quinta-feira, 25 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

Alunos do SESI Amazonas ganham prêmio no torneio nacional de robótica

O Festival de Robótica reuniu na Arena Mané Garrincha, nos dias 15 a 18, mais de 30 mil visitantes, mais de dois mil competidores e 244 equipes de todo o Brasil.
COMPARTILHE
SESI

A equipe de robótica do Amazonas, Fenix Of The Light, garantiu o prêmio de “Melhor Design do Robô” na categoria FIRST LEGO League (FLL), do Torneio SESI de Robótica – etapa nacional, em Brasília.

“Recebemos o troféu pela moldagem do nosso robô, fator que auxiliou muito o nosso desempenho na arena de competição”, explicou a aluna da Escola SESI Emina Barbosa Mustafa, Helen de Albuquerque, de 16 anos.

Também componente da equipe, Valéria Oliveira foi uma das responsáveis pela montagem do robô. Ela contou que se inspirou em vídeos americanos para desenvolver o design e que no começo da montagem não foi nada fácil.

Por isso, foi muito gratificante receber o reconhecimento.

De acordo com a técnica da equipe Alessandra Bernardo, a Fenix Of The Light é uma equipe iniciante na competição e quase não conseguia ir para a etapa nacional do torneio, ao ficar em 4º lugar no certame regional, porém, o grupo de seis meninas e um menino, conseguiu conquistar a vaga após a desistência de uma das equipes e, por fim, fez valer a sua presença na competição.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

“Nós estávamos bem realistas em relação à nossa realidade, apesar de não termos perdido as esperanças, então ter vindo (a Brasília) e ganhar esse prêmio foi maravilhoso demais”, afirma a professora.


Eliza Chaves, mãe da aluna Julie, outra integrante Fenix Of The Light afirma que pôde perceber diversas mudanças positivas na filha, desde que ingressou na robótica.

“Julie se tornou uma menina resiliente, determinada, que persegue os seus objetivos, além de ter se tornado mais organizada com horários e compromissos”, pontua a mãe, ao revelar o desejo de Julie em cursar medicina para se tornar uma neurocientista.

“O desejo dela é realizar operações através de máquinas, então, com a ajuda da robótica, ela certamente terá um futuro brilhante”.


O Festival de Robótica reuniu na Arena Mané Garrincha, nos dias 15 a 18, mais de 30 mil visitantes, mais de dois mil competidores e 244 equipes de todo o Brasil.

Durante uma competição e outra, os alunos do Amazonas também tiveram a oportunidade de conhecer o SESI Lab.

Um museu 100% interativo, localizado no antigo Edifício Touring Club, considerado um reduto de ciência, inovação e educação, iniciativa do Serviço Social da Indústria (SESI), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), que é divido entre os espaços Maker, Biomaker, Experimento Lab, além do espaço para exposições temporárias.

Os alunos das equipes Os Curupiras e Fenix Of The Light puderam ver de perto o complexo multiuso e todas as experiências sensoriais e lúdicas do local.

Gabriel Barbosa, 16, garantiu que a visita agregou muito para os seus conhecimentos em física.

“Experimentos que eu só via na teoria, hoje eu pude testar na prática”. Ana Isabele Monteiro, 16, também aprovou o SESI Lab: “por ser um museu interativo, a gente não passa só olhando, pode também tocar e interagir, essa é a parte mais legal”.

Desafios e perspectivas

Realizado durante o Festival SESI de Robótica, o “Seminário Internacional SESI SENAI – Educação e Desenvolvimento do País:  desafios e perspectivas” contou com a presença do ministro da Educação, Camilo Santana, que destacou o desejo, tanto seu quanto da Presidência da República, pela implementação de escolas de período integral. Na oportunidade, o ministro também deu ênfase às discussões já realizadas com o SESI e SENAI sobre o assunto.

“Queremos uma parceria para o uso dos equipamentos que temos disponíveis hoje nos estados brasileiros, a fim de que possamos promover matrículas do ensino médio, em tempo integral e com ensino profissionalizante”.

Um dos palestrantes do evento, Paulo Blikstein, destacou o uso da tecnologia não apenas como uma ferramenta pela qual os alunos recebem informação, mas como um auxílio que os levam a criar e experimentar sozinhos.

Ele é professor de Design de Tecnologia da Aprendizagem da Universidade de Columbia, em Nova Iorque – US, e diretor do Transformative Learning Technologies e do Lemann Center para Estudos Brasileiros.

Blinkstein pontuou também a necessidade de democratização pedagógica para que alunos da rede pública também possam ter as mesmas oportunidades, e elogiou as iniciativas do SESI.

“Eu encorajo que vocês olhem para todas as invenções que estão sendo criadas nesse Festival de Robótica e imaginem o que seria do Brasil se todas as crianças tivessem acesso a isso, se pudéssemos ter milhões e milhões de crianças inventando e realizando as suas ambições intelectuais e sentindo que são valorizadas e que têm o direito de criar e experimentar”, assinalou.

Leia Mais:

COMPARTILHE