fbpx

sábado, 28 de maio de 2022

Indústria mostra desaceleração no segundo semestre de 2021

Apesar das altas registradas em 2021, CNI destaca que bom resultado tem como base de comparação 2020, ano atípico e com “desempenho excessivamente fraco”.

4 de fevereiro de 2022

Compartilhe

Dados são da Confederação Nacional da Indústria (Foto: Reprodução)

A indústria brasileira registrou crescimento nos índices de emprego, faturamento e utilização da capacidade instalada em 2021. A Confederação Nacional da Indústria (CNI), no entanto, destaca que o bom resultado tem, como base de comparação 2020, ano atípico e com “desempenho excessivamente fraco”, em decorrência da pandemia.

“Apesar do avanço verificado na comparação anual, há desaceleração no ritmo de crescimento do emprego, tendência de queda do faturamento e da utilização da capacidade instalada no segundo semestre de 2021”, detalha a CNI por meio do levantamento Indicadores Industriais, divulgado nesta sexta-feira (4).

Os indicadores registram alta de 3,7% no faturamento da indústria de 2021, na comparação com 2020. Em dezembro, no entanto, esse indicador apresentou uma queda de 0,3% na série livre de efeitos sazonais. “Esse aumento se deve ao patamar elevado em que o faturamento começou o ano, uma vez que o indicador registrou quedas sucessivas ao longo dos meses”, explica a CNI.

De acordo com o levantamento, em dezembro de 2021, o faturamento estava 7,5% abaixo do registrado no mesmo mês de 2020. No acumulado de 2021, o faturamento foi 5% menor do que o de fevereiro de 2020, antes da chegada da pandemia de covid-19 ao país, detalha o estudo.

Ainda segundo os Indicadores Industriais, a massa salarial real e sobretudo o rendimento médio real, pressionados pela inflação, seguiram em queda na maior parte de 2021.

Os indicadores divulgados hoje fecham os dados obtidos ao longo de 2021. O levantamento revela que os pontos que contribuíram para o recuo no segundo semestre vão além dos efeitos da persistência da pandemia de covid-19, abrangendo também “o desarranjo das cadeias de suprimentos, que contribuem para que a recuperação não se complete e para que se mantenha o contexto de incerteza e altos custos na indústria de transformação”.

“O resultado faz o enceramento do ano de 2021. Na comparação, temos resultados positivos na comparação com 2020. Mas é preciso lembrar que 2020 foi um ano muito difícil para a indústria, que praticamente parou por dois meses durante aquele ano, por conta da pandemia. Então essa comparação é feita com uma base muito baixa”, resume o gerente de análise econômica da CNI, Marcelo Azevedo.

Capacidade instalada

A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) caiu 0,6 ponto percentual de novembro para dezembro de 2021. Tendo por base de comparação dezembro de 2020, o recuo registrado é de 0,7 ponto percentual.

A CNI lembra que, em junho de 2021, esse indicador chegou a atingir o patamar de 82,3%, “ponto mais alto desde 2014”. No entanto, acabou entrando em uma “tendência de queda no segundo semestre, encerrando o ano em 79,6% em dezembro”.

Massa salarial e rendimento médio

A massa salarial paga pelo setor industrial caiu 1,2% em dezembro, na comparação com novembro, na série dessazonalizada. No acumulado do ano, tendo por base a média registrada em 2020, o item registrou aumento de 0,7%.

“Esse aumento, no entanto, se deve à forte queda observada em 2020 e à alta que se concentrou na primeira metade de 2021. Em dezembro de 2021, a massa salarial se encontra 1,2% abaixo do índice de dezembro de 2020 e 4,8% abaixo do registrado em fevereiro de 2020”, explica a CNI.

O rendimento médio real do trabalhador manteve a “tendência de queda”, diz o levantamento, ao registrar diminuição de 1,4% de novembro para dezembro de 2021, na série livre de efeitos sazonais. Na comparação com a média registrada em 2020, a queda registrada é de 3,2%

“A queda no rendimento médio provocada pela pandemia de covid-19 em 2020 foi seguida de uma recuperação, verificada até setembro, mas que posteriormente foi corroída ao longo dos meses”, diz o levantamento ao observar que o nível observado em dezembro “é próximo – apenas 1,4% acima – do ponto mais crítico da pandemia, de maio de 2020”.

Na comparação de dezembro de 2021 com o mesmo mês de 2020, o recuo observado é de -4,7%.

Horas trabalhadas e emprego

Já o indicador referente a “horas trabalhadas na produção” apresentou alta de 3,3% em dezembro, acumulando avanço de 9,4% em relação a 2020.

O volume de horas trabalhadas caiu ao longo do primeiro semestre, mas voltou a registrar altas consistentes nos últimos três meses do ano. Dessa forma, a comparação entre dezembro de 2021 e o mesmo mês de 2020 indica alta de 1,4%.

“Vale notar que o patamar de dezembro é superior ao registrado antes da pandemia: na comparação com fevereiro de 2020, as horas trabalhadas na produção aumentam 4,3%”, acrescenta.

O emprego na indústria ficou estável no mês de dezembro, mas encerrou 2021 com avanço de 4,1% na comparação com o ano anterior. De acordo com a CNI, o crescimento ocorreu “essencialmente no primeiro semestre”.

O segundo semestre foi marcado pela estabilidade. Entre janeiro e junho, o índice relativo a emprego subiu 3,2%. Entre julho e dezembro, o avanço ficou em 0,5%. Tendo por base de comparação dezembro de 2020, o último mês de 2021apresentou crescimento de 3,6%.

Dezembro

“O resultado de dezembro foi negativo para muitas variáveis. Ele consolida o que a gente vinha percebendo nos últimos indicadores, de uma desaceleração da atividade industrial no segundo semestre. O ano tinha começado bem para a indústria, mas foi perdendo força. Isso se intensificou no segundo semestre, consolidando agora com esse resultado de dezembro, com aceleração da tendência de queda do faturamento e de utilização da capacidade instalada. O emprego que vinha crescendo na primeira metade do ano parou de crescer, consolidando então esse cenário”, conclui o gerente da CNI.

Fonte: Agência Brasil

Leia mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Saiba avaliar os custos envolvidos na compra da casa própria

Os gastos com a casa própria vão além do financiamento e precisam constar do planejamento, incluindo os gastos fixos mensais com água, luz, gás e internet.

28 de maio de 2022

Em Manaus, empresa oferta vagas de emprego na área da Segurança

A empresa não recebe currículos por e-mail ou contato telefônico e a candidatura é feita somente online, por meio de um perfil na rede social LinkedIn.

28 de maio de 2022

Fapeam inscreve propostas de CT&I em editais de R$ 25 milhões

Sete editais da Fapeam buscam o desenvolvimento de diversas cadeias produtivas do Estado com incremento da Ciência, Tecnologia e Inovação e recursos que somam R$ 25 milhões.

27 de maio de 2022

Programa Manaus + Agro contempla 70 produtores no ramal do Brasileirinho

Produtores rurais da região receberam alevinos, sementes e kits de agricultura familiar. Além disso, foram entregues 10 toneladas de ração para avicultores e piscicultores.

27 de maio de 2022

Ipea: Uma a cada quatro pessoas poderia trabalhar remotamente

Maioria dos trabalhadores que poderiam exercer atividades remotas é mulher (58,3%); branca (60%); com nível superior completo (62,6%); e tem idade entre 20 e 49 anos (71,8%).

27 de maio de 2022

Fundador do Grupo Digitron, Sung Un Song é o Industrial do Ano 2022

Título será concedido nesta sexta pela Fieam. Também serão homenageados os industriais Irani Bertolini e Gilberto Novaes e a empresa maior exportadora de 2021, a Recofarma.

27 de maio de 2022

Havan inaugura primeira megaloja em Manaus no dia 25 de junho

Nova Havan estará em anexo ao Shopping Manaus Via Norte. De acordo com a rede varejista, serão geradas 150 novas vagas de emprego diretos e cerca de 650 indiretos na capital.

27 de maio de 2022

5G poderá ser o ‘divisor de águas’ para a indústria do PIM, avalia Cieam

Segundo avaliação de representantes do setor, a nova tecnologia, caso implantada de forma satisfatória, poderá proporcionar agilidade ao processo produtivo, ao operacional.

27 de maio de 2022