fbpx

segunda, 04 de julho de 2022

taxa de desocupação do país caiu de 13,7%, no trimestre de maio a julho, para 12,1% no trimestre encerrado em outubro. Na comparação com os três meses anteriores, o número de pessoas que estão em busca de trabalho no país caiu 10,4%, chegando à marca de 12,9 milhões. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgados nesta terça-feira (28), pelo IBGE.

Já o contingente de pessoas ocupadas aumentou 3,6%, o que representa 3,3 milhões de pessoas a mais no mercado de trabalho em relação ao trimestre encerrado em julho. Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, houve aumento de 8,7 milhões de trabalhadores.

“Essa queda na taxa de desocupação está relacionada ao crescimento da ocupação, como já vinha acontecendo nos meses anteriores. O aumento no número de ocupados ocorreu em seis dos dez grupamentos de atividades, a exemplo do comércio, da indústria e dos serviços de alojamento e alimentação”, afirma a coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, Adriana Beringuy.

Com esse crescimento, o nível de ocupação, que é o percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar, subiu para 54,6%, o maior desde o trimestre encerrado em abril do ano passado.

Empregos privados puxam alta

O aumento na ocupação foi impactado pelo número de empregados com carteira de trabalho no setor privado, que chegou a 33,9 milhões, crescimento de 4,1% frente ao trimestre anterior. Isso significa 1,3 milhão de pessoas a mais.

“Do aumento de 3,3 milhões de pessoas na ocupação, 40% são trabalhadores com carteira assinada no setor privado. Essa recuperação do trabalho formal já vem ocorrendo nos meses anteriores, desde o trimestre encerrado em julho. Então, embora o emprego com carteira no setor privado ainda esteja em um nível abaixo do que era antes da pandemia, vem traçando uma trajetória de crescimento”, explica.

Também no setor privado, o contingente de empregados sem carteira subiu 9,5% (ou 1,0 milhão de pessoas). Essa categoria, no trimestre encerrado em outubro, somava 12 milhões de trabalhadores.

No mesmo período, o número de trabalhadores domésticos sem carteira cresceu 8,0%, e o de empregadores sem CNPJ, 7,4%. Com isso, a taxa de informalidade chegou a 40,7%, o que corresponde a 38,2 milhões de trabalhadores informais no país.

Com o crescimento da ocupação sendo influenciado pelo trabalho informal, o rendimento real habitual caiu 4,6% e chegou a R$2.449. Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, a queda foi de 11,1%. Já a massa de rendimento foi de R$225 bilhões e permaneceu estável frente aos dois trimestres.

“Apesar de haver um crescimento significativo da ocupação, a massa de rendimento permanece estável. Isso acontece porque o rendimento do trabalhador tem sido cada vez menor – seja porque a expansão do trabalho ocorre em ocupações de menores rendimento, seja pelo avanço da inflação nos últimos meses”, diz a coordenadora.

Trabalhadores por conta própria também aumentam

Os trabalhadores por conta própria aumentaram em 2,6%, chegando ao contingente de 25,6 milhões. São 638 mil pessoas a mais nessa categoria. Já o aumento dos trabalhadores domésticos foi de 7,8% também no confronto com o trimestre encerrado em julho, o que representa uma adição de 400 mil pessoas. A maior parte desse aumento também veio do trabalho informal: 308 mil foram contratados sem carteira de trabalho assinada.

Houve queda de 2,1% na população fora da força de trabalho na comparação com o último trimestre. Essas pessoas que não estavam nem ocupadas nem desocupadas na semana de referência somaram 65,2 milhões de pessoas no trimestre encerrado em outubro. Quando comparado ao mesmo período do ano anterior, houve redução de 5,4 milhões de pessoas.

Frente ao último trimestre, 436 mil pessoas saíram da força de trabalho potencial, que soma as pessoas em idade de trabalhar que não estavam nem ocupadas nem desocupadas, mas que tinham potencial para estar na força de trabalho. Esse contingente foi estimado em 9,3 milhões de pessoas.

Fazem parte desse grupo os desalentados, que são pessoas que não buscaram trabalho, mas que gostariam de conseguir uma vaga e estavam disponíveis para trabalhar. Esse grupo foi reduzido em 3,8% e foi estimado em 5,1 milhões de pessoas. Na comparação com o mesmo período do ano anterior, quando havia no Brasil 5,8 milhões de pessoas desalentadas, houve queda de 11,9%.

Aumento na ocupação é influenciado pelo comércio

O número de ocupados no comércio cresceu 6,4%, o que representa 1,1 milhão de pessoas a mais trabalhando no setor. Já o aumento da indústria foi de 4,6%, ou mais 535 mil pessoas. No mesmo período, mais 500 mil pessoas passaram a trabalhar no segmento de alojamento e alimentação (11,0%). Na construção, houve crescimento de 6,5% na ocupação (ou 456 mil pessoas).

“Na comparação com o trimestre anterior, dos dez grupamentos de atividades, seis tiveram crescimento na ocupação e os demais ficaram estáveis. Quando comparamos com o mesmo trimestre do ano anterior, nove apontaram crescimento significativo. Isso indica que a conjuntura econômica do trimestre encerrado em outubro é muito diferente do mesmo período do ano passado. A recuperação já mostra um cenário muito mais favorável para a ocupação”, afirma Beringuy.

Fonte: IBGE

Veja mais vídeos

Companhia aérea da Nova Zelândia vai lançar beliches em classes econômicas

A Air New Zealand promete classe econômica com opção de dormir em camas de verdade durante os voos.

Há 12 horas 3 de julho de 2022

Cigarros Eletrônicos tem mais nicotina que os cigarros tradicionais, dizem especialistas

Um documento elaborado pelo Ministério da Saúde, em conjunto com o Instituto Nacional do Câncer, identificou 21 elementos presentes na fumaça dos vapers.

Há 19 horas 3 de julho de 2022

‘Australopithecus’ australianos têm 1 milhão anos mais velhos do que se pensava

Utilizando uma nova técnica para datar os sedimentos pesquisadores descobriram que os novos fósseis do gênero Australopithecus têm entre 3,4 milhões a 3,6.

Há 20 horas 3 de julho de 2022

Casa de Johnny Cash está à venda por R$ 9,3 milhões

Em 1961, o artista construiu a casa de 418 metros quadrados e desfrutava dela como seu lugar calmo e tranquilo nas montanhas.

Há 21 horas 3 de julho de 2022

Idesam auxilia produtores no acesso ao mercado de bioeconomia

Com o auxilio do Idesam da embalagem à logistica, produtores locais conseguem lançar seus produtos no mercado nacional.

Há 1 dia 2 de julho de 2022

Projeto ‘Raízes da Amazônia’ auxilia comunidades ribeirinhas na autossustentabilidade

O foco da 'Raízes da Amazônia' é tornar as comunidades sustentáveis com a produção de produtosque já existem no local.

Há 1 dia 2 de julho de 2022

Sistema de monitoramento em loja colabora para aumento de vendas no comércio

A tecnologia que reconhece a idade e gênero de compradores pode ser um aliado direto no aumento das vendas diárias.

Há 1 dia 2 de julho de 2022

INDT testa robô que servirá para indústria 4.0

O equipamento do INDT com captura imagens, pode gerenciar a performance e qualidade na produção industrial.

Há 1 dia 2 de julho de 2022

Expo Amazônia Bio & Tic reuniu 11 mil pessoas em três dias de evento

O eventou surpreendeu as expectativas dos organizadores e além do grande público, recebeu represantantes de bancos internacionais .

Há 1 dia 2 de julho de 2022

NFTs comprados por Neymar por R$ 6 milhões estão valendo R$ 1 milhão

As criptomoedas usadas para comprarem NFTs perderam valor desde janeiro de 2022 em meio ao ciclo de alta de juros por parte dos bancos centrais das principais economias.

Há 2 dias 2 de julho de 2022

Google vai distribuir 500 mil bolsas de estudos para cursos em tecnologia

Os interessados devem cumprir alguns requisitos como: ter interesse em aprender e/ou trabalhar com tecnologia e ter um dispositivo com acesso à internet.

Há 2 dias 2 de julho de 2022

Filho do ator Ben Affleck 10 anos bate Lamborghini em concessionária

Segundo relatos, o menino acabou acionando a marcha em uma confusão com os botões e atingiu uma BMW.

Há 2 dias 2 de julho de 2022