segunda-feira, 15 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

Instituto Phoenix comete irregularidade e tem pesquisa embargada pela Justiça

O juiz auxiliar da propaganda eleitoral, Luis Felipe Avelino Medina, acatou o pedido da coligação Aqui é Trabalho e suspendeu a divulgação da pesquisa, sob pena de multa.
COMPARTILHE
Instituto Phoenix

O Instituto Phoenix, de responsabilidade da empresa JJ Coelho – ME, mais uma vez, teve uma pesquisa embargada pela Justiça Eleitoral por cometer algum tipo de irregularidade durante o processo.

Dessa vez foi o juiz auxiliar da propaganda eleitoral, Luis Felipe Avelino Medina, que deferiu um pedido da coligação Aqui é Trabalho em desfavor da empresa.

A coligação, encabeçada pelo governador Wilson Lima (UB), alegou que as irregularidades encontradas no registro da pesquisa de nº AM-07859/2022 comprometeriam a confiabilidade dos resultados que viriam a ser apresentados.

“A Representante alega que, em consulta ao registro da pesquisa verificou-se que a contratante é pessoa jurídica inapta na Receita Federal, não podendo praticar atos de operação bancária e da vida fiscal regular, bem como que não há no registro da pesquisa Nota Fiscal de Serviço referente ao serviço prestado”, explica o juiz na decisão.

Além de suspender a divulgação dos resultados da pesquisa, Avelino determinou que, em caso de descumprimento, o Instituto Phoenix pagaria uma multa no valor de R$ 50 mil.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

A decisão, na íntegra, pode ser lida abaixo:

O Instituto Phoenix e outras empresas estão sendo impugnadas pela Justiça Eleitoral por supostas fraudes. As irregularidades vêm sendo divulgadas pelo RealTime1 desde o mês passado, onde foi mostrada, inclusive, uma sincronização entre três empresas que possuíam o mesmo estatístico.

Da Redação

Leia Mais:

COMPARTILHE