fbpx

sexta, 28 de janeiro de 2022

Garimpeiros falam em armar tocaia contra a polícia no rio Madeira

O delegado da PF, Alexandre Saraiva, disse que melhor estratégia para impedir avanço das balsas de garimpo ilegal seria o corte de suprimentos usados pelos equipamentos.

26 de novembro de 2021

Compartilhe

Garimpeiros trocam mensagens e falam em 'trocar bala' com a polícia (Foto: Divulgação/Greenpeace)

Garimpeiros que estão há dias ancorados com balsas ilegais no trecho do Rio Madeira em frente à Vila de Rosarinho, uma comunidade de Autazes (AM), não só trocaram informações sobre a mobilização da operação para combater suas ações criminosas, como têm combinado reações, conforme a abordagem que enfrentarem

Os garimpeiros no local trocaram ontem áudios, obtidos pelo Estadão, que mostram que parte do grupo defende que alguns deles façam tocaias na floresta para surpreender agentes de fiscalização em caso de abordagem. A ideia é “largar bala” na polícia.

“Meu amigo, se você for contar, tem mais garimpeiro que polícia em todo canto, entendeu? Se vocês ficarem entocados dentro de uma mata dessa aí, um lá na ponta, outro aqui. Se eles começarem, vocês largam bala, entendeu? Deixa a balsa bem pertinho da beira e larga bala”, diz um deles.

Em outra mensagem, um garimpeiro concorda. “É verdade. Se nós juntarmos todo o mundo, nós combatemos.”

‘Ir para cima’

Para os garimpeiros, a repressão policial não teria condições de enfrentá-los. “Meu parceiro, o tanto de garimpeiro que tem, mano .. Pode vir o comboio, pode vir o c* pra cima, que não dá conta, não. Nós temos que fazer é juntar os garimpeiros de todas as comunidades e ir para cima.”

Como adiantou o Estadão, foi montada uma grande força-tarefa entre a Polícia Federal e agentes das Forças Armadas e do Ibama para se deslocar à região. Ontem, o vice-presidente Hamilton Mourão disse que há indícios de que o grupo de garimpeiros tem ligações com o narcotráfico, que há anos utiliza rotas do Norte do País para o escoamento de drogas.

“Nós temos tido vários informes de que o narcotráfico, essas quadrilhas, na ordem de proteger suas rotas, subiram para lá. Uma das formas de se manterem é apoiando ações dessa natureza (garimpo). Até porque, se o ouro é extraído ilegalmente, é um ativo que eles podem trocar por droga”, disse Mourão. O vice-presidente comentou que a PF, a Marinha e o Ibama já estão se preparando para agir. “A Marinha tem de verificar quem tem embarcação legal. O pessoal que está na ilegalidade vai ter a embarcação apreendida”, disse.

Natural de Humaitá (AM), município cortado pelo Rio Madeira, Mourão reconheceu que, há décadas, há aglomeração de balsas de garimpo ilegal na região. “Isso ocorre todos os anos. Normalmente, eles ficam ali na região de Humaitá. Esse ano deve ter aparecido ouro mais para cima, lá perto de Autazes. E eles se concentraram lá”, comentou.

Em outra mensagem de áudio obtida pela reportagem, um homem fala em montar um “paredão” de balsas, com pessoas ao redor dos equipamentos, para reagir a qualquer tipo de abordagem para fiscalização. “Vocês que têm muita balsa aí, (tem que) fazer um paredão mesmo daqueles e esperar todo mundo aí na frente da balsa. Um atrás, um na frente e ver o que é que dá. Eles vão respeitar, entendeu?”, afirma.

Ainda não há números precisos sobre a quantidade de balsas que estão na região. No início, falava-se em cerca de 600 balsas. Imagens aéreas permitem contabilizar pelo menos 300 embarcações clandestinas paradas no mesmo ponto.

Há apreensão sobre a forma como se dará a abordagem dos garimpeiros que estão na região. Por lei, trata-se de embarcações clandestinas, sem licença para operar e que devem ser apreendidas. Cada equipamento é avaliado em cerca de R$ 50 mil, mas esse valor oscila conforme o custo de todo o sistema embarcado para sugar o leito do rio em busca de ouro e fazer a sua separação.

Suprimentos

Ao Estadão, o delegado da Polícia Federal Alexandre Saraiva, que atuou por dez anos à frente da PF na região amazônica, disse que a melhor estratégia para impedir o avanço das centenas de balsas de garimpo ilegal seria o corte de suprimentos usados pelos equipamentos.

Saraiva disse que já viveu situações parecidas em apreensões de balsas e que a medida mais efetiva, nestes casos, é acabar com a logística. “Quando você acaba com o combustível, com a chegada de peças de reposição, você paralisa a atividade. Tem de deixar passar só água e alimento, para ninguém morrer de fome. Fora isso, não pode entrar nada”, disse.

Fonte: Estadão, com informações da Folha de S. Paulo

Leia Mais:

Leia mais Dia a Dia

Anvisa autoriza venda de autotestes para Covid-19 no Brasil

Com o envio dos dados pela pasta na última terça-feira (25), a cúpula da Agência concluiu então que não há obstáculos que impossibilitem a comercialização dos autotestes.

28 de janeiro de 2022

Anitta usa ‘Fora Bolsonaro’ para divulgar videoclipe Boys Don’t Cry

Cantora brincou com seus seguidores nas redes sociais ao editar take do vídeo onde aparece recebendo uma mensagem dentro do envelope. O texto editado diz: 'Fora Bolsonaro'.

28 de janeiro de 2022

Número de acidentes de trânsito cai 37% no Amazonas em 2021

Dados do Detran-AM indicam que houve redução nos acidentes com danos materiais e vítimas lesionadas em todo o Estado; na capital, houve redução de mortes no trânsito.

28 de janeiro de 2022

STF quer manifestação de indígenas sobre Plano de Enfretamento à Covid

Apib, Fiocruz e Abrasco devem se manifestar ao Supremo Tribunal Federal (STF) sobre os pontos do Plano Geral de Enfrentamento à Covid-19 para os povos indígenas.

28 de janeiro de 2022

Centro de Testagem do Studio 5 encerra as atividades nesta sexta-feira

Atendimento aos usuários com sintomas gripais seguirá ao longo do dia e, após às 17h, o serviço deixará de ser oferecido no local, ficando restrito ao Vasco Vasques.

28 de janeiro de 2022

Após vacinação, mortalidade de internados com Covid no SUS cai 37%

Segundo os dados do Sistema de Informações Hospitalares do SUS, a taxa de mortalidade de pacientes internados com Covid em novembro foi de 16,3%, a menor da série histórica.

28 de janeiro de 2022

Exigência do passaporte vacinal divide opinião do público em Manaus

A média móvel de casos de covid por dia de diagnóstico, no período entre 1º e 25 de janeiro, apresentou alta de 582% nos últimos 14 dias; e de 74% nos últimos 7 dias no AM.

28 de janeiro de 2022

Artistas do quadrinho nacional estarão na Casa das Artes neste sábado

Casa de Artes no Centro abriga exposição e recebe artistas do quadrinho nacional dentro da programação da Semana do Quadrinho Nacional de Manaus.

28 de janeiro de 2022