sexta-feira, 12 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

Olarias do AM vão receber podas de árvore que iriam para lixão

Os materiais orgânicos serão incinerados e servirão como combustíveis, alimentando os fornos das empresas de tijolos sustentáveis do estado.
COMPARTILHE
podas de árvore

O que antes viravam lixos e despesas para os cofres públicos, agora são reaproveitados e transformados em tijolos. É assim que a Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp), está transformando a madeira proveniente da poda de árvores em todo o município.

Tanto que, ontem (10), foi assinado um Termo de Cooperação Técnica com o Sindicato da Indústria de Olaria do Estado do Amazonas (Sindicer-AM). Assim, será viabilizada a troca de podas de árvores por tijolos ecológicos.

A parceria promete render resultados positivos, já que o descarte dos resíduos era feito diretamente no aterro sanitário. Agora, os troncos e galhos das árvores têm como destinação final a incineração, servindo de combustível, alimentando os fornos das empresas de tijolos.

Conforme o titular da Semulsp, Sabá Reis, mais de 500 toneladas de madeira por mês deixarão de ir para o aterro sanitário, contribuindo para a preservação do meio ambiente.

“Com a assinatura deste termo, o meio ambiente, o polo oleiro de Iranduba e o nosso aterro agradecem. São mais de 500 toneladas de toras de árvores, que o nosso aterro vai deixar de receber. Os serviços da Prefeitura de Manaus, principalmente na Semulsp, passam a contar com tijolo da melhor qualidade produzido em Iranduba, sem precisar comprar”, enfatiza Sabá.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

Onde descartar as podas

De acordo com o titular da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), Antônio Stroski, a Prefeitura de Manaus conta com três locais que a população pode descartar as toras e galhos de árvores: no Microdistrito Industrial de Manaus (Dimicro), no ramal do Brasileirinho, bairro Jorge Teixeira, zona Leste; no aterro de resíduos sólidos urbanos de Manaus, no quilômetro 19, da rodovia estadual AM-010 (Manaus – Itacoatiara); e na sede da Semulsp, no bairro Compensa, zona Oeste.

“Nós conciliamos uma questão de gerenciamento adequado dos resíduos de Manaus e uma necessidade de um polo tão importante para a nossa economia”, observa Stroski.

O presidente do Sindicer-AM, Francisco Alves Belfort, revela que o setor estava tendo dificuldades de ter a matéria-prima para viabilizar a produção dos tijolos.

“É uma parceria importante, tanto para o setor cerâmico quanto para a população de Manaus, porque toda essa quantidade de matéria orgânica de origem vegetal, que deveria ir para o aterro, vai ser destinada para a indústria cerâmica, transformando em energia. É um projeto de grande valia para toda a sociedade”, comenta.

Com informações da assessoria

Leia Mais:

COMPARTILHE