fbpx

domingo, 24 de outubro de 2021

Depois de cassação, Pinheiros terão candidato na eleição suplementar

Adail Pinheiro Filho, que foi cassado pelo TSE, sinalizou nas redes sociais que lançará o primo ao comando do município nas eleições suplementares, aguardadas para novembro.

13 de outubro de 2021

Compartilhe

Na semana passada por maioria os ministros entenderam que a reeleição de Adail Filho foi outro mandato no mesmo ciclo familiar (Foto: Reprodução)

O ex-prefeito de Coari Adail Pinheiro Filho (Progressistas) lançou, neste feriado (12), o primo dele Keitton Pinheiro como candidato da família para disputar a eleição suplementar que escolherá o novo prefeito do município mais rico do interior do Estado. Adail Pinheiro teve o registro da candidatura dele cassado definitivamente pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pela tentativa de emplacar um terceiro mandato seguido do mesmo núcleo familiar em 2020.

Em uma publicação numa rede social, o prefeito cassado celebra o aniversário de Keitton, que foi vice-prefeito na chapa cassada pelo TSE na última sexta-feira. Na mensagem, Adail Pinheiro Filho afirma que “grandes coisas estão por vir” em referência cifrada à eleição suplementar prevista para o mês de novembro, mas que ainda aguarda definição de data pelo pleno do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM). 

“Keiton é um homem digno, preparado, irmão. Hoje, mais do que celebrar o seu nascimento, celebramos a sua história e que Deus continue guiando os seus passos meu irmão. Você é um instrumento de Deus para o bem”, elogiou Adail Pinheiro Filho em um vídeo de menos de 20 segundos. 

Em outra publicação, Adail Pinheiro Filho traça um panorama de eleições em que o seu grupo familiar saiu vitorioso e chama de “lapada” as vitórias alcançadas por ele e o pai, Adail Pinheiro, para a prefeitura de Coari, quanto a vaga de deputada estadual conquistada pela irmã, Mayara Pinheiro (Progressistas), eleita em 2018 com a maior votação do Estado. 

A sétima “lapada” seria a vitória do seu primo à prefeitura de Coari. Adail Pinheiro Filho foi reeleito no último dia 16 de novembro com 59,45% dos votos válidos. No dia 18 de novembro, o prefeito renunciou ao cargo de prefeito. Robson Tiradentes (PSC), ligado ao empresário Ronaldo Tiradentes, ficou na segunda colocação.

Patriarca enrolado 

Em 2008, a operação Vorax da Polícia Federal (PF) desbaratou uma quadrilha comandada pelo então prefeito Adail Pinheiro (Progressistas), pai de Adail Filho, especializada em fraudar licitações. À época, a PF estipulou que a quadrilha do patriarca da família Pinheiro tenha desviado da Prefeitura pelo menos R$ 49 milhões entre 2001 e 2008.

Adail Pinheiro foi condenado em 2018 a 57 anos e cinco meses de prisão, por conta do  esquema milionário de fraudes. Em 2012, Pinheiro retornou ao comando de Coari, sendo reeleito, mas em 2014 foi cassado e lançou o filho que também foi cassado. 

Texto: Jefferson Ramos

Leia mais:

Leia mais sobre Política

Reta final da CPI tem definição de indiciados, votação e encaminhamento de Relatório

Como não possui poder de punição, último ato da CPI será o encaminhamento do Relatório Final aprovado aos órgãos responsáveis por apresentarem denúncias.

23 de outubro de 2021

Gilberto Kassab anuncia Rodrigo Pacheco como candidato a presidente

O presidente Nacional do PSD revelou, neste sábado, que o candidato do partido à presidência, no próximo ano, será o senador Rodrigo Pacheco, presidente do Senado.

23 de outubro de 2021

Wilson Lima e David Almeida assinam convênios de mais de meio bilhão

O governador Wilson Lima e o prefeito David Almeida assinarão, amanhã, uma série de convênios que representarão um presente para a cidade que fará 352 anos neste domingo.

23 de outubro de 2021

STF realiza audiência para discutir a criação do juiz de garantias

Juiz de garantias vai atuar fiscalizando a legalidade dos atos praticados pelo juiz da instrução criminal, o que gerou uma dúvida sobre a constitucionalidade desta novidade.

23 de outubro de 2021

Congresso abre prazo para apresentação de emendas a LOA da União

Lei Orçamentária Anual (LOA) do Governo Federal reservou R$ 16,2 bilhões para os parlamentares apresentarem emendas com execução obrigatória no próximo ano.

23 de outubro de 2021

Improbidade administrativa um problema recorrente das prefeituras

Para analista político, irregularidades na prestação de contas pode ser fruto da falta de pessoal, dificuldades dos servidores e até mesmo má fé com a causa pública.

23 de outubro de 2021

“Baixo orçamento é oriundo de Arthur Neto”, culpa Antônio Stroski

Titular da secretaria de meio ambiente disse que política de "encolhimento" de antecessor foi responsável pelo atual orçamento de R$ 17,1 milhões em 2022.

23 de outubro de 2021

Após viagens na pandemia e diagnóstico de Covid-19, Assis volta à CMM

Vereador chamava a atenção de pessoas por aglomerações e o não uso de máscara, mas na Pandemia emendou duas viagens seguidas em agosto e voltou pra Manaus com Covid-19.

22 de outubro de 2021