fbpx

domingo, 14 de agosto de 2022

Economia brasileira deve crescer 1,2% em 2022, projeta CNI

Crescimento deve acontecera após “superação parcial de problemas conjunturais, como inflação, emprego e normalização das cadeias globais de valor a partir do 2º semestre".

15 de dezembro de 2021

Compartilhe

Entidade estima expansão de 5,2% da indústria de transformação em 2021 (Foto: Reprodução)

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) projeta crescimento de 1,2% para a economia brasileira em 2022, a partir da “superação parcial de problemas conjunturais, como inflação, emprego e normalização das cadeias globais de valor a partir do segundo semestre do ano”. A previsão está no documento Economia Brasileira: 2021-2022, divulgado nesta quarta-feira (15), em Brasília.

Para a entidade, a atividade econômica também deve se beneficiar da normalização da demanda por serviços prestados às famílias, o que ainda está abaixo do nível pré-pandemia, e também alguns setores industriais demandados ainda em 2021, principalmente aqueles ligados a investimentos, como a cadeia da construção civil e de bens de capital.

Já em um cenário mais pessimista, a previsão é de expansão do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país) em 0,3% em 2022. No cenário otimista, o Brasil crescerá 1,8%.

Para 2021, a CNI calculou alta de 4,7% na atividade econômica. “A estimativa é menor do que o esperado no início do ano, devido às constantes quedas na indústria ocorridas no segundo semestre”, explicou, em comunicado.

Segundo a confederação, a expansão do PIB neste ano reverte a queda de 4,1% em 2020, mas o resultado não significa que os problemas acentuados pela crise e os desafios estruturais do país tenham sido superados. “Há perda de ritmo da atividade econômica e as perspectivas para o próximo ano não são muito animadoras”, explicou.

Entre os fatores conjunturais desfavoráveis, a CNI destaca a inflação elevada, com consequentes altas nas taxas de juros, o alto endividamento das famílias, o desemprego, a escassez de insumos e matérias-primas e os custos de energia em elevação. Além disso, para a entidade, ainda há incertezas sobre o andamento da pandemia e o temor de algum retrocesso, como ocorre atualmente na Europa.

Indústria de transformação

A CNI estimou um crescimento de 5,2% da indústria de transformação em 2021. Ao longo deste ano, o PIB desse setor assumiu trajetória em razão da escassez e alta do preço de insumos e de matérias-primas. Para o ano que vem, a expectativa é de um aumento gradual do emprego que, com a desaceleração da inflação e o Auxílio Brasil, deve minimizar o processo de perda de poder de compra por parte das famílias.

Além disso, a partir da segunda metade de 2022, a previsão é de regularização nas cadeias de suprimentos. Para a CNI, a desvalorização do real também será benéfica para a indústria brasileira, com incentivos às exportações e à substituição de importações no mercado doméstico. A entidade estimou que a taxa de câmbio terminará 2022 em R$ 5,60, o mesmo patamar do fim de 2021. Em um cenário base, a indústria de transformação deve crescer 0,5% em 2022.

A previsão da CNI é de saldo comercial positivo em 2021, de US$ 58,9 bilhões, alta de 16,9% em relação à 2020. Segundo ela, as exportações são puxadas majoritariamente pelos preços, sobretudo de commodities, enquanto as importações mostram crescimento generalizado em volume.

As estimativas para exportações e importações são, respectivamente, de US$ 278,4 bilhões (alta de 33,1% em relação a 2021) e US$ 219,5 bilhões (alta de 38,2%).

“Para 2022, a normalização do fornecimento de insumos e matérias-primas e a taxa de câmbio real, ainda bastante desvalorizada, darão fôlego às exportações brasileiras e estimularão um processo de substituição de importações. A CNI projeta que as exportações alcancem US$ 280 bilhões ano que vem, patamar um pouco superior ao de 2021”, informou a confederação.

Inflação e emprego

Na avaliação da CNI, a continuidade do aumento da taxa básica de juros, o desemprego ainda elevado, as despesas primárias do governo federal em queda real, a atividade econômica moderada e estabilidade nos preços dos combustíveis devem fazer com que a inflação desacelere. Para 2022, a instituição espera uma inflação de 5%, próximo do teto da meta de inflação. A meta definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) é de 3,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

“Esse cenário considera que não devem ocorrer novas alterações nas regras fiscais, que poderiam elevar a inflação, por meio da depreciação do real”, explicou a Confederação Nacional da Indústria.

Neste ano, ela estima que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do país, deve desacelerar, moderadamente, em dezembro e fechar 2021 em 10,3%. Em novembro, o IPCA foi de 0,95%, abaixo do observado em outubro de 2021, de 1,25%. A inflação acumulada no ano é de 9,26% e de 10,74% em 12 meses.

Massa de renda real

Para a CNI, o número de pessoas ocupadas continuará crescendo e massa de renda real deve começar a se recuperar a partir do segundo semestre do ano que vem, em resposta à queda da inflação. “Para 2022, espera-se continuidade na recuperação do consumo e do emprego nos serviços prestados às famílias, como transporte, alojamento e alimentação, associado ao aumento da circulação de pessoas”, projetou a entidade.

A expectativa é de que, na segunda metade de 2022, quando a recuperação de serviços estiver próxima do nível de pré-pandemia, a atividade industrial esteja mais aquecida.

“No entanto, há um contingente populacional relevante que deve voltar a integrar a força de trabalho nos próximos trimestres. Assim, mesmo com a continuidade do crescimento da população ocupada, o retorno dessas pessoas ao mercado de trabalho manterá a taxa de desemprego pressionada para cima ao longo de 2022”, explicou a confederação, projetando que a taxa de desocupação média deverá ser ligeiramente inferior à de 2021, ficando em 13%.

O documento Economia Brasileira: 2021-2022 está disponível na página da CNI.

Fonte: Agência Brasil

Leia mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Nova Lei das Filas já autuou 41 estabelecimentos no Amazonas

Norma regula o tempo para atendimento ao cidadão, de no máximo até 50 minutos em estabelecimentos bancários, concessionárias públicas de água, luz e telefone e outros.

14 de agosto de 2022

Dia dos Pais: entenda origem da comemoração no Brasil e no mundo

Inicialmente, a data era 16 de agosto, quando a Igreja celebra São Joaquim, pai de Maria. O dia dedicado ao santo mudou, mas o oitavo mês fez sucesso entre os comerciantes.

14 de agosto de 2022

Amazonas tem terceira maior taxa de Informalidade do país, aponta PNAD Contínua

No estado, 57,7% da população ocupada (1.008 mil trabalhadores) estavam na informalidade no 2º trimestre, número superado apenas pelo Pará (61,8%) e Maranhão (59,4%).

12 de agosto de 2022

IBGE: taxa de desemprego do AM cai 2,6 pontos no segundo trimestre

Taxa de desemprego do estado ficou em 10,4% no segundo trimestre de 2022. Essa é a menor taxa observada no Estado desde o 4º trimestre de 2015 (9,3%).

12 de agosto de 2022

Suhab prevê entrega de mais de 190 unidades habitacionais até junho 2023

Segundo o titular da Superintendência de Habitação, Jivago Castro, obras no local, que estavam paradas há 8 anos, foram retomadas por determinação do governador Wilson Lima.

12 de agosto de 2022

Suframa abre inscrições para Fórum que vai discutir 5G e Indústria 4.0

Evento híbrido vai reunir empresas, universidades, entidades, institutos de pesquisa, prefeituras e especialistas que atuam em atividades nas áreas de 5G e indústria 4.0.

12 de agosto de 2022

Amazonas confirma reajuste de 56% no piso salarial para agentes de saúde

Com o reajuste do Piso Salarial, serão contemplados os servidores que atuam em todo o Amazonas, que passarão a receber o equivalente a dois salários mínimos.

12 de agosto de 2022

Manaus ganha voo direto da Azul para a Flórida, nos Estados Unidos 

A Azul começa a operar os voos a partir do dia 15 de dezembro deste ano. Segundo o Governo, o turismo de pesca será muito beneficiado com a ponte aérea Amazonas-Flórida.

11 de agosto de 2022