quarta-feira, 17 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

Lei quer proibir condenados por corrupção de terem benefícios fiscais

De acordo com o projeto, ficam proibidas de ter acesso aos benefícios fiscais as pessoas e empresas que foram condenadas pelos crimes contra a administração pública.
COMPARTILHE
Corrupção

Pessoas físicas e jurídicas que foram condenadas por crimes contra a administração pública, como corrupção e improbidade administrativa, não poderão ter acesso à isenção ou benefícios fiscais do Estado. É o que prevê o Projeto de Lei (PL) que tramita na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam).

O projeto busca atualizar a legislação existente, ampliando as hipóteses de vedação da concessão de benefícios fiscais.

Atualmente, há legislação que veda a concessão de benefícios fiscais para empresas envolvidas em crimes de corrupção.

Autor da proposta, o deputado Dr. George defende que haja a extensão desta vedação também para as empresas que praticarem demais crimes contra a administração pública, além da corrupção.

O PL engloba, portanto, empresas declaradas inidôneas ou impedidas de contratar e licitar com o Estado e, ainda, pessoas físicas que tenham praticado ato de improbidade administrativa, causando danos ao erário.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

“O projeto busca desestimular práticas ilícitas contra a administração pública e impedir que pessoas condenadas tentem se beneficiar de isenções ou benefícios fiscais de qualquer natureza. Essa proposta não beneficia apenas o contribuinte, mas especialmente a administração pública, que, por outro lado, ao não conceder eventuais benefícios fiscais ou isenções a pessoas condenadas por atos de corrupção ou de improbidade administrativa, elevará de forma proporcional a arrecadação de receitas”, enfatizou o deputado.

De acordo com o projeto, ficam proibidas de ter acesso aos benefícios fiscais as pessoas que foram condenadas pelos crimes contra a administração pública, pessoas que foram condenadas por ato de improbidade administrativa e empresas que estão impedidas, em processo administrativo, de licitar ou contratar com a Administração Pública Estadual.

A vedação da concessão de benefícios fiscais se estenderá pelo período da condenação, suspensão ou impedimento declarado em processo administrativo ou judicial, segundo o projeto.

Leia mais:

COMPARTILHE