terça-feira, 23 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

Privatização do Terminal Pesqueiro é discutida com pescadores de todo AM

Os debates acontecem na manhã desta segunda-feira em comemoração aos 100 anos de criação da Confederação Nacional dos Pescadores e Aquicultores.
COMPARTILHE
Terminal pesqueiro

Em 2020, a Confederação Nacional dos Pescadores e Aquicultores (CNPA) completa 100 anos de criação. A data será comemorada em todo Brasil, com reuniões, palestras e cursos voltados aos trabalhadores do setor pesqueiro.

No Amazonas, a homenagem pelo aniversário da CNPA acontece nesta segunda-feira com palestras e debates sobre a situação da pesca na capital e interior do Estado.

Devido as recomendações de segurança por causa da pandemia do coronavírus, todas as medidas de prevenção estão sendo tomadas.

Dessa forma, entre os assuntos da reunião está o plano do governo Federal em privatizar o Terminal Pesqueiro de Manaus, localizado ao lado da feira da Panair, no bairro de Educandos.

Na semana passada, a Presidência da República autorizou a privatização de vários terminais pesqueiros em todo País, entres eles o de Manaus. Dessa maneira, os pescadores temem que a privatização aumente os custos para venda de pescado em Manaus.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

Além disso, outra dúvida é sobre a liberação do desembarque de peixes feito pelos barcos pesqueiros.  “Vamos discutir a privatização do Terminal Pesqueiro e tirar dúvidas dos pescadores sobre os riscos para a venda de pescado em Manaus”, afirmou o presidente da CNPA, Walzenir Falcão.

Outro assunto discutido será a proposta de mudança no pagamento do seguro defeso para pescadores de todo Brasil. O governo Federal pretende incluir os trabalhadores da pesca no programa Bolsa Renda Brasil, que será criado até o final do ano.

“Querem transformar o seguro defeso em um benefício vinculado ao Bolsa Renda Brasil. Não há garantias que os direitos dos pescadores serão respeitados, por isso vamos discutir o assunto”, acrescentou Walzenir.

COMPARTILHE