fbpx

quarta, 21 de abril de 2021

Crédito e taxas de juros favorecem setor imobiliário na região Norte

Menor taxa de juros e crédito facilitado impulsionam mercado imobiliário no Amazonas e região Norte. Porém, aumento no preço do insumo e risco de desabastecimento preocupam.

25 de fevereiro de 2021

Compartilhe

Demanda por imóveis novos é crescente no Amazonas. (Foto: Reprodução)

Dados dos Indicadores Imobiliários Nacionais, divulgados pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), apontam que no último trimestre de 2020 a região norte teve incremento de 9,7% no quantitativo de lançamentos e crescimento de 50% no número de unidades residenciais vendidas, todos comparados a igual período de 2019.

O percentual de unidades residenciais comercializadas teve resultado superior ao índice nacional que foi de 9,8%. Nas demais regiões do país, o número de lançamentos teve queda de 17,8%, na comparação com o ano anterior.

Segundo o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Amazonas (Sinduscon-AM), Frank Souza, a menor taxa de juros e o crédito facilitado impulsionam o mercado imobiliário no Amazonas e na região Norte.

“2020 foi um ano histórico de maior acessibilidade ao crédito e redução de juros, favorecendo a aquisição do imóvel. Iniciamos 2021 com boas perspectivas para o mercado”, disse o presidente.

Desabastecimento pode parar o setor

Conforme a pesquisa, ainda que a economia apresente resultado positivo, o aumento expressivo no preço dos insumos e o risco de desabastecimento de material de construção põe a continuidade dos trabalhos em risco.

O presidente do Sinduscon informa que devido a pandemia as indústrias reduziram o ritmo de produção.

Isso, somado ao reajuste de preços, por conta da inflação, e às dificuldades logísticas para o Amazonas, formam um conjunto de fatores prejudiciais ao setor.

“Os preços aumentaram de 15% a 20% se computados a cesta de insumos na Indústria da Construção em geral no estado do Amazonas. Ressalto que temos a logística mais cara da região Norte, muitas vezes não computadas na tabela de preços SINAPI que é nacional”, informou. “O aumento de preços e o desabastecimento também contribuem para o atraso na entrega de obras e influencia na velocidade de produção”, completou.

Reportagem: Priscila Caldas

Leia mais:

Leia mais sobre Negócios

Economistas são contra Bolsonaro receber título de Cidadão Amazonense

Classe se posicionou por meio de nota emitada pela Associação Brasileira de Economistas pela Democracia. Eles classificam posição política do presidente como 'nefasta'.

21 de abril de 2021

Confira as vagas de emprego oferecidas pelo Sine Manaus nesta quinta-feira

Ao todo, são 76 vagas. No currículo devem constar os seguintes dados atualizados: números pessoal e secundário, para contato e informações sobre o tempo de experiência.

21 de abril de 2021

Procon-AM notifica postos de combustíveis e revendedores de gás

Os estabelecimentos devem apresentar em até dez dias as notas fiscais com informações sobre os preços de compra e venda para análise de uma possível cobrança abusiva.

21 de abril de 2021

Vacina em ritmo lento compromete a recuperação econômica, alerta estudo

Conclusão é do Relatório de Atividade Fiscal, publicado pela Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado. Documento classifica o atraso como “risco a ser monitorado".

21 de abril de 2021

TVLAR inaugura nova unidade em Eirunepé e soma 57 lojas em todo o estado

TVLAR Eirunepé traz um layout renovado, desenvolvido para atender a operação de forma eficiente num planejamento estratégico que prevê a ampliação da rede de lojas na região.

20 de abril de 2021

Em meio à pandemia, demanda por locação e compra de imóveis tem alta

Para o Creci AM/RR, no último ano, o estado manteve procura elevada por aluguel e financiamentos de imóveis novos. Demanda é justificada por comodidade e empreendedorismo.

20 de abril de 2021

Operadoras de turismo perdem dois terços do faturamento em 2020

Segundo dados da Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa), o faturamento das empresas caiu de R$ 15,1 bilhões em 2019 para R$ 4 bilhões no ano passado.

20 de abril de 2021

Exportações cedem 1,9% e importações retraem 37,6% até a terceira semana de abril

Com isto, o saldo da balança comercial no período é de US$6.310,28 milhões, salto de 453,0% em relação às três primeiras semanas do mês de março (US$1.141,16 milhões).

20 de abril de 2021