula no Lollapalooza, e a modelo Andressa Urach, que quis registrar o filho com o nome de Bolsonaro.

22 de maio de 2022

Escorregões de Lula em linguagem inclusiva viram alvo de aliados e rivais

Em defesa do ex-presidente Lula, auxiliares minimizam a gravidade das falhas e evitam expô-las em público para não criar mais ruídos na comunicação com o eleitor.

22 de maio de 2022

Justiça Eleitoral reformula cinco aplicativos para as eleições no Brasil

Além do aplicativo e-Título, em que é possível obter a via digital do Título de Eleitor, o app Boletim na Mão dá cópia digital do boletim de urna e o Pardal recebe denúncias.

22 de maio de 2022

Presidente descarta taxar compra por meio de aplicativos estrangeiros

Para Bolsonaro, irregularidades devem ser combatidas com fiscalização e o aumento dos impostos não é uma saída para o Governo com as empresas que ofertam compras online.

22 de maio de 2022

Temor com lei eleitoral trava medidas econômicas do governo federal

A lei eleitoral proíbe, no ano da disputa, a "distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios por parte do governo", o que impossibilita alguns planos de Bolsonaro.

22 de maio de 2022

João Pedro se lança ao Governo do AM, mas apoio da Federação ainda é incerto

O ex-senador João Pedro inscreveu pré-candidatura no Partido dos Trabalhadores e defende legado do ex-presidente Lula com o Estado do Amazonas.

22 de maio de 2022

Bolsonaro diz na Marcha para Jesus que ‘só Deus’ o tira do Palácio do Planalto

Em Curitiba, com um discurso com várias citações bíblicas, Jair Bolsonaro voltou a fazer críticas aos ministros do Supremo e a falar sobre "liberdade de expressão".

21 de maio de 2022

STF nega por unanimidade obrigar Lira a analisar impeachments

Decisão unânime do STF que desobriga Lira a cumprir prazos de análise de impeachment ocorreu nesta sexta-feira (20), mantendo 144 processos engavetados.

21 de maio de 2022