quinta-feira, 25 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

Direito Eleitoral abre o ano letivo da Escola de Contas do TCE-AM

O evento reuniu autoridades do judiciário, da Justiça Eleitoral, além de especialistas que realizaram um ciclo de palestras e debates no auditório da Corte de Contas.
COMPARTILHE
TCE

Com o tema ‘O Impacto do Controle de Contas no Direito Eleitoral’, o Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM) realizou, na manhã desta sexta-feira (3), a abertura do ano letivo da Escola de Contas Públicas (ECP).

O evento reuniu autoridades do judiciário, da Justiça Eleitoral, além de especialistas que realizaram um ciclo de palestras e debates no auditório da Corte de Contas amazonense e trouxeram reflexões importantes sobre o tema.

O evento aconteceu no formato presencial e contou com palestras dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Carlos Bastide Horbach e André Ramos Tavares; da  assessora-chefe da Procuradoria Regional Eleitoral, Milena de Paiva Milon, e do procurador regional da República, André de Carvalho Ramos; além do diretor da Escola de Direito da Alfa Educação (Unialfa/Fadisp), Thiago Matsushita, o coordenador da Pós-Lato da Unialfa/Fadisp, Julio Cesar de Oliveira Velloso e o coordenador dos cursos da Unialfa/Fadisp, Lauro Ishikawa.

O seminário teve transmissão ao vivo pelos perfis do TCE-AM no YouTube (TCE Amazonas), Facebook (/tceamazonas) e Instagram (@tceamazonas).

Ao agradecer a presença dos participantes e dos palestrantes, o presidente do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM), conselheiro Érico Desterro, destacou o papel conjunto que as Cortes de Contas e a Justiça Eleitoral exercem em um pleito democrático.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

“Escolhemos um seminário que faz uma interface entre o processo eleitoral e o controle de contas. Como todos sabem, um dos requisitos para que se possa exercer um cargo público é ter ficha limpa, e os tribunais de contas têm um papel importantíssimo nisso, ao informar à Justiça Eleitoral a ocorrência de situações que impedem, eventualmente, a candidatura desse ou daquele candidato. O controle das contas públicas e o direito eleitoral são áreas complementares que devem trabalhar juntas”, destacou o conselheiro-presidente.

Coordenador-geral da ECP, o conselheiro Mario de Mello deu início ao seminário destacando a missão pedagógica da Escola de Contas em ser uma orientadora dos gestores para que se evite a necessidade de punições.

“Os Tribunais de Contas, hoje, não podem ser simplesmente punitivistas. É preciso, claro, ter a punição, no entanto, o básico do Tribunal de Contas hoje é ser pedagógico. É melhor prevenir do que remediar, então o nosso objetivo não é perseguir, mas sim orientar, e a Escola de Contas está fazendo isso muito bem. Com a abertura do ano letivo, a ECP reafirma o seu compromisso com a formação de profissionais capacitados e comprometidos com a fiscalização das contas públicas”, comentou o conselheiro ao destacar também o início do novo curso de MBA em integridade e governança da Escola de Contas.

“É um marco muito forte no Tribunal de Contas que iniciamos o nosso primeiro módulo do MBA, que terá inclusive certificação pela ECP em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o que nos fortalece muito. Pretendemos formar gestores públicos comprometidos com a boa gestão, boa governança, e com sistemas de integridade pública de compliance dentro da administração pública. Será o primeiro de muitos. Estou muito feliz e acho que esse é um ponto importantíssimo da história do Tribunal de Contas”, concluiu o conselheiro.

Ciclo de palestras

A programação teve início com mesa de debates com os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Carlos Bastide Horbach e André Ramos Tavares, com tema focado em Inelegibilidades e o papel dos Tribunais de Contas.

A segunda mesa de debates teve como tema “Lei da Ficha Limpa e o Direito à Boa Governança” com a participação da assessora-chefe da Procuradoria Regional Eleitoral, Milena de Paiva Milon, e do procurador regional da República, André de Carvalho Ramos.

O ciclo de debates foi encerrado com o diretor da Escola de Direito da Alfa Educação (Unialfa/Fadisp), Thiago Matsushita, o coordenador da Pós-Lato da Unialfa/Fadisp, Julio Cesar de Oliveira Velloso e o coordenador dos cursos da Unialfa/Fadisp, Lauro Ishikawa, que debateram sobre o “Controle de Contas e Eleições: Uma abordagem histórica de dilemas contemporâneos”.

Leia Mais:

COMPARTILHE