quarta-feira, 17 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

ECONOMIA

"O Brasil todo vai trabalhar para atender a Faria Lima", afirma Sidney Leite

O parlamentar destacou que houve queda da inflação quando a Câmara votou a redução de tributos derivados de petróleo, energia e comunicação.
COMPARTILHE
sidney leite
(Will Shutter / Câmara dos Deputados)

O deputado federal Sidney Leite (PSD-AM) criticou a falta de ação do Banco Central para reduzir os juros básicos da economia e disse que, se nada for feito, o Brasil vai trabalhar para atender a Faria Lima.

A afirmação ocorreu durante Audiência Pública da Comissão Mista de Orçamento (CMO).

O parlamentar destacou que houve queda da inflação quando a Câmara votou a redução de tributos derivados de petróleo, energia e comunicação, e que ela tende a se mostrar resistente às políticas altas de juros.

“Ou a gente melhora as premissas do Banco Central, ou o Brasil todo vai trabalhar para atender a Faria Lima, essa que é a grande realidade. Não há preocupação ou discussão sobre a questão do custo da dívida, lembrando também que essa política de juros quando votada nessa casa foi, a redução dos tributos derivados de petróleo, energia e comunicação, é que nós tivemos a queda da inflação que se mostrou resistente a essa política alta de juros e que esse remédio citado aí não foi a solução”, afirma Sidney.

O deputado federal do Amazonas disse ainda que é preciso discutir soluções para esses problemas ao invés de debater redução de gastos de investimento na saúde, educação ou infraestrutura, e lembrou que é preciso falar sobre o volume dessa dívida que nunca reduz e assim corrigir distorções em um país desigual.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

Leite afirmou também ser favorável aos tributos propostos pelo Governo para os chamados ‘super-ricos’ e lembrou enquanto membro do grupo de trabalho da Reforma Tributária que todos eles estavam representados no debate, mas que o trabalhador nunca é lembrado nessas discussões.

“A gente não vê resistência nessa casa quando é para tributar pobre trabalhador. Eu fiz parte do grupo da reforma tributária e não vi ninguém discutir a situação do pobre, do trabalhador, mas todos os outros setores estavam representados, então eu quero dizer que não discordo de tributar o que o governo está propondo para cá. Até quando a classe trabalhadora desse país vai ter que garantir a receita tributária desse país?”, pergunta.

Segundo o governo, o novo Arcabouço facilita o crescimento sem comprometer a responsabilidade fiscal. O texto foi sancionado, com vetos, em 31 de agosto, e as novas regras procuram manter as despesas abaixo das receitas a cada ano e, em caso de sobras, elas deverão ser usadas apenas em investimentos, buscando trajetória de sustentabilidade da dívida pública.

Da Redação com informações da assessoria

Leia Mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

COMPARTILHE