fbpx

quarta, 19 de janeiro de 2022

Veja como fica a pensão alimentícia dos filhos nas férias de janeiro

Advogada especialista em infância e juventude explica que em valor de pensão não se mexe, até nova ordem judicial. Por tanto, permanece tudo igual.

4 de janeiro de 2022

Compartilhe

(Foto: Divulgação)

No período de janeiro uma dúvida que sempre fica é em relação à pensão alimentícia de crianças e adolescentes nas férias. Nesta fase em que crianças e adolescentes passam mais tempo com um dos responsáveis, quem deve arcar com a maior parte das despesas?

A advogada Marilia Golfieri Angella, especialista em direito de família, gênero e infância e juventude e sócia-fundadora do Marília Golfieri Angella – Advocacia familiar e social, explica o impasse e garante que em pensão não se mexe, até segunda ordem.

Veja as explicações detalhadas:

Pensão não é só para os meses “úteis” do ano

A pensão alimentícia não é atrelada ao regime de convivência (as famosas visitas) da criança e do adolescente, mas sim às necessidades que estes possuem em seu cotidiano em relação a seus direitos fundamentais como moradia, educação, alimentação, lazer, saúde, higiene, entre outros. E estes gastos continuam existindo em janeiro e durante as férias escolares, ainda que o filho passe a conviver mais tempo com o genitor não residente. Por isso é que a pensão continua incidindo sobre o 13º, férias, terço de férias, gratificações natalinas, quaisquer verbas com natureza salarial, ainda que horas extras etc.

“As escolas, por exemplo, continuam apresentando parcelas regulares durante este período, inclusive muitas vezes com taxas para garantia de vaga na instituição. Igualmente ocorre com planos de saúde, odontológicos, gastos com moradia, entre outros, em que não há uma redução de valores ou abstenção de pagamento de parcelas regulares. Estes gastos continuam a ser pagos, independentemente de quem esteja em companhia da criança durante as férias e é para isso que se paga a pensão”, exemplifica a advogada.

Se não paga, sofre consequências

No período de férias, a falta de pagamento do valor integral arbitrado pelo Judiciário pode causar, sim, uma execução judicial por parte do genitor residente da diferença não paga (quando houve estabelecimento formal e judicial da pensão – o que é fundamental), até mesmo porque há uma organização quanto aos custos e gastos da criança e do adolescente.

De acordo com Marilia Golfieri Angella, não há margem para discussão quando o assunto é garantia da subsistência e sobrevivência do filho, que precisa ser protegido em todas as esferas e direitos. “É necessário que os pais consigam dialogar entre si para fazer os ajustes que forem precisos, até mesmo eventuais concessões de períodos de convivência maiores durante as férias, mas sempre observando o interesse dos filhos de receber tais valores, principalmente quanto ao pagamento de pensão”, afirma.

Pensão não pode ser compensada com viagem e presentes

Por fim, um alerta quanto às viagens e gastos eventuais durante as férias. Pensão alimentícia não admite compensação, então aquele presente trazido pelo “Papai Noel”, aquela viagem que você programou com seu filho ou a ida a um restaurante fora do habitual, por exemplo, não podem ser abatidas do valor que é pago mensalmente, a não ser que haja um acordo voluntário e livre entre ambos os genitores.

“Em valor de pensão não se mexe, até segunda ordem judicial! Essa é a regra e daí a importância sempre de buscar o Poder Judiciário para estabelecer, ainda que de forma consensual, questões atinentes a filhos abaixo dos 18 anos, tais como guarda, residência, visitas/regime de convivência regular e durante as férias, datas comemorativas, feriados etc. e a pensão alimentícia formalmente estabelecida¸levando em conta as necessidades do filho e a possibilidade econômica dos pais”, finaliza a advogada especialista em infância e juventude.

Com informações da assessoria

Leia Mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Santander renegocia dívidas com clientes do Amazonas até 31 de março

Santander lança campanha nacional para negociação de dívidas com prazos estendidos de parcelamento e descontos de mais de 90% tanto pessoa física quanto jurídica.

19 de janeiro de 2022

Greve da Receita Federal pode gerar desemprego no PIM, alerta Cieam

Greve dos auditores fiscais preocupa o presidente do Centro das Indústrias do Amazonas, que teme demissão de postos de trabalho caso empresas precisem se reprogramar.

19 de janeiro de 2022

App se posiciona a favor de motoboys, após encerramento da Uber Eats

Fui App se posiciona a favor de motoboys quee receberam notícia do fim das atividades da Uber Eats, após sanção de lei que amplia direitos de entregadores de refeições.

18 de janeiro de 2022

FGV recebe inscrições até sexta-feira para seleção do Censo 2022 do IBGE

FGV inscreve online para mais de 206 mil vagas para o recenseamento que deve visitar mais de 70 milhões de domicílios em todo o País, de acordo com projeção do IBGE.

18 de janeiro de 2022

Governo do Amazonas investe na piscicultura familiar de Iranduba

Fomento abrange desde entrega de alevinos e kits de análise de água a assistência técnica e compra de pescado. Ao todo, foram beneficiados 700 piscicultores do estado.

18 de janeiro de 2022

Com 70,9% das famílias devendo, país encerra 2021 com recorde de endividados

De acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), o nível de endividamento médio das famílias brasileiras em 2021 foi o maior em 11 anos.

18 de janeiro de 2022

Servidores federais realizam ato contra ‘congelamento salarial’

Protestos acontecem em frente ao edifício-sede do Banco Central, em Brasília. Mobilização de servidores federais pede reestruturação de carreiras e reajuste salariais.

18 de janeiro de 2022

Anac autoriza redução no número de comissários em voos da Gol e Azul

Decisão leva em consideração "o recente e ainda crescente surto da variante ômicron do coronavírus no Brasil e seus respectivos impactos na disponibilidade de tripulantes".

18 de janeiro de 2022