domingo, 14 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

Indústria de Manaus está otimista quanto a investimentos

Empresários valorizam o incremento no número de projetos e apostam na vacinação para reiterar o combate à pandemia e retomada da economia.
COMPARTILHE
Evento para gestores da Amacro tem apoio da Suframa
Evento para gestores da Amacro acontece nos dias 19 e 20 (Foto: Divulgação)

Empresários do Amazonas comemoram o aumento no número de projetos industriais a ser analisados pelo Conselho de Administração da Suframa (CAS), na quinta-feira (25).

A pauta a ser avaliada pelos Conselho contém 32 projetos, 18 a mais do que o apresentado no último encontro de 2020. Porém, a previsão de investimentos se manteve, em ambas as pautas, no valor de R$ 2 bilhões.

Para o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), Antonio Silva, em meio ao cenário de dificuldades que atingem não só o Amazonas, mas o país e o mundo, é mais importante considerar o volume de projetos apresentados.

Projetos de investimentos

“O mais importante, neste momento, é valorizar o incremento no número de projetos, mesmo diante da pandemia que vivenciamos. Além da assiduidade das reuniões, que demonstram que nosso modelo ainda é viável e atrativo”, afirmou o presidente da Fieam.

Silva acredita que a vacinação em massa é a solução para interromper os efeitos negativos da pandemia, possibilitando a retomada econômica.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

“Diante das incertezas decorrentes da Covid-19, é difícil asseverar um prognóstico, contudo, essa primeira reunião é um bom indicativo de que, a partir da vacinação e abrandamento da crise sanitária, teremos um 2021 com números positivos”.

Quanto ao valor previsto para investimento, que foi mantido em R$ 2 bilhões, o presidente considera normal, conforme as demandas de cada processo produtivo.

“Alguns projetos são intensivos em capital, outros em mão de obra, alguns segmentos são mais dependentes de maquinário, o que implica em um valor investido substancialmente superior em relação àqueles com processos produtivos não automatizados”.

Reportagem: Priscila Caldas

Leia mais:

COMPARTILHE