domingo, 14 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

Vereador aciona Ministério Público contra o prefeito de Tabatinga

Vereador quer prestação de contas dos R$ 4,5 milhões enviados à Tabatinga enfrentar o coronavírus. Prefeito já teve contas anteriores reprovadas.
COMPARTILHE
vereador Hilal Hayssam (PSB)
Vereador aciona MPF para prefeito de Tabatinga prestar contas de R$ 4,5 milhões para combate à covid-19

O vereador Hilal Hayssam (PSB) ingressou com uma representação no Ministério Público Federal (MPF) para que o prefeito Saul Bemerguy (MDB) esclareça o uso da verba enviada à Tabatinga, pelo Governo Federal para o combate à covid-19.

Durante dois meses, o parlamentar cobrou explicações da Prefeitura de Tabatinga sobre a aplicação de R$ 4,5 milhões.

Além da notificação do prefeito, o vereador solicitou a abertura de inquérito civil sobre todos os contratos realizados com as verbas destinadas para o combate da doença.

“Então decidi vir a Manaus dar entrada nessa representação para saber o que foi feito com os R$ 4,5 milhões. Estou cumprindo nada mais do que minhas obrigações”, disse o vereador, que lamentou os mais de 1.500 infectados e 76 mortos pela doença na cidade.

Assista o vídeo que o vereador fez na frente do MPF: https://www.youtube.com/watch?v=8D–lOtJC1k&feature=youtu.be

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

Prefeito teve as contas reprovadas

Saul Bemerguy (MDB) é um dos nove prefeitos que teve as contas reprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Ele já tem uma denúncia no Ministério Público Federal (MPF) pelo desvio de R$ 19 milhões para ações na educação, entre 2009 e 2010.

Os recursos eram oriundos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) em 2009 e 2010.

Investigações da Operação Imperador, deflagrada pela Controladoria-Geral da União (CGU) em 2011, apontaram que Saul Bemerguy – atual prefeito, que também esteve à frente do município entre 2009 e 2012 – e Gilberto Silva cometeram fraude em mais de 30 processos licitatórios.

Entre as irregularidades estão o fracionamento de despesa para realização de modalidade de licitação do tipo carta-convite, convites não enviados para empresas ou enviados minutos antes da licitação e inclusão, no processo licitatório.

COMPARTILHE