quinta-feira, 25 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

Campanha ao Senado movimenta R$ 160 mil entre candidatos do Amazonas

Na 3º posição no número de publicações no Facebook, Arthur Neto tem a maior despesa com internet, R$ 71 mil. Em seguida vem Menezes, que lidera em engajamento e posts.
COMPARTILHE
campanha redes sociais
Os gastos considerados no levantamento foram identificados como impulsionamentos, serviços de mídias digitais, construção de sites e contratação de profissionais (Foto: Reprodução)

Candidatos ao Senado pelo Amazonas já gastaram R$ 160,5 mil com a campanha eleitoral na internet, apontou levantamento do Realtime1 com base na prestação de contas parcial na plataforma DivulgaCandContas até terça-feira (14).

Coronel Menezes (PL), que assumiu a liderança em engajamento no Facebook e Instagram durante o período de 1º a 12 de setembro, destinou R$ 53,7 mil para o impulsionamento de conteúdos. Menezes é o candidato que mais faz publicações nessas redes sociais.

O segundo colocado em engajamento e na quantidade de posts, o candidato à reeleição, senador Omar Aziz (PSD), não declarou gastos com internet. Contudo, a produção de conteúdo das suas redes sociais cabe à empresa Uplink Assessoria e Consultoria, que tem despesa prevista na campanha de R$ 500 mil pela produção de programas de rádio, televisão ou vídeo.

Na terceira posição no número de publicações no Facebook, o ex-prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB) tem a maior despesa com internet. O candidato investiu R$ 71 mil.

Em 3º lugar no engajamento no Facebook e em 4º no Instagram, Luiz Castro (PDT) gastou R$ 35,8 mil.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

Os candidatos Bessa (SD), que ocupa a 5º posição em engajamento no Facebook, e Marília Freire (PSol), que está em 2º lugar na interação no Instagram, não informaram despesas com internet.

Peter Miranda (Agir), que ocupa a penúltima colocação na quantidade de posts no Instagram ficando atrás apenas de Bessa, não prestou contas parcial à Justiça Eleitoral.

O levantamento considerou os gastos identificados como impulsionamentos, serviços de mídias digitais, construção de sites e páginas e contratação de profissionais de mídias sociais, entre outros.

Texto: Larissa Cavalcante

Leia Mais:

COMPARTILHE