fbpx

domingo, 23 de janeiro de 2022

taxa de desocupação do país caiu de 13,7%, no trimestre de maio a julho, para 12,1% no trimestre encerrado em outubro. Na comparação com os três meses anteriores, o número de pessoas que estão em busca de trabalho no país caiu 10,4%, chegando à marca de 12,9 milhões. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgados nesta terça-feira (28), pelo IBGE.

Já o contingente de pessoas ocupadas aumentou 3,6%, o que representa 3,3 milhões de pessoas a mais no mercado de trabalho em relação ao trimestre encerrado em julho. Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, houve aumento de 8,7 milhões de trabalhadores.

“Essa queda na taxa de desocupação está relacionada ao crescimento da ocupação, como já vinha acontecendo nos meses anteriores. O aumento no número de ocupados ocorreu em seis dos dez grupamentos de atividades, a exemplo do comércio, da indústria e dos serviços de alojamento e alimentação”, afirma a coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, Adriana Beringuy.

Com esse crescimento, o nível de ocupação, que é o percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar, subiu para 54,6%, o maior desde o trimestre encerrado em abril do ano passado.

Empregos privados puxam alta

O aumento na ocupação foi impactado pelo número de empregados com carteira de trabalho no setor privado, que chegou a 33,9 milhões, crescimento de 4,1% frente ao trimestre anterior. Isso significa 1,3 milhão de pessoas a mais.

“Do aumento de 3,3 milhões de pessoas na ocupação, 40% são trabalhadores com carteira assinada no setor privado. Essa recuperação do trabalho formal já vem ocorrendo nos meses anteriores, desde o trimestre encerrado em julho. Então, embora o emprego com carteira no setor privado ainda esteja em um nível abaixo do que era antes da pandemia, vem traçando uma trajetória de crescimento”, explica.

Também no setor privado, o contingente de empregados sem carteira subiu 9,5% (ou 1,0 milhão de pessoas). Essa categoria, no trimestre encerrado em outubro, somava 12 milhões de trabalhadores.

No mesmo período, o número de trabalhadores domésticos sem carteira cresceu 8,0%, e o de empregadores sem CNPJ, 7,4%. Com isso, a taxa de informalidade chegou a 40,7%, o que corresponde a 38,2 milhões de trabalhadores informais no país.

Com o crescimento da ocupação sendo influenciado pelo trabalho informal, o rendimento real habitual caiu 4,6% e chegou a R$2.449. Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, a queda foi de 11,1%. Já a massa de rendimento foi de R$225 bilhões e permaneceu estável frente aos dois trimestres.

“Apesar de haver um crescimento significativo da ocupação, a massa de rendimento permanece estável. Isso acontece porque o rendimento do trabalhador tem sido cada vez menor – seja porque a expansão do trabalho ocorre em ocupações de menores rendimento, seja pelo avanço da inflação nos últimos meses”, diz a coordenadora.

Trabalhadores por conta própria também aumentam

Os trabalhadores por conta própria aumentaram em 2,6%, chegando ao contingente de 25,6 milhões. São 638 mil pessoas a mais nessa categoria. Já o aumento dos trabalhadores domésticos foi de 7,8% também no confronto com o trimestre encerrado em julho, o que representa uma adição de 400 mil pessoas. A maior parte desse aumento também veio do trabalho informal: 308 mil foram contratados sem carteira de trabalho assinada.

Houve queda de 2,1% na população fora da força de trabalho na comparação com o último trimestre. Essas pessoas que não estavam nem ocupadas nem desocupadas na semana de referência somaram 65,2 milhões de pessoas no trimestre encerrado em outubro. Quando comparado ao mesmo período do ano anterior, houve redução de 5,4 milhões de pessoas.

Frente ao último trimestre, 436 mil pessoas saíram da força de trabalho potencial, que soma as pessoas em idade de trabalhar que não estavam nem ocupadas nem desocupadas, mas que tinham potencial para estar na força de trabalho. Esse contingente foi estimado em 9,3 milhões de pessoas.

Fazem parte desse grupo os desalentados, que são pessoas que não buscaram trabalho, mas que gostariam de conseguir uma vaga e estavam disponíveis para trabalhar. Esse grupo foi reduzido em 3,8% e foi estimado em 5,1 milhões de pessoas. Na comparação com o mesmo período do ano anterior, quando havia no Brasil 5,8 milhões de pessoas desalentadas, houve queda de 11,9%.

Aumento na ocupação é influenciado pelo comércio

O número de ocupados no comércio cresceu 6,4%, o que representa 1,1 milhão de pessoas a mais trabalhando no setor. Já o aumento da indústria foi de 4,6%, ou mais 535 mil pessoas. No mesmo período, mais 500 mil pessoas passaram a trabalhar no segmento de alojamento e alimentação (11,0%). Na construção, houve crescimento de 6,5% na ocupação (ou 456 mil pessoas).

“Na comparação com o trimestre anterior, dos dez grupamentos de atividades, seis tiveram crescimento na ocupação e os demais ficaram estáveis. Quando comparamos com o mesmo trimestre do ano anterior, nove apontaram crescimento significativo. Isso indica que a conjuntura econômica do trimestre encerrado em outubro é muito diferente do mesmo período do ano passado. A recuperação já mostra um cenário muito mais favorável para a ocupação”, afirma Beringuy.

Fonte: IBGE

Veja mais vídeos

Pandemia aumentou bancarização digital dos brasileiros

Segundo levantamento, os serviços digitais cobram menos taxas e geralmente são mais fáceis de usar.

Há 5 horas 23 de janeiro de 2022

Mais de 84% das plantas arbóreas da Amazônia são úteis para humanos

São úteis para diversos fins como a produção de alimentos, remédios, abrigo, lenha, tinturas, roupas e outros.

Há 10 horas 23 de janeiro de 2022

Está resfriado? Confira os cinco alimentos que melhoram a imunidade

Segundo nutricionistas, para evitar a gripe e infecções respiratórias, é necessário ingerir alimentos que auxiliam o sistema imunológico.

Há 12 horas 23 de janeiro de 2022

Pandemia faz um bilionário a cada 26 horas

Segundo relatório da Oxfam, desde o início da pandemia, o Brasil ganhou dez novos milionários.

Há 1 dia 22 de janeiro de 2022

Djokovic compra 80% de empresa que desenvolve tratamento para Covid

Empresa dinamarquesa tem cerca de 11 pesquisadores que estão desenvolvendo uma molécula contra Covid.

Há 1 dia 22 de janeiro de 2022

Espaços culturais vão funcionar em horários diferenciados a partir do dia 24

As visitas aos espaços devem ser agendadas no Portal da Cultura e acontecem em grupos de até 15 pessoas.

Há 1 dia 22 de janeiro de 2022

Fifa abriu processo para compra de ingressos da Copa do Catar

Nessa primeira etapa os torcedores manifestam apenas o interesse em adquirir ingressos para a Copa.

Há 2 dias 22 de janeiro de 2022

Prefeitura de Manaus registra aumento de furtos em cabos de semáforos

A Avenida Cosme Ferreira foi a que mais sofreu com os furtos e vandalismos nos semáforos.

Há 2 dias 21 de janeiro de 2022

Wilson Lima anuncia mais 2 mil contemplados com a CNH Social

O projeto oferece gratuidade para as pessoas de baixa renda a primeira habilitação de motorista e troca de categoria para quem já é habilitado.

Há 2 dias 21 de janeiro de 2022

PIM deverá produzir 880 Mil bicicletas em 2022, alta de 17,4%

Duas fábricas do Polo Industrial de Manaus anunciaram ampliação da capacidade produtiva. Investimentos visam atender ao aumento de pessoas que aderiram ao hábito de pedalar.

Há 2 dias 21 de janeiro de 2022

Sesc Balneário abre matrículas para atividades esportivas

O Sesc oferta aulas para as modalidades de Futsal, Voleibol, Natação e aulas de artes marciais como MMA Fit e Jiu Jitsu.

Há 2 dias 21 de janeiro de 2022

Vacinação de idosos contra Covid-19 reduziu mortes em 63%, em Manaus

Estudo da Fiocruz/Amazônia feito em Manaus comprovou eficiência da vacinação contra Covid na redução de óbitos e internações de pessoas com mais de 60 anos, em mais de 60%.

Há 2 dias 21 de janeiro de 2022