terça-feira, 23 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

SUSTENTABILIDADE

Governo lança o projeto Combustível do Futuro; veja as propostas

Proposta encaminhada ao Congresso prevê redução de emissões, ajustes na mistura de etanol, entre outras coisas.
COMPARTILHE
Combustível
A Gol e o MMA celebram a Semana do Meio Ambiente com voo sustentável abastecido com bioquerosene, biocombustível de aviação limpo e renovável que será adicionado ao querosene fóssil (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

O governo Lula encaminhou ao Congresso o projeto de lei Combustível do Futuro, com um conjunto de propostas para promoção da mobilidade sustentável de baixo carbono.

O PL institui o Programa Nacional de Combustível Sustentável de Aviação (ProBioQAV), com metas de redução das emissões por parte das operadoras aéreas a partir de 2027, por meio do uso de combustíveis sustentáveis.

Também cria o Programa Nacional de Diesel Verde (PNDV) e traz ainda um marco legal da Captura e Estocagem de CO2.

O governo ainda propõe aumentar os limites da mistura de etanol anidro à gasolina comum permitidos em lei, da faixa atual de 18% a 27,5% para entre 22% e 30%, desde que constatada sua viabilidade técnica.

O ProBioQAV

O Programa Nacional de Combustível Sustentável de Aviação tem como objetivo o incentivo à pesquisa, produção, comercialização e uso energético do Combustível Sustentável de Aviação (SAF).

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

Os operadores aéreos ficarão obrigados a reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE) em suas operações domésticas por meio da utilização de SAF em, no mínimo, 1% entre 2027 e 2028.

A partir de então, esse percentual sobe 1 ponto percentual a cada ano, até chegar a um compromisso de corte das emissões de 10% em 2037.

Caberá à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) fixar os valores das emissões totais equivalentes por unidade de energia computadas no ciclo do poço à queima de cada rota tecnológica de produção de combustível sustentável de aviação, para fins de contabilização da descarbonização em face ao querosene de aviação fóssil.

O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) poderá alterar os percentuais temporariamente, a qualquer tempo, por motivo justificado de interesse público, restabelecendo-o por ocasião da normalização das condições que motivaram a alteração.

O Programa Nacional de Diesel Verde

O CNPE estabelecerá, a cada ano, a participação volumétrica mínima obrigatória de diesel verde (HVO), produzido a partir de matérias-primas exclusivamente derivadas de biomassa renovável, em relação ao diesel comercializado ao consumidor final, de forma agregada no território nacional.

A participação mínima obrigatória não poderá exceder o limite de 3% a cada ano.

Captura e estocagem de CO2

Sobre o marco da captura e estocagem geológica em CO2, o projeto atribui à ANP a regulação da atividade e o papel de autorizar os agentes interessados em explorar esse negócio.

A agência editará normas sobre a habilitação dos interessados e as condições para a autorização.

Integração dos programas

O projeto também propõe a integração das iniciativas e medidas adotadas no âmbito do RenovaBio, do Programa Rota 2030 – Mobilidade e Logística e do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular.

O CNPE fixará, para fins de apuração do cumprimento das metas do Programa Rota 2030 – Mobilidade e Logística, os valores de intensidade de carbono da fonte de energia (ICE) e a participação dos combustíveis líquidos ou gasosos ou da energia elétrica.

Novas espécies de combustíveis só poderão ser consideradas para efeito de cálculo das metas do Programa Rota 2030 – Mobilidade e Logística após a certificação das emissões no ciclo do poço à roda.

André Ramalho, epbr

Leia Mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

COMPARTILHE