fbpx

quinta, 07 de julho de 2022

Faturamento do setor imobiliário teve queda de 21% no trimestre

Em número de imóveis comercializados, a queda no trimestre foi de 15%, e de 21% em relação aos valores. Ambos os percentuais comparados ao primeiro trimestre de 2020.

12 de maio de 2021

Compartilhe

Indústria imobiliária teve queda nas vendas no primeiro trimestre. (Foto: Reprodução)

O mercado imobiliário do Amazonas encerrou o primeiro trimestre com vendas contabilizadas em R$162 milhões. O número representa queda de 21% quando comparado aos R$205 milhões registrados em igual período de 2020. O resultado negativo foi impulsionado pelos menores índices de vendas obtidos nos dois primeiros meses deste ano.

O balanço foi divulgado pela Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Amazonas (Ademi-AM), nesta quarta-feira (12).

De acordo com o presidente da Ademi-AM, Albano Máximo, o setor contabilizou menores faturamentos em janeiro e fevereiro, com certa recuperação em março. Daí, o desempenho negativo no início de 2021.

“Não esperávamos esse resultado, da mesma forma que não esperávamos enfrentar a segunda onda da pandemia. Após janeiro e fevereiro de baixas vendas, em março esse volume dobrou. Se os números de março tivessem se mantido em todo o trimestre, o resultado seria bem maior do que o do trimestre de 2020”, avaliou.

Em relação ao número de imóveis comercializados, a queda no trimestre foi de 15%. Considerando os valores dos imóveis, a queda foi de 21%. Ambos os percentuais comparados ao primeiro trimestre de 2020.

Segundo o presidente, o segmento imobiliário só deverá apresentar melhores índices no segundo semestre deste ano, período previsto para que novos empreendimentos sejam lançados.   

“Não deveremos ter muita evolução nos números no segundo trimestre. Mas, acreditamos em forte retomada no segundo semestre porque existem diversos projetos em tramitação e que devem ser aprovados pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), possibilitando o lançamento nos próximos meses”, informou.

Reportagem: Priscila Caldas

Leia Mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Projeto quer zerar ICMS da cesta básica para conter aumento

Alexandre Silveira propõe autorizar os estados a zerarem a alíquota do ICMS incidente sobre os produtos alimentares que compõem a cesta básica nacional, com compensação

6 de julho de 2022

Com prato feito a R$ 31 e R$ 65 à la carte, almoçar fora de casa fica 17,4% mais caro

Pesquisa mostra que uma refeição completa - comida, bebida, sobremesa e café- custou R$ 40,64, em média, de fevereiro a abril no país. Até 2020, valor era de R$ 34,62.

6 de julho de 2022

Mega-Sena sorteia nesta quarta prêmio acumulado em R$ 55 milhões

As apostas podem ser feitas até as 18h (horário de Manaus), nas casas lotéricas credenciadas pela Caixa, em todo o país ou pela internet. A aposta simples custa R$ 4,50.

6 de julho de 2022

Custo da cesta básica aumenta e salário mínimo não é o suficiente

O custo da cesta básica de alimentos aumentou em junho em nove das 17 capitais onde o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese)

6 de julho de 2022

Servidores do Banco Central anunciam fim de greve que durou três meses

O Sindicato Nacional de Funcionários do Banco Central informou que, apesar do fim da greve, novas atividades de mobilização e protesto estão sendo debatidas pela categoria.

5 de julho de 2022

Pequenos negócios geram renda de R$ 420 bilhões por ano

Os MEI geram R$ 11 bi todos os meses, o que significa R$ 140 bi por ano. As micro e pequenas empresas geram mensalmente R$ 23 bi, movimentando R$ 280 bi por ano.

5 de julho de 2022

Disney perderá direitos sobre Mickey e personagem cai em domínio público

Pela atual lei de propriedade intelectual dos EUA, personagens e outros trabalhos artísticos deixam de ser exclusividade de quem os criou depois de 95 anos de sua concepção.

5 de julho de 2022

ICMS menor derruba orçamentos da educação e da saúde, alerta Sefaz

Por conta dos repasses constitucionais, estado é obrigado a aplicar, anunalmente, 25% da receita de impostos para o orçamento da Educação e 12% para financiar a Saúde.

5 de julho de 2022