fbpx

sexta, 01 de julho de 2022

Chega de Petrolão, Mensalão e rachadinha, diz Moro ao se filiar ao Podemos

Ex-ministro da Justiça do governo Bolsonaro, Sérgio Moro assinou ficha de filiação ao Podemos e já se colocou à disposição para disputar a Presidência da República em 2022.

10 de novembro de 2021

Compartilhe

Ex-ministro da Justiça, Sergio Moro em discurso de filiação ao Podemos (Foto: Adriano Machado/Crusoé)

O ex-ministro da Justiça Sérgio Moro oficializou, nesta quarta-feira (10), a filiação dele ao Podemos. Em discurso, Moro se colocou à disposição para concorrer às eleições de 2022, seja como senador ou presidente da República. O ex-juiz resgatou os planos do pacote anticorrupção, defendeu o combate às drogas e o fim do foro privilegiado.

“Esse não é um projeto pessoal de poder, mas sim um projeto de país. Nunca tive ambições políticas, quero apenas ajudar. Se, para tanto, for necessário assumir a liderança nesse projeto, meu nome sempre estará à disposição do povo brasileiro. Não fugirei dessa luta, embora saiba que será difícil”, disse.

O ex-ministro deverá definir sua posição de candidatura nos próximos meses. O discurso, no entanto, foi de presidenciável. Moro falou de questões como combate à pobreza, segurança pública, educação, saúde e, claro, corrupção. Moro também fez críticas aos governos do PT e de Jair Bolsonaro, ao qual serviu. “Chega de corrupção, chega de mensalão, chega de petrolão, chega de rachadinha. Chega de querer levar vantagem em tudo e enganar a população”, discursou.

Moro, que teve sua atuação na Lava Jato contestada, com a anulação de condenações do ex-presidente Lula, fez menção ao petrolão. “A Petrobras foi saqueada, dia e noite, por interesses políticos, como ‘nunca antes na história deste país’. Apartamentos forrados de dinheiro roubado em espécie, e uma persistente recessão provocada pelos mesmos governos que permitiram tudo isso, com as pessoas comuns desempregadas e empobrecendo”, disse.

O ex-juiz disse que entrou para o governo Bolsonaro por acreditar que aquele era um momento de mudança no país. Depois de enaltecer sua participação à frente do Ministério da Justiça, em 2019, Moro disse que foi boicotado pelo governo.

Com informações do Congresso em Foco

Leia Mais:

Leia mais sobre Política

Cidade recebe honraria e diz que homenagem o motiva a trabalhar mais

O presidente da Aleam destacou que a homenagem – realizada pela CMM – é um dos momentos mais emocionantes de sua vida e ressaltou que busca fazer política do bem.

1 de julho de 2022

Shádia e Tadeu lideram preferência de David para compor vice de Wilson

Como forma de recompensar o amigo Sabá Reis, o prefeito estaria planejando turbinar a campanha do filho de Sabá, David Reis, à Câmara Federal.

1 de julho de 2022

Com Chico na disputa ao Senado, Menezes perde força entre bolsonaristas

O Avante marcou para a segunda (4) a confirmação do nome de Chico Preto na disputa pelo Senado. A decisão enfraquece o sonho de Menezes de brigar por uma vaga no Senado.

1 de julho de 2022

Pragmatismo pesa mais que ideologia nas alianças para as eleições de 2022

Diferente de 2018, quando houve candidaturas com peso maior da ideologia, as alianças no Amazonas são marcadas pela praticidade e divergem em alguns casos das federações.

1 de julho de 2022

Amazonas nunca elegeu candidato assumidamente LGBTQIA+

Para o cientista político Carlos Santiago, a sociedade brasileira ainda não está representada de forma adequada nos parlamentos e nos governos brasileiros.

1 de julho de 2022

Wilson e David anunciam construção do complexo viário da Bola do Produtor

O prefeito disse que apesar de o Governo estar proibido de entregar obras a partir de amanhã, vai lembrar por onde passar da parceria com o Estado.

1 de julho de 2022

Em federações, cada partido deverá cumprir cota feminina separadamente

Determinação do TSE veio após questionamento feito pela federação PT, PCdoB e PV sobre a possibilidade de o percentual mínimo de 30% ser cumprido pela federação como um todo.

1 de julho de 2022

Entenda como os minions viraram apelido para os apoiadores de Bolsonaro

Personagens amarelos da franquia "Meu Malvado Favorito", eles obedecem cegamente às ordens do supervilão da vez, tendo servido desde um tiranossauro, até Napoleão e Drácula.

1 de julho de 2022