fbpx

domingo, 19 de setembro de 2021

Famílias brancas gastam quase o dobro com lazer do que pretos ou pardos

Entre 2017 e 2018, famílias chefiadas por brancos gastaram, em média, R$ 34,41 por mês com lazer. Já nas famílias com pessoas pretas ou pardas esse valor foi de R$ 18,35.

20 de agosto de 2021

Compartilhe

Dados são da Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018: Perfil das Despesas (Foto: Reprodução)

As famílias chefiadas por brancos gastaram quase o dobro com lazer e viagens, entre 2017 e 2018, do que famílias cujos responsáveis eram pretos ou pardos. No primeiro grupo, a despesa média mensal por pessoa foi de R$ 34,41. Já nas famílias com pessoa de referência preta ou parda esse valor foi de R$ 18,35. Os dados são da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018: Perfil das Despesas, divulgada nesta quinta-feira (19) pelo IBGE.

Essa diferença é ainda maior dependendo do tipo de lazer. Em viagens, por exemplo, o investimento em passeios e pacotes turísticos é quase três vezes maior em famílias chefiadas por brancos (R$ 7,68) do que pretos ou pardos (R$ 2,58). Por outro lado, é menor a diferença dos gastos com eventos culturais e esportivos ou leitura brinquedos e jogos.

Além da cor ou raça, os gastos com lazer e viagens variam conforme o sexo da pessoa de referência. Em famílias chefiadas por mulheres (R$ 18,12) a despesa mensal por pessoa foi a metade em relação àquela cujos responsáveis eram homens (R$ 35,80). 

Dependendo do nível de instrução e renda, essa diferença é ainda maior. Nas famílias que integram os 10% mais ricos, as despesas mensais com lazer e viagem chegaram a R$ 26,43 por pessoa, enquanto nas famílias que integram os 10% com os menores rendimentos, essa despesa foi de apenas R$ 0,84. Disparidade semelhante está entre as famílias cuja pessoa de referência tem o curso superior completo (R$ 27,08) e aquelas sem instrução (R$ 1,07).

“O que pode explicar todas essas as diferenças é a desigualdade de rendimento das famílias, que varia conforme o nível de instrução, a formalização e a composição familiar. Em famílias com renda disponível para gastos além do essencial é maior a despesa com lazer e viagem”, explica analista da pesquisa, Luciana Alves dos Santos.

Entre 2017-2018, a despesa média per capita de todas as famílias com lazer e viagens esporádicas a lazer foi de R$ 53,93, sendo que 72,4% desse total foram gastos com viagens. Já o restante (27,6%) com outras atividades, como leitura, ingressos para eventos de entretenimento, esportivos e recreação, além de brinquedos e jogos.

Do total gasto com viagens, 73,4% foram para alimentação, transporte e hospedagem e 26,6% com passeios e eventos e pacotes turísticos nacionais e internacionais. Entre as demais atividades, 63,8% foram para eventos culturais, esportivos e recreação e 36,2% para leitura, brinquedos e jogos.

65,8% consideram seu lazer bom ou satisfatório e 34,1%, ruim

A pesquisa também captou a avaliação subjetiva das famílias entrevistadas sobre o seu padrão de lazer entre 2017 e 2018. Cerca de 35,1% das pessoas pertenciam a famílias que avaliaram como bom seu padrão de vida em relação à qualidade dos serviços públicos e privados de lazer a que os membros da família tiveram acesso no período. Já 30,7% consideraram esse aspecto como satisfatório e 34,1%, ruim. 

Entre as 35,1% das pessoas em famílias que avaliaram como bom o seu padrão de lazer, 16,5% eram integrantes de famílias chefiadas por brancos e 18,2% compunham famílias cuja pessoa de referência era preta ou parda. No outro extremo das avaliações, a diferença entre os dois segmentos foi maior: dos 34,1% das pessoas que pertenciam as famílias que avaliaram seu lazer como ruim, 12,1% eram de famílias com pessoa de referência branca e 21,6% integravam famílias chefiadas por pretos ou pardos.

Entre os 10% das famílias com os maiores rendimentos, 54,0% das pessoas estavam em famílias que avaliaram seu padrão de lazer como bom e 14,0% como ruim. Por outro lado, entre os 40% das famílias com os menores rendimentos, apenas 29,0% das pessoas pertenciam a famílias que consideraram bom o seu padrão de lazer, enquanto 42,0% o avaliaram como ruim.

Fonte: IBGE

Leia mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Governo anuncia leilão para compra simplificada de energia em outubro

Leilão, a ser realizado em outubro, contratará energia de reserva, na modalidade por quantidade para usinas termelétricas a biomassa, eólica e solar fotovoltaica.

18 de setembro de 2021

Temporada de manejo do pirarucu na RDS Uacari está aberta

Em toda a RDS Uacari, a despesca será de 646 pirarucus, envolvendo 16 outras comunidades e 134 famílias. A estimativa de renda total na reserva é de R$ 290 mil.

18 de setembro de 2021

Produção de splits impulsiona setor de condicionador de ar no PIM

Produção do modelo split saltou de 1,8 milhão, nos primeiros meses de 2020, para mais de 3,1 milhões, de janeiro a junho deste ano. Fabricação do modelo janela também cresce.

18 de setembro de 2021

FGV divulga resultados das provas objetivas do concurso do TCE-AM

O concurso teve a confirmação de mais de 15 mil candidatos, com 40 vagas para provimento imediato na Corte de Contas, com vencimentos de até R$ 8,3 mil, além de benefícios.

17 de setembro de 2021

Inaugura em Manaus a primeira unidade franqueada da rede Flexfarma

Com um diversificado mix de fármacos, dermocosméticos e conveniências, primeira unidade da rede de drogarias Flexfarma em Manaus inaugura na próxima segunda-feira (20).

17 de setembro de 2021

Renda das mulheres cresce no 2º trimestre, apesar da desocupação maior

Redimento da força de trabalho feminina teve aumento 1,4% no segundo trimestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2020. Enquanto a renda masculina subiu 0,4%.

17 de setembro de 2021

Endividamento familiar sobe 2,1% e tem o maior nível da história

Percentual das famílias endividadas apresentou sua nona alta na passagem mensal, chegando em 72,9% em agosto, segundo pesquisa da Confederação Nacional do Comércio

17 de setembro de 2021

Secretário do Tesouro garante Auxílio Brasil no valor de R$ 300

De acordo com o secretário especial do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, a expectativa é de que os beneficiário recebam o novo auxílio já a partir do mês de novembro.

17 de setembro de 2021