quinta-feira, 25 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

Observatório vê necessidade de mais candidatas mulheres nos partidos

Predominância masculina nos partidos ainda é barreira a ser vencida para a candidatura de mulheres, revela estudo divulgado pelo Observatório Nacional da Mulher na Política.
COMPARTILHE
As candidaturas de mulheres à Câmara dos Deputados passaram de 29% em 2014 para 32% em 2018 e 35% em 2022 (Foto: Will Shutter/Agência Câmara)
As candidaturas de mulheres à Câmara dos Deputados passaram de 29% em 2014 para 32% em 2018 e 35% em 2022 (Foto: Will Shutter/Agência Câmara)

Estudo de uma parceria entre o Observatório Nacional da Mulher na Política, vinculado à Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados, e o Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília mostra que é importante atuar junto aos partidos para que eles internalizem a necessidade de promover candidaturas femininas.

A legislação já exige um mínimo de 30% de candidaturas femininas desde 1997, mas esse percentual só foi alcançado em 2014. O motivo é que os partidos interpretavam que precisavam apenas reservar os 30% e não preencher, o que foi corrigido depois.

Essa interpretação desfavorável, segundo a professora de Ciência Política da UnB Flávia Biroli, revela a predominância masculina nos partidos políticos. “Historicamente, eles tiveram ampla maioria masculina no controle dos recursos e na ocupação dos espaços, cargos eletivos e não eletivos inclusive”, afirmou.

Para ela, partidos políticos são espaços difíceis para as mulheres. Outro exemplo do desprestígio dos partidos em relação às mulheres, segundo a professora, é a baixa indicação delas para as chefias de secretarias municipais e estaduais. Esses postos poderiam alavancar candidaturas mais à frente.

Hoje, apenas 13% das prefeituras são ocupadas por mulheres. “Se os partidos não indicam mulheres, isso significa que se subtrai delas a possibilidade de ter esse elo na construção das carreiras políticas”.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

Apesar da necessidade de avanços, o estudo afirma que as candidaturas femininas à Câmara dos Deputados passaram de 29% em 2014 para 32% em 2018 e 35% em 2022. No caso das mulheres negras, passou de 3% em 2014 para 6% este ano. Mas nas eleições de 2018 para deputado federal, em média, as mulheres receberam R$ 95 mil de financiamento por candidata contra R$ 142 mil para cada homem.

Observatório

Com informações da Agência Câmara

Leia Mais:

COMPARTILHE