fbpx

sábado, 21 de maio de 2022

Alta nos preços: construção civil pode ter ‘apagão’ de obras e empregos

Sinduscon afirma que caso os valores elevados se mantenham sem intervenção do governo, em até três meses a previsão é de redução na geração de emprego e de suspensão de obras

12 de abril de 2022

Compartilhe

Aumento nos preços poderá reduzir empregos e obras no estado (Foto: Reprodução)

O setor da construção civil prevê redução no emprego da mão de obra e suspensões contratuais de novos empreendimentos, nos próximos três meses, em decorrência da escalada de preços dos insumos, dos juros, dos combustíveis, acrescida da inflação alta. A alternativa para o segmento, segundo o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Amazonas (Sinduscon-AM), está na adoção de medidas de realinhamento de preços por parte do governo federal.

Segundo o presidente do Sinduscon-AM, Frank Souza, o segmento aguarda tomada de atitude por parte do governo federal no sentido de rever os preços praticados pelo mercado para tentar reequilibrar os valores contratados anteriormente. O presidente afirma que, caso o cenário de valores elevados se mantenha sem intervenção do governo, em até três meses a previsão é de redução na geração de emprego e de suspensão em obras, tanto públicas quanto privadas, já contratadas.

Souza explica que a empresa ao elaborar o projeto para a construção e fechar o contrato, adota os preços dos insumos em vigência naquele determinado período. Os valores, ao sofrerem reajuste, não refletem em alteração nos contratos já feitos anteriormente, impactando nos custos para a execução dos trabalhos.

“Esse cenário de aumentos já afeta o setor porque quem tinha planos estabelecidos para construir, adia os projetos. Mas, reflexos mais expressivos poderão ser sentidos se em até três meses não houver reequilíbrio de contratos e realinhamento de preços pelo governo federal. Ocorrerá a diminuição na mão de obra e projetos interrompidos”, comentou Souza.

Aumento no preço dos insumos da construção

Souza comentou que a atual conjuntura econômica, agravada pela guerra entre Rússia e Ucrânia, resulta em reajustes que pressionam o setor da construção civil. Ele relata que dois insumos considerados fundamentais para o segmento, que são o cimento e o aço, tiveram os preços elevados recentemente. O aço, segundo o empresário, teve o preço elevado em 15% percentual que deverá chegar aos 25%.

“Há uma cadeia de aumentos no preço dos insumos, somado a elevação no preço dos combustíveis, aumento da inflação e dos juros, essa somatória resulta em desequilíbrio de contratos. Outro insumo que teve o preço reajustado foi o cimento. Mas, com certeza, o item que puxa os maiores custos da construção civil é o aço”, informou Souza.

Texto: Priscila Caldas

Leia Mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Lei de tempo de espera máximo para atendimento é sancionada, no AM

O Instituto de Defesa do Consumidor do Amazonas destaca que, para que o consumidor consiga indenização perante a Justiça, é necessário recorrer ao Poder Judiciário.

20 de maio de 2022

PL destina recursos do pré-sal para políticas de pesca e aquicultura

Projeto de Lei 6114/19 destina para as políticas de aquicultura e pesca dos estados e municípios até 1% dos recursos arrecadados pela União com venda dos barris de petróleo.

20 de maio de 2022

PIM poderá ganhar fábrica da Tesla, empresa de Elon Musk, diz colunista

Informação é do colunista Igor Gadelha, do site Metrópoles. Em setembro do ano passado, a empresa apresentou, pela primeira vez, um protótipo de um veículo de duas rodas.

20 de maio de 2022

Em 4 meses, a arrecadação tributária do AM cresce 4% e supera R$ 5 bi

Crescimento reflete o bom desempenho da atividade comercial, e ainda, do subsetor de postos de combustíveis, que registraram alta na arrecadação, respectivamente, de 6% e 10%

20 de maio de 2022

Governo publica decreto com regras para mercado de carbono

Medida exige que os ministérios do Meio Ambiente e da Economia criem um plano de mitigação das mudanças climáticas, em que serão definidas metas de emissão de gases.

20 de maio de 2022

Eneva mais do que dobra reservas de gás na Bacia do Amazonas

Auditoria de reservas e recursos na Bacia do Amazonas mostra que as reservas de gás natural da Eneva passaram de 7,1 bilhão de m³ (Bm³) no fim de 2021 para 14,8 Bm³ em abril.

20 de maio de 2022

Brasil terá geração mais pobre com fechamento de escolas na pandemia, diz FMI

Aprendizado incompleto na pandemia pode diminuir o rendimento médio dessa geração de estudantes em 9,1%. Prognóstico coloca o país na 3ª pior posição entre os países do G20.

20 de maio de 2022

Startups podem obter crédito para acessar soluções tecnológicas

Programa Serpro Booster seleciona empresas tecnológicas e oferece créditos para que acessem algumas das melhores soluções tecnológicas de administração de dados públicos.

20 de maio de 2022