sábado, 13 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

SUSTENTABILIDADE

Iniciativa G20: bioeconomia deve remunerar quem preserva o meio ambiente

Grupo de Trabalho de Sustentabilidade Climática e Ambiental quer iniciativas concretas após reunião do G20 em Manaus.
COMPARTILHE
Reunião do G20 sobre bioeconomia encerrou, nesta sexta-feira (21), em Manaus
Reunião do G20 sobre bioeconomia encerrou, nesta sexta-feira (21), em Manaus. (Nathan Marinho)

Pagamos por transporte, tratamento, encanamento, embalagem e uso da água. Então, por que não pagar pela preservação dos mananciais, cooperando com os povos indígenas e comunidades tradicionais? De forma simplificada, esse foi o questionamento da última plenária do Grupo de Trabalho de Sustentabilidade Climática e Ambiental, durante a “Iniciativa de Bioeconomia do G20“, que encerrou nesta sexta-feira (21/6), no Centro Cultural Vasco Vasquez, em Manaus,. 

Pagamentos por serviços ecossistêmicos (PSE) é um tema em que o Brasil é referência, e que, no G20, busca avançar para criação de um fundo global para financiamento à conservação de florestas tropicais. Os PSE incentivam a conservação, restauração e uso sustentável dos ecossistemas, oferecendo compensações financeiras pelos benefícios ambientais.

Essenciais para aumentar a competitividade de práticas sustentáveis, com vantagens para grupos que ajudam a conservar as florestas, não bastam iniciativas ambientais de caráter apenas nacional, visto que os biomas e as mudanças climáticas não se condicionam a fronteiras.  

Preservar Floresta Tropical é a meta

É nessa esteira que a iniciativa Florestas Tropicais para Sempre foi centro dos debates. A proposta do governo brasileiro foi anunciada na COP28, no fim do último ano. Consiste na criação de um fundo global para remunerar a manutenção e a restauração das florestas tropicais, que existem em mais de 60 países. A proposta defende que seja pago um valor fixo anual para cada hectare de floresta de pé e que haja desconto no valor a receber para cada hectare desmatado ou degradado.

Hoje em dia nós dependemos de doações anuais dos países, o que implica em precisarmos todos os anos esperar de novo, o que é uma insegurança, já que isso precisa passar pelo entendimento dos parlamentos dos países, que mudam constantemente, da situação orçamentária daquele momento ou se há outros problemas no mundo que a hora sejam mais urgentes. É um um sistema com limites, por isso estamos propondo essa iniciativa”, explicou Garo Batmanian, diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro, sobre o que significa, para a garantia de preservação, a criação do fundo. 

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

Terras Indígenas são mais preservadas

No Brasil, com dados do MapBiomas de 2022, nos últimos 30 anos, as terras indígenas perderam 1% da sua vegetação nativa frente à perda de 20,6% da vegetação nativa em áreas privadas. Números parecidos em relação às terras quilombolas, em que, desde 1985, a perda de vegetação nativa desses territórios titulados é estipulado em 3,2%, enquanto nas áreas privadas foi de 25%. Números que confirmam a importância do trabalho desses agentes na preservação ambiental, que reverbera positivamente em escala mundial.

Garo Batmanian exemplificou o caráter global da pauta. “As florestas tropicais, por exemplo, produzem um serviço ambiental para o mundo. Elas mantém estoque de carbono e sem as florestas a temperatura do mundo vai subir em um grau, a Amazônia, pela umidade do ar gerada, mantém as águas que chovem em toda América do Sul”, pontuou o especialista em Ecologia

Sobre a recepção da proposta pelos países-membros do G20, a diplomata Maria Angélica Ikeda, diretora do Departamento de Meio Ambiente do Ministério de Relações Exteriores (MRE), afirmou ser positiva. “Os países desenvolvidos que nós temos ouvido até o momento têm reagido muito bem à proposta e agradecido o foco que o Brasil tem dado ao pagamento desses serviços ambientais. Estão engajados nessa discussão, bem como países em desenvolvimento que escutamos”, colocou ela.

O Florestas Tropicais para Sempre seguirá em maturação em próximos debates, e caminha para ser lançado na COP30, aqui no Brasil, no próximo ano. O evento deve ocorrer em Belém, estado do Pará, também no norte do país.

PSE já é realidade nacional

O Brasil atua nacionalmente com o Bolsa Verde, programa de pagamentos trimestrais a mais de seis mil famílias que vivem em Unidades de Conservação de Uso Sustentável, assentamentos ambientalmente diferenciados da reforma agrária e territórios ocupados por povos e comunidades tradicionais. Estes beneficiários se comprometem a cuidar da região onde vivem; a utilizar os recursos naturais de forma sustentável; e a preservar a floresta, além de ajudar no trabalho de monitoramento e de proteção dessas áreas. Também têm acesso a ações de assistência técnica, extensão rural socioambiental, conservação ambiental e inclusão socioprodutiva.

Retomado em 2023, o Bolsa Verde une a cidadania, em um sentido de justiça social, com a preservação do meio ambiente, melhorando a qualidade de vida e aumentando a renda das famílias. Uma política estratégica na proteção dos recursos naturais, na redução da pobreza e no fomento ao desenvolvimento sustentável do país.

Com informações do G20

Leia mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

COMPARTILHE