fbpx

sábado, 13 de agosto de 2022

Com prato feito a R$ 31 e R$ 65 à la carte, almoçar fora de casa fica 17,4% mais caro

Pesquisa mostra que uma refeição completa - comida, bebida, sobremesa e café- custou R$ 40,64, em média, de fevereiro a abril no país. Até 2020, valor era de R$ 34,62.

6 de julho de 2022

Compartilhe

Região Sudeste tem od valores mais caros (Foto: Reprodução)

Almoçar fora de casa ficou 17,4% mais caro para o trabalhador brasileiro durante a pandemia, indica pesquisa da Associação Brasileira das Empresas de Benefícios ao Trabalhador (ABBT). Conforme o levantamento, uma refeição completa – comida, bebida, sobremesa e café- custou R$ 40,64, em média, de fevereiro a abril deste ano no país.

Às vésperas da crise sanitária, o valor era de R$ 34,62, segundo a edição anterior da pesquisa, feita entre dezembro de 2019 e fevereiro de 2020. A alta de 17,4% (ou R$ 6,02 a mais) vem dessa comparação.

Para Jessica Srour, diretora-executiva da ABBT, o resultado reflete pressões de diferentes origens sobre os preços da alimentação fora de casa.

Nos últimos meses, não foi somente a carestia de alimentos que impactou bares e restaurantes. Os estabelecimentos também foram pressionados por outros custos de operação, como aluguel e tarifas mais altas de energia elétrica. “É um pouco de tudo isso”, diz Srour.

Agora, em um momento de retomada do setor de alimentação fora de casa, há uma expectativa de recuperação das perdas causadas pela pandemia, mas empresários relatam que o repasse para os preços segue complicado devido ao orçamento enxuto dos consumidores.

“Muitos estabelecimentos não conseguiram sobreviver ou se manter competitivos”, afirma Srour.
A pesquisa da ABBT foi realizada em 51 cidades brasileiras. A amostra envolveu restaurantes, bares, lanchonetes e padarias de 22 estados e do Distrito Federal que aceitam como formas de pagamento benefícios para refeição recebidos por trabalhadores.

Em uma situação hipotética, com R$ 40,64 gastos por almoço em 22 dias úteis, um profissional teria de desembolsar R$ 894,08 por mês.

Esse montante correspondia a mais de um terço (35%) de um salário médio no país no primeiro trimestre deste ano.

À época, o rendimento nominal do trabalho principal foi de R$ 2.548 por mês, aponta o estudo, citando dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Prato feito sai por R$ 30,59

A pesquisa analisou quatro tipos de refeição. No modelo comercial, que reúne opções como o popular prato feito, o preço médio foi de R$ 30,59. Trata-se do menor valor do levantamento.
Na outra ponta da lista, o serviço mais caro foi do tipo à la carte: R$ 64,83. Essa modalidade envolve pratos servidos em ambientes mais sofisticados, nos quais o cliente escolhe a comida a ser preparada na hora.

As outras duas opções pesquisadas foram autosserviço (self service) e refeição executiva. Os preços médios alcançaram R$ 35,91 e R$ 50,23, respectivamente.

A modalidade de autosserviço reúne estabelecimentos que servem refeições de bufês, cujos valores podem ser fixos ou por quilo.

Já a modalidade executiva é formada por pratos mais econômicos em restaurantes à la carte durante a semana.

Sudeste tem o valor mais caro

O estudo ainda mostra que os preços variam de acordo com as regiões e as cidades brasileiras.
O Sudeste teve o maior preço médio para o almoço: R$ 42,83. O Centro-Oeste, por sua vez, registrou o menor: R$ 34,20.

Entre as capitais, o maior valor foi verificado em São Luís (R$ 51,91). Srour diz que os custos elevados com transporte de alimentos e um número menor de restaurantes podem explicar o valor mais alto na média da capital maranhense.

Pelo levantamento da ABBT, o menor preço para a refeição completa foi verificado em Goiânia: R$ 27,94. “Goiânia é uma capital mais próxima das regiões produtoras de alimentos”, diz Srour.
Na capital paulista, o preço médio do almoço chegou a R$ 43,27. Foi o sexto mais elevado entre as metrópoles na pesquisa da ABBT.

É preciso ter criatividade, diz empresário

Nesta terça-feira (5), um levantamento da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) em São Paulo apontou que 37% dos empresários ouvidos tiveram lucro em maio. Outros 30% operaram com prejuízo, enquanto 33% ficaram em equilíbrio.

Ainda de acordo com a Abrasel, a maior parcela dos respondentes, de 53%, relata ter praticado reajustes nos preços abaixo da inflação. Outros 16% não conseguiram elevar os valores do cardápio.

Segundo o levantamento, 26% reajustaram os valores somente para acompanhar a pressão inflacionária. Apenas 5% conseguiram implementar aumentos acima da inflação.

Paulo Rapetti, proprietário do restaurante Buteco da Carne, na capital paulista, afirma que o setor precisa de criatividade para oferecer opções que façam o consumidor sair de casa em tempos de inflação alta.

“Está difícil para todo mundo, mas o empresário tem de inovar”, diz. “Por exemplo, decidimos começar a ter música ao vivo, criar um espaço mais aberto para as pessoas, trabalhar com mais drinks”, completa.

Fonte: Folhapress

Leia Mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Amazonas tem terceira maior taxa de Informalidade do país, aponta PNAD Contínua

No estado, 57,7% da população ocupada (1.008 mil trabalhadores) estavam na informalidade no 2º trimestre, número superado apenas pelo Pará (61,8%) e Maranhão (59,4%).

12 de agosto de 2022

IBGE: taxa de desemprego do AM cai 2,6 pontos no segundo trimestre

Taxa de desemprego do estado ficou em 10,4% no segundo trimestre de 2022. Essa é a menor taxa observada no Estado desde o 4º trimestre de 2015 (9,3%).

12 de agosto de 2022

Suhab prevê entrega de mais de 190 unidades habitacionais até junho 2023

Segundo o titular da Superintendência de Habitação, Jivago Castro, obras no local, que estavam paradas há 8 anos, foram retomadas por determinação do governador Wilson Lima.

12 de agosto de 2022

Suframa abre inscrições para Fórum que vai discutir 5G e Indústria 4.0

Evento híbrido vai reunir empresas, universidades, entidades, institutos de pesquisa, prefeituras e especialistas que atuam em atividades nas áreas de 5G e indústria 4.0.

12 de agosto de 2022

Amazonas confirma reajuste de 56% no piso salarial para agentes de saúde

Com o reajuste do Piso Salarial, serão contemplados os servidores que atuam em todo o Amazonas, que passarão a receber o equivalente a dois salários mínimos.

12 de agosto de 2022

Manaus ganha voo direto da Azul para a Flórida, nos Estados Unidos 

A Azul começa a operar os voos a partir do dia 15 de dezembro deste ano. Segundo o Governo, o turismo de pesca será muito beneficiado com a ponte aérea Amazonas-Flórida.

11 de agosto de 2022

Setor de serviços do AM apresenta queda de 5,1% em junho, aponta IBGE

A variação percentual acumulada no ano (de janeiro a junho) apresentou alta de 9,7%, e no acumulado dos últimos 12 meses, o setor teve queda para 9,5%, no Estado.

11 de agosto de 2022

Casas Bahia inaugura 5 lojas e Centro de Distribuição nesta sexta em Manaus

Chegadas das lojas já proporcionam impacto na economia local, com a geração de 380 empregos diretos e 1.140 indiretos, totalizando mais de 1.500 novos empregos na cidade.

11 de agosto de 2022