quinta-feira, 25 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

PM atira em evangélico dentro de igreja após discussão sobre política

Um homem de de 40 anos acabou baleado após discordar da opinião de um membro da Congregação Cristã no Brasil. Apesar do ocorrido, o culto continuou normalmente.
COMPARTILHE
PM atira em evangélico dentro de igreja após discussão sobre política (Foto Divulgação)

Um policial militar que frequenta uma igreja da CCB (Congregação Cristão no Brasil) em Goiânia baleou um homem durante o culto por conta de uma divergência política entre ambos.

A briga teria acontecido na quarta-feira (31) após a CCB ter passado uma circular sobre eleições, em que pede aos fiéis para não votar em candidatos que têm plano de governo a favor da “desconstrução das famílias”.

O assessor empresarial Davi Augusto de Souza, de 40 anos, foi baleado na perna e levado ao Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), foi submetido a uma cirurgia e passa bem. O irmão de Davi, Daniel Augusto de Souza, postou um vídeo nas redes sociais onde denuncia o que aconteceu.

“Olha lá. Meu irmão foi baleado e eles continuaram com o culto, continuaram com as reuniões, ‘normalzinho’, como se nada tivesse acontecido. Tem ambulância, polícia aqui na porta, bombeiros chegando”, afirmou. Assista ao vídeo:

João Bispo é membro da igreja e presenciou toda a cena. Ele afirmou que um cooperador da CCB usou de sua influência, em pleno culto, para defender o presidente Jair Bolsonaro e criticar o partido adversário. David teria então se levantado e rebatido, dizendo que a igreja deveria falar de Jesus.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

“Daí chegou o PM e ele foi baleado na perna. O absurdo pior foi que toda a irmandade presente no culto ficou alheia ao ocorrido mesmo vendo a situação e o culto prosseguiu enquanto um de seus fiéis estava ensanguentado”, disse.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Estado de Goiás informou que o PM estava “em horário de folga” e que, assim que a Polícia Militar tomou conhecimento do caso, foi determinado a instauração de um procedimento administrativo disciplinar para apurar as circunstâncias do fato.

Texto: FolhaPress

Leia Mais:

COMPARTILHE