quarta-feira, 17 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

Projeto Amazônia Conectada reativado promete fibra ótica em Barcelos

Interrompido em 2017, Projeto Amazônia Conectada é reativado pela Prodam com a finalidade de levar fibra ótica a todo interior do Amazonas.
COMPARTILHE
Projeto Amazônia Conectada

Boa notícia para os moradores de Barcelos. Até o fim do mês, o município estará contemplado pelo Projeto Amazônica Conectada, reativado pelo exército para interligar todo o interior do Estado com fibra ótica.

Quem garante é o diretor-presidente da Prodam, Guilherme de Moraes Silva. Ele assumiu o cargo, por determinação do governador Wilson Lima, com a missão principal de reativar, em parceria com as forças armadas, o projeto Amazônia Conectada.

Guilherme está no lugar certo. É o pai do projeto. “Ele foi meu projeto de tese de doutorado na UFMG. Infelizmente, não conclui o curso. Mas consegui ver a primeira parte do projeto em prática”, disse.

O projeto foi lançado em 2015 e já consumiu cerca de R$ 39 milhões de recursos federais. No entanto, só foi suficiente para levar a fibra ótica a apenas três de sua fases, cobrindo 850 km de cabos, equivalente a 10% de sua totalidade. Mas foi interrompido em 2017 por falta de verba.

O trecho que já está pronto interliga seis cidades do Amazonas: Manaus, Manacapuru, Coari, Tefé, Novo Airão e Iranduba. Assim, a próxima a ser interligada é Barcelos, que receberá a fibra a partir de Novo Airão.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

Projeto Amazônia Conectada
Das infovias previstas no projeto, apenas a área em vermelho ficou pronta

Desde o dia 22, técnicos do Exército estão em Barcelos preparando a realização do Estudo de Rota Aprimorada (ERA), análise indispensável para a distribuição dos cabos. De lá, seguem para outra região.

O Projeto Amazônia Conectada teve orçamento inicial de R$ 1,5 bilhão, com a média de R$ 171 mil por km lançado. Mas o presidente da Prodam, Guilherme Moraes, acredita que esse valor possa ser bem menor.

“O Exército fez uma licitação internacional na primeira fase e conseguiu reduzir para R$ 45 mil por km lançado. Entretanto, creio que ele conseguirá trabalhar com números semelhantes”, concluiu.

COMPARTILHE