fbpx

sexta, 28 de janeiro de 2022

AAMP entrega R$ 15 mil em doações a crianças com TEA e TDAH em Manaus

Crianças atendidas pela Associação Mães Unidas Pelo Autismo foram contempladas com doações e um dia de lazer na sede campestre da Associação Amazonense do Ministério Público.

10 de dezembro de 2021

Compartilhe

A Associação Amazonense do Ministério Público (AAMP) entregou, nesta sexta-feira (10), 120 cestas básicas, brinquedos e equipamentos para auxiliar profissionais de psicologia e fonoaudologia no tratamento de crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) e Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) atendidas pela Associação Mães Unidas Pelo Autismo (Amua).

Juntas, as doações somam aproximadamente R$ 15 mil. O presidente da AAMP, promotor de justiça Alessandro Samartin de Gouvea, destaca que a ação é em prol das comemorações dos 50 anos da Associação, completados no dia 26 de novembro deste ano.

“Em comemoração a esse jubileu de ouro, e para cumprir a sua missão social e também de fortalecimento a PcDs [Pessoas com deficiência] e toda a sociedade amazonense, a Associação do Ministério Público conseguiu reunir materiais e cestas básicas, que permitem que a Amua possa desenvolver um trabalho ainda mais na comunidade onde ela está localizada”, destacou Samartin.

Conforme o presidente da AAMP, a ação não se resume apenas às doações entregues hoje. Toda a estrutura da sede campestre da AAMP foi disponibilizada para os associados da Amua.

“O intuito é proporcionar a essas crianças, jovens e pais um dia de lazer. Aqui, o público vai poder usar a piscina, brinquedoteca, campo de futebol, o salão de festas e muito mais, para se divertirem e aproveitarem a infância como ela deve ser: feliz e cheia de brincadeiras em família”, ponderou o promotor de justiça Alessandro Samartin.

Apoio da AAMP auxília trabalho social com famílias que dependem de atendimento psicossocial na Amua

As cestas básicas com itens de necessidade imediata e os materiais destinados à terapia ocupacional beneficiarão diretamente, aproximadamente, 200 pessoas. Hoje, a Amua conta com 60 famílias associadas. A presidente fundadora da associação social, Núbia Brasil, de 43 anos, revela que o trabalho vai muito além das famílias associadas.

“A gente consegue atingir um número muito maior de pessoas na sociedade, pois trabalhamos com atendimento jurídico e a prestação de informações, por meio de eventos e palestras, para que essas pessoas com TEA ou TDAH possam ser acolhidas. Além disso, a gente busca orientar e também trocar experiências com essas famílias”, ressalta Núbia Brasil.

Hoje, as famílias associadas à Amua pagam uma taxa para usufruir dos serviços. O atendimento é diário e dividido em dois turnos, sendo 20 atendimentos pela manhã e 40 pela tarde, esse último período com consultas e avaliações de profissionais das áreas de psicologia e fonoaudiologia. Os recursos mantenedores são reunidos de mensalidades dos associados, rifas e bazar.

Entre os itens entregues pela AAMP à Amua está uma máquina de lavar roupas, que será sorteada em uma rifa beneficente para angariar fundos para investimentos no desenvolvimento das crianças.

A cabeleireira Lena Ribeiro, de 42 anos, explica que na Amua encontrou amparo tanto para si quanto para o filho, uma criança de quatro anos com diagnóstico de TEA.

“Cheguei na associação no fundo do poço, com depressão pós-diagnóstico do meu filho porque não existe uma mãe que se prepare para isso. Na associação, encontrei todo o apoio que precisava. Meu filho é bem assistido com psicólogos e fonoaudiólogos e vi que não formei apenas amizades, mas também uma nova família. Hoje, a Amua só cresce e, com esse apoio das doações da Associação Amazonense do Ministério Público, agora começa a desenvolver um trabalho mais intensivo com foco na melhoria do desenvolvimento dos nossos filhos”, avalia a cabeleireira.

O reinício em Manaus

A técnica em enfermagem, Neila Santos, de 46 anos, deixou tudo para trás em Belém, no Pará, em busca de melhorias em Manaus para o filho de nove anos. A criança foi diagnosticada com TDAH aos sete anos. Os dois são naturais da capital amazonense, porém acabaram morando por um tempo no estado vizinho onde o pai da criança e ex-marido morava.

Ela conta que, por atuar como profissional da área de saúde, identificou que o filho poderia precisar de ajuda especializada, mas não recebeu apoio do ex-marido, da família e nem dos médicos de Belém.

“Todos diziam que não havia nada de diferente no meu filho. Quando ele nasceu, ele tinha convulções, e isso já despertou a minha atenção. Até os dois anos, ele tomou medicações para tratar essas convulções, mas depois desse período o pai, juntamente com a família dele, me obrigou a retirar essas medicações – e que eu teria que que seguir com minha vida e a criação dele. Foi o que eu fiz”, lembra a técnica em enfermagem.

No entanto, Neila conta que com o passar dos anos o comportamento do filho piorou. “Ele não falava, e eu o levava para consultas com a fonoaudióloga e ela disse que ele não tinha nada, era normal, e que na verdade eu precisava ter pulso forte. Mas eu sabia que não era só ter pulso forte. Ele só conseguiu falar com sete anos, pois antes ele só babuciava e não dava para entender nada”, explica a manauense.

A mãe revela que esse ano separou-se do pai de seu filho e voltou para Manaus, sua terra natal, em busca de um reinício. “Ele treina jui-jítsu, e foi justavamente durante as aulas que eu tive contato com outras mães que fazem parte da Amua. Fiquei sabendo do projeto, das ações desenvolvidas e busquei assistência. Hoje, meu filho tem acompanhamento semanal com profissional de fonoaudiologia e psicologia e o quadro dele evoluiu bastante.

Com informações da assessoria

Leia Mais:

Leia mais Dia a Dia

5 de fevereiro: bateria e feijoada para alavancar números da vacinação

Estratégia da campanha 'Pra sambar tem que vacinar', lançada hoje pelo Governo do Amazonas, vai levar as vacinas para a quadra de 8 escolas de samba do Grupo Especial.

28 de janeiro de 2022

Anvisa autoriza venda de autotestes para Covid-19 no Brasil

Com o envio dos dados pela pasta na última terça-feira (25), a cúpula da Agência concluiu então que não há obstáculos que impossibilitem a comercialização dos autotestes.

28 de janeiro de 2022

Anitta usa ‘Fora Bolsonaro’ para divulgar videoclipe Boys Don’t Cry

Cantora brincou com seus seguidores nas redes sociais ao editar take do vídeo onde aparece recebendo uma mensagem dentro do envelope. O texto editado diz: 'Fora Bolsonaro'.

28 de janeiro de 2022

Número de acidentes de trânsito cai 37% no Amazonas em 2021

Dados do Detran-AM indicam que houve redução nos acidentes com danos materiais e vítimas lesionadas em todo o Estado; na capital, houve redução de mortes no trânsito.

28 de janeiro de 2022

STF quer manifestação de indígenas sobre Plano de Enfretamento à Covid

Apib, Fiocruz e Abrasco devem se manifestar ao Supremo Tribunal Federal (STF) sobre os pontos do Plano Geral de Enfrentamento à Covid-19 para os povos indígenas.

28 de janeiro de 2022

Centro de Testagem do Studio 5 encerra as atividades nesta sexta-feira

Atendimento aos usuários com sintomas gripais seguirá ao longo do dia e, após às 17h, o serviço deixará de ser oferecido no local, ficando restrito ao Vasco Vasques.

28 de janeiro de 2022

Após vacinação, mortalidade de internados com Covid no SUS cai 37%

Segundo os dados do Sistema de Informações Hospitalares do SUS, a taxa de mortalidade de pacientes internados com Covid em novembro foi de 16,3%, a menor da série histórica.

28 de janeiro de 2022

Exigência do passaporte vacinal divide opinião do público em Manaus

A média móvel de casos de covid por dia de diagnóstico, no período entre 1º e 25 de janeiro, apresentou alta de 582% nos últimos 14 dias; e de 74% nos últimos 7 dias no AM.

28 de janeiro de 2022