fbpx

sábado, 24 de julho de 2021

TSE planeja nota oficial para desagravar Barroso, chamado de imbecil

Em encontro com aliados no Palácio do Alvorada, Jair Bolsonaro chamou o presidente do Tribunal Superior Eleitoral de "imbecil" e "idiota" por ser contra o voto impresso.

9 de julho de 2021

Compartilhe

Luís Roberto Barroso respondeu ao presidente garantindo que a eleição de 2022 vai acontecer independente de voto impresso. (Foto: Reprodução)

O Tribunal Superior Eleitoral prepara uma nota oficial para ser divulgada, ainda nesta sexta-feira (9), para desagravar o presidente da corte eleitoral, ministro Luís Roberto Barroso, chamado de “imbecil” e de “idiota” pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, em encontro com aliados no chamado “cercadinho” do Palácio do Alvorado. Bolsonaro também ameaçou a realização de eleição em 2022.

No encontro, Bolsonaro voltou a dizer que não aceitará o resultado da eleição se o TSE não adotar o voto impresso como forma de auditar a urna eletrônica. Luís Roberto Barroso é contrário a adoção deste tipo de voto impresso pois vê a possibilidade dele quebrar o sigilo do voto, uma das conquistas da urna eletrônica e que acabou com fraudes em eleições que demoravam semanas para serem concluídas.

“(É a) Resposta de um imbecil, lamento falar isso de uma autoridade do STF (Supremo Tribunal Federal). Só um idiota para falar isso”, disse Bolsonaro, acrescentando que a presença de Barroso na corte é uma “vergonha”.

Eleição garantida

Luís Roberto Barroso disse em resposta que não perderá tempo com agressões do presidente da República, mas foi categórico ao afirmar que teremos sim eleição no próximo ano. “Eleição vai haver sim, eu garanto”, disse o ministro.

A fúria de Bolsonaro é estendida ao vice-presidente do TSE, ministro Luiz Edson Fachin, que assumirá a presidência da corte e da eleição de 2022 em maio do próximo ano. Fachin é geralmente criticado por ter, no Supremo Tribunal Federal, cancelado as sentenças aplicadas ao ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva aplicadas pelo ex-juiz Sérgio Moro no curso da Operação Lava Jato.

Texto: Gerson Severo Dantas

Leia mais:

Leia mais sobre Política

Bancada gastou R$ 5,2 milhões com verba de gabinete em Brasília

Verba é destinada para a contratação de funcionários diretamente por cada um dos deputados do Amazonas em Brasília ou em escritórios montados no Estado.

24 de julho de 2021

Aleam concede 28 autorizações de viagens no recesso parlamentar

Após o início do recesso parlamentar a Aleam autorizou o pagamento de viagens e diárias para servidores da Casa. Destinos no Sul e Sudeste e Tabatinga foram os preferidos.

23 de julho de 2021

Luis Miranda chora após fim da parceria entre Precisa e Bharat Biotech

Chorando, o deputado Luis Miranda questionou ser chacota dos colegas e estar no conselho de Ética após depoimento à CPI da Covid-19.

23 de julho de 2021

David prorroga ‘Auxílio Manauara’ e amplia para outras 410 famílias

A prorrogação do auxílio será por mais três meses e foi anunciada nesta sexta-feira (23) pelo prefeito de Manaus, David Almeida. Benefício vai comtemplar mais 410 famílias.

23 de julho de 2021

Bi Garcia confirma propostas para ser candidato a vice-governador

Embora esteja focado na administração municipal, o prefeito de Parintins, Bi Garcia, disse que tem avaliado propostas para compor uma chapa como vice-governador nas eleições.

23 de julho de 2021

Deputado quer auxílio para catadores no valor de R$ 275, no AM

Estudo apresentado pelo parlamentar estima que catadores são responsáveis pela coleta de 90% de tudo que é reciclado hoje no país e que a categoria trabalha em meio ao risco.

23 de julho de 2021

Lideranças do DEM e do PP no Amazonas divergem sobre ‘superpartido’

Enquanto Pauderney Avelino (DEM) nega a fusão entre os partidos, Belarmino Lins (PP) não descarta a possibilidade de criação do 'superpartido'.

23 de julho de 2021

Auxílios e soluções tributárias foram destaque na Aleam durante a pandemia

Apesar da baixa quantidade de projetos propostos diretamente pelos parlamentares sobre ajuda financeira, a maioria recebeu celeridade na aprovação na Assembleia Legislativa.

23 de julho de 2021