quinta-feira, 25 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

Comércio pede 60 dias para redução gradual no uso de sacolas plásticas

A meta é conscientizar os clientes quanto à importância da redução do uso de sacolas plásticas e adoção de material reutilizável. Proibição entra em vigor nesta sexta-feira.
COMPARTILHE
sacolas

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus (CDLM) vai solicitar à Prefeitura a permissão para um período de adaptação aos estabelecimentos comerciais, em um período máximo de 60 dias, para a redução gradativa na disponibilização de sacolas plásticas. A meta da CDLM é trabalhar a conscientização dos clientes quanto à importância da redução do uso de embalagens plásticas e adoção de material reutilizável para a preservação ambiental.

A partir de sexta-feira (1º) entra em vigor a Lei 485 de 7 de maio de 2021, de autoria da vereadora Glória Carrate (PL), que proíbe a distribuição gratuita de sacolas plásticas em estabelecimentos comerciais em Manaus, sob a justificativa de estimular o uso de sacolas reutilizáveis que não prejudiquem o meio ambiente.

O presidente da CDLM, Ralph Assayag, que também é presidente da Associação Amazonense de Supermercados (Amase), informou que amanhã (30) se reunirá com os empresários do segmento comercial, dos shoppings centers e da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) para alinhar as ações para a implementação da Lei no comércio.

“Nesse primeiro momento as ações serão de educação, conscientização. O consumidor terá que entender que a medida é em prol do meio ambiente. As sacolas ainda serão disponibilizadas, mas o cliente terá que pagar pela embalagem. Cada estabelecimento estará livre para estabelecer o valor a ser cobrado. Vamos pedir que a prefeitura conceda um período para orientação ao público”, comentou.

“Também solicitaremos ao órgão fiscalizador que seja flexível, nesse momento inicial”, completou.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

Segundo Assayag, as fabricantes das embalagens deverão ser as mais prejudicadas pela legislação que entrará em vigor. No comércio, ele acredita que o maior impacto será sentido pelo consumidor que precisará adotar a sacola reutilizável.

“As fabricantes precisão se readequar em seu volume de produção. Enquanto o cliente terá que entender a importância da medida para o meio ambiente e adotar a sacola reutilizável. A determinação contribuirá para a mudança de hábitos, costumes adotados pela população que são prejudiciais ao meio ambiente”, comentou.

Texto: Priscila Caldas

Leia Mais:

COMPARTILHE