fbpx

sábado, 23 de outubro de 2021

Realidade paralela: na ONU, Bolsonaro apresenta um Brasil que não existe

O presidente Jair Bolsonaro destacou avanços na economia, o respeito ao meio ambiente, aos povos indígenas e citou as manifestações do último dia 7 de setembro.

21 de setembro de 2021

Compartilhe

Jair Bolsonaro foi dispensado de apresentar atestado de vacinação contra a Covid-19, como manda as regras de Nova York (Foto: Reprodução)

O presidente Jair Bolsonaro abriu, nesta terça-feira (21), a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), com um discurso no qual defendeu que há um Brasil diferente do visto na mídia nacional e internacional. Um país novo, conforme o presidente, sem corrupção, com um presidente que acredita em Deus, respeita a Constituição e a família.

“Isso é muito, (pois) estávamos a beira do socialismo”, ressaltou Bolsonaro.

O presidente também defendeu as mudanças nas políticas econômicas, redução do custo Brasil, barateamento dos preços de alimentos, leilão para o serviço de saneamento básico. “Temos tudo que o investidor procura: grande mercado consumidor, tradição de respeito aos contratos”, afirmou, acrescentando que fará o leilão do 5G nos próximos dias.

Bolsonaro destacou ainda que o Brasil vai crescer 5%, mas essa é uma expectativa que a própria ONU não chancela, pois coloca o país como o último em crescimento em 2022

O presidente enalteceu a qualidade do Código Florestal, a legislação ambiental; destacou o tamanho da vegetação nativa, 66% original, conforme ele.

“Somente no bioma amazônico, 84% está intacta, com a maior concentração de biodiversidade”, disse, reafirmando o compromisso de que em 2050 alcançará a neutralidade climática. No entanto, o presidente não citou os números oficiais do desmatamento na Amazônia que, nos três anos da gestão dele, explodiram.

O presidente também garantiu o respeito a terras indígenas, que ocumpam 14% do território, mas não lembrou o famoso marco temporal, como era esperada.

Bolsonaro e a pandemia

Sobre a pandemia, Bolsonaro voltou a defender o tratamento precoce contra a Covid-19, com o uso de medicamentos sem comprovação de eficácia, além de destacar a chamada autonomia da relação médico-paciente. “Sempre defendi o combate ao vírus e ao desemprego. Lockdown não funciona. Não entendo porque se colocaram contra o tratamento inicial”, atacou o presidente.

Em um aceno à base bolsonarista, o presidente também destacou as manifestações do último dia 7 de setembro, mas omitiu as pautas que ele próprio levou em discurso no qual ameaçou ministros do Supremo Tribunal Federal e frases de aliados pedindo um golpe de Estado e o fechamento das instituições. “Foram as maiores manifestações da nossa história, com apoio ao nosso governo, liberdades individuais e democracia”, disse o presidente.

Por fim, o presidente também destacou o avanço da vacinação no Brasil, mas criticou a adoção de um passaporte vacinal, que ele não possui por se recusar a se vacinar. Por conta dessa postura, o presidente recebeu uma autorização especial da ONU para entrar no prédio sem apresentar o atestado de vacinação contra a Covid-19, como é regra na cidade de Nova York. Como o prédio é considerado território internacional, a autorização foi concedida, mas cercada de críticas, como as feitas pelo prefeito da cidade, Bill de Blasio, que nas redes sociais marcou o perfil de Bolsonaro com os locais de vacinação na cidade.

Texto: Gerson Severo Dantas

Leia Mais:

Leia mais sobre Política

Após viagens na pandemia e diagnóstico de Covid-19, Assis volta à CMM

Vereador chamava a atenção de pessoas por aglomerações e o não uso de máscara, mas na Pandemia emendou duas viagens seguidas em agosto e voltou pra Manaus com Covid-19.

22 de outubro de 2021

Ex-ministro Esteves Colnago assumirá Secretaria de Tesouro e Orçamento

A nomeação foi confirmada há pouco pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, em declaração conjunta ao lado do presidente Jair Bolsonaro.

22 de outubro de 2021

Presidência ou Senado? Sérgio Moro confirma filiação ao Podemos

O ex-juiz deve decidir se concorrerá à Presidência ou ao Senado em breve. A expectativa dentro do partido é que Moro concorra ao Palácio do Planalto.

22 de outubro de 2021

Precatórios: mudanças no teto de gastos, vacinas e Auxílio Brasil

O relator, deputado Hugo Motta, destacou que a aprovação é importante para garantir o Auxílio Brasil, com a previsão de R$ 400 para atender 17 milhões de famílias em 2022.

22 de outubro de 2021

Magistrados do TJAM custaram quase 50 mil em 2020, diz CNJ

Relatório Justiça em Números, produzido pelo Conselho Nacional de Justiça, apresenta números detalhados da atividade dos tribunais brasileiros em 2020.

22 de outubro de 2021

Grupo Samel se posiciona sobre estudo com a proxalutamida

Diretoria do grupo Samel explicou, em direito de resposta obtido na Justiça contra o jornal O Globo, qual papel da empresa na pesquisa com medicamento proxalutamida.

22 de outubro de 2021

Senado aprova PL que prevê repasse de R$ 2 bilhões para Santas Casas

As entidades a serem beneficiadas são aquelas que complementam as operações do SUS, recebendo demandas do sistema público. O texto ainda precisa ser votado na Câmara.

22 de outubro de 2021

Governo pede correção na autorização de empréstimo de R$ 452 milhões

Governo alegou que o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) solicitou garantias mais sólidas para a celebração do contrato entre as partes.

22 de outubro de 2021