fbpx

sexta, 30 de julho de 2021

Mudanças no sistema político-eleitoral podem trazer riscos à democracia

Três colegiados trabalham, simultaneamente, no debate de propostas que pode mudar radicalmente o sistema de organização dos partidos e das eleição no Brasil.

29 de junho de 2021

Compartilhe

Um grupo de trabalho analisa a Reforma Eleitoral e duas comissões especiais trabalham em duas PECs que tramitam na Câmara Federal (Foto: Reprodução)

Um grupo de trabalho e duas comissões especiais que analisam Propostas de Emendas Constitucionais (PECs) debateram, de forma simultânea, na Câmara Federal, mudanças profundas nos sistemas político e eleitoral do Brasil. Nestes colegiados estão em discussão desde a flexibilização da cláusula de barreiras até a adoção do voto impresso, criação da federação de partidos e mudança no nome da Câmara dos Deputados.

Desde a Assembleia Nacional Constituinte que o Legislativo não mexe de maneira tão profunda os sistemas que garantem a democracia brasileira. E isso está assustando grupos de ativistas que veem nestas mudanças propostas pelos deputados uma espécie “de passar a boiada” no momento em que uma CPI investiga o Governo Federal e uma pandemia mata mais de duas mil pessoas por dia no país.

“Discutir esse tipo de tema, de uma amplitude tão grande, durante uma pandemia com a população tendo que permanecer o máximo em casa é oportunista e inconsequente. Não é exagero dizer que, se esse processo não ocorrer com mais transparência, mais participação, menos açodamento, e num prazo mais largo, a própria democracia pode estar em risco”, alerta o diretor-executivo da Transparência Partidária, braço da Transparência Brasil, Marcelo Issa.

Reforma eleitoral

O grupo de trabalho da Reforma Eleitoral foi criado oficialmente, na última quarta-feira (23), mas uma comissão formada por 15 deputados trabalhou, desde fevereiro, na construção de um relatório preliminar que reuniu emendas e leis que estavam em tramitação na Casa para a formulação de um Código de Processo Eleitoral.

O colegiado, coordenado pela deputada federal Margarete Coelho (PP/PI), trabalhou com temas que mexem em praticamente tudo da atual legislação, como por exemplo tempo de mandato, número total de deputados, voto facultativo, cotas raciais e de gênero, recall de mandatos, financiamento de campanhas, fidelidade partidária, candidatura avulsa e até no próprio nome da Câmara dos Deputados, que passará a se chamar oficialmente Câmara Federal.

A partir desta semana, a deputada e os demais membros do grupo começam uma jornada de reuniões para debater a proposta com líderes partidários e bancadas. Só depois, o texto será protocolado e começará a tramitar na Câmara. Lira pretende aprovar as mudanças até outubro para que já valham nas eleições de 2022.

Cláusula de barreira ameaçada

Récem-adotada no ordenamento político-eleitoral brasileiro, a cláusula de barreira – ou cláusula de desempenho – visa diminuir o número de partidos com representação no Congresso Nacional. Adotada em 2018, ela prevê que um partido precisa alcançar um mínimo de 2% dos votos válidos em 2022, ou eleger 11 deputados em pelo menos um terço dos Estados.

Quem não obter este desempenho ficará sem os recursos dos fundos partidário e eleitoral, criados após o Supremo Tribunal Federal considerar inconstitucional o financiamento privado dos partidos. Outra restrição prevê que as siglas que não alcançarem o desempenho previsto não terão mais acesso ao tempo de rádio e TV no horário eleitoral. Na primeira eleição sob estas regras, 14 partidos não cumpriram a cláusula.

A proposta que está em análise na PEC 125/11, a PEC da Reforma Política que é relatada na comissão especial pela deputada Renata Abreu (Podemos/SP). Um dos pontos que está em discussão nessa PEC é a inclusão de senadores em primeira parte do mandato (os quatro primeiros anos do mandato) no cálculo de desemprenho. Para se ter ideia do efeito dessa mudança tome-se como exemplo a performance do PSOL em 2018, quando elegeu apenas um deputado federal, mas conseguiu eleger cinco senadores. Se senadores contassem, o PSOL teria cumprido a cláusula. Outro partido que tem essa mesma característica é o Podemos, partido de Renata Abreu.

Também nessa PEC da Reforma Politica está a proposta do partido Novo de reintroduzir no ordenamento político-eleitoral o financiamento privado das campanhas. Se aprovado, os partidos e as campanhas seriam financiados exclusivamente por doações de pessoas físicas ou jurídicas, “observados os princípios da transparência e da moralidade”, bem como a vedação por um mesmo eleitor ou uma mesma empresa financiar mais de um candidato ao mesmo cargo no Executivo.

Voto impresso em baixa

A PEC que reintroduz o voto impresso, em paralelo ao voto eletrônico, é de autoria da deputada federal bolsonarista Bia Kicis (PSL/DF) e prevê um sistema no qual o eleitor vota na urna eletrônica, que expede um comprovante para o eleitor conferir se o voto dele foi corretamente computado e depois deve ser depositado em uma urna comum. O eleitor não leva o comprovante para casa e o papel impresso serviria para uma auditoria se algum partido assim o solicitasse ao Tribunal Eleitoral de seu estado.

Nesta segunda-feira, um grupo formado por presidentes de onze partidos, a maioria integrante da base aliada de Jair Bolsonaro, divulgou que fechou questão contra essa mudança no sistema de votação, pois acreditam na segurança e na confiabilidade das urnas eletrônicas.

Também nesta segunda-feira, ministros do Tribunal Superior Eleitoral, corte que nunca engoliu essa proposta do presidente Jair Bolsonaro de passar a adotar o voto impresso, aventaram a hipótese, mas com um número reduzido de urnas. O cálculo se baseia no fato de que a cada eleição são renovadas 30% das urnas eletrônicas e que este pode ser o teto para a adoção deste sistema misto de votação.

Texto: Gerson Severo Dantas, com informações de Congresso em Foco e CNN

Leia Mais:

Leia mais sobre Política

PEC do Voto Impresso pode ser votada por Comissão na próxima quinta

Para garantir o sigilo do voto, será proibido o uso de qualquer elemento de identificação do eleitor na cédula impressa.

30 de julho de 2021

Garantido no Senado até 2026, Plínio não quer se aventurar a vice em 2022

Senador acredita ser uma boa opção para uma terceira via na disputa pelo Governo do Amazonas, mas descarta formar chapa com o tucano Arthur Neto na Eleição majoritária.

30 de julho de 2021

Bolsonaro ressuscita boatos de fraude nas Eleições e não prova nada

Presidente há um ano diz ter provas de que houve fraude nas Eleições em 2018. Nesta quinta-feira (29), mais uma vez não cumpriu com a palavra ao não revelar provas.

29 de julho de 2021

Punições pelo uso indevido de dados pessoais começam a valer domingo

Quem infringir a lei fica sujeito a advertência, multa simples, multa diária, suspensão parcial ou total de funcionamento, além de outras sanções.

29 de julho de 2021

CPI centrará fogo nas plataformas de redes sociais que divulgaram mentiras

O senador Omar Aziz considera um absurdo a quantidade de mentiras e desinformação que circula nas plataformas de redes sociais a partir de robôs de internet.

29 de julho de 2021

Senador do AM chama procurador do MPF de ‘militante ambiental’

O procurador proibiu que o Ibama realize audiências virtuais para expor o estudo de impacto ambiental para licenciamento da BR-319. Órgão tem 10 dias para acatar a decisão.

29 de julho de 2021

Pazuello depõe em inquérito da PF que apura prevaricação de Bolsonaro

O ex-ministro da Saúde começou a depor às 10h e até o momento segue na superintendência da Polícia Federal em Brasília. Pazuello hoje trabalha na cozinha do Planalto.

29 de julho de 2021

Procurador pede que Coari suspenda festividades pelos 89 anos da cidade

A comemoração dos 89 anos da fundação de Coari, recheada de eventos, deve ser suspensa a pedido Ministério Público do Amazonas devido ao risco sanitário.

29 de julho de 2021