fbpx

segunda, 23 de maio de 2022

Eleições 2022: sem caráter científico, enquetes podem ser manipuladas

Políticos do Amazonas na lanterna de pesquisas eleitorais tentam induzir eleitor na internet, mas resultado de enquetes não se aproxima da realidade, apontam especialistas.

23 de março de 2022

Compartilhe

(Foto: Antônio Augusto/TSE)

Em ano de eleição a movimentação política é intensa para tentar medir a popularidade do candidato e o nível de confiança do eleitor sobre quem irá disputar o pleito. No entanto, candidatos que figuram na lanterna dos levantamentos de institutos de pesquisas acabam recorrendo a outros meios, como enquetes em redes sociais para demarcar território e, muitas vezes, confundir o eleitor.

Sem comprovação científica, as enquetes não disponibilizam não utilizam amostras balanceadas muito menos preocupação com os métodos com que são aplicadas, por isso, não tem valor técnico-científico capaz de mensurar a intenção de votos.

Conforme o professor Afrânio Soares e diretor-presidente do Instituto Action Pesquisas de Mercado, no caso de enquetes não há um processo de decisão e definição dos parâmetros para uma especificação completa ou relevante baseada no resultado.

“Há casos que, por exemplo, um único usuário pode votar várias vezes em determinada opção. Então, não há controle de quantas pessoas, de fato, participaram daquele levantamento”, revela.

Para entender melhor, Afrânio explica que a amostra precisa representar o perfil do universo, mas no caso das enquetes não é possível traçar esse perfil.

“As enquetes não têm controle de participação. Então, por exemplo, você tem 5 mil pessoas – e não tem dados dessas pessoas – muitas vezes o usuário de um IP [Protocolo da Internet] pode votar dez vezes ao dia na enquete, sem controle algum de participantes. Uma pesquisa eleitoral tem um controle de amostra. A amostra tem que representar o perfil do universo. Se você fizer com 1 mil mulheres, não vai compor o perfil do universo porque vai faltar homens. O mesmo acontece ao contrário ou em grupos de faixa etária ou classe social diferentes”, exemplifica o professor.

Enquetes têm resultados que não correspondem à realidade

Segundo o diretor-presidente da Action Pesquisas, as enquetes têm resultados díspares (desiguais), que não correspondem à realidade.

“Algumas enquetes são induzidas, ou seja, as perguntas são colocadas de forma a induzir que as pessoas respondam de determinada forma”, enfatiza Afrânio Soares.

A explicação do professor se encaixa muito bem nas notícias que sites bolsonaristas têm veículado na mídia. A exemplo, o site Terra Brasil Notícias, com sede no Nordeste e alcance nacional, tem sustentado, por meio de enquetes, que o bolsonarista Coronel Menezes lidera as intenções de votos do eleitorado no Amazonas. A notícia, inclusive, foi replicada por outros sites bolsonaristas regionais.

Enquetes proibidas a partir de 16 de agosto

Apesar de não terem caráter científico, a Legislação Eleitoral permite que as enquetes sejam realizadas até 15 de agosto. A partir do dia 16, data prevista para o início da propaganda eleitoral, elas passam a ser proibidas, conforme a advogada Maria Benigno, especialista em Direito Eleitoral.

“Podem ser feitas desde que esteja muito bem esclarecido para o eleitor e cidadão comum de que não se trata de uma pesquisa, mas, sim, apenas uma enquete sem caráter científico”, lembra a advogada.

Com base na legislação eleitoral, nesse momento, blogs e portais podem fazer enquete até a data do início da propaganda eleitoral, deixando claro que não se trata de uma pesquisa eleitoral e não segue critérios técnicos e rigorosos, como é o caso das pesquisas eleitorais registradas.

A norma do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) autoriza o exercício do poder de polícia contra a divulgação de enquetes, inclusive com a expedição de ordem para que seja removida, sob pena de crime de desobediência à Justiça Eleitoral.

Da Redação

Leia Mais:

Leia mais sobre Política

Saiba quem são os famosos que já anunciaram em quem votam para presidente

Na lista estão a cantora Pabllo Vittar, que segurou uma bandeira de Lula no Lollapalooza, e a modelo Andressa Urach, que quis registrar o filho com o nome de Bolsonaro.

22 de maio de 2022

Escorregões de Lula em linguagem inclusiva viram alvo de aliados e rivais

Em defesa do ex-presidente Lula, auxiliares minimizam a gravidade das falhas e evitam expô-las em público para não criar mais ruídos na comunicação com o eleitor.

22 de maio de 2022

Justiça Eleitoral reformula cinco aplicativos para as eleições no Brasil

Além do aplicativo e-Título, em que é possível obter a via digital do Título de Eleitor, o app Boletim na Mão dá cópia digital do boletim de urna e o Pardal recebe denúncias.

22 de maio de 2022

Presidente descarta taxar compra por meio de aplicativos estrangeiros

Para Bolsonaro, irregularidades devem ser combatidas com fiscalização e o aumento dos impostos não é uma saída para o Governo com as empresas que ofertam compras online.

22 de maio de 2022

Temor com lei eleitoral trava medidas econômicas do governo federal

A lei eleitoral proíbe, no ano da disputa, a "distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios por parte do governo", o que impossibilita alguns planos de Bolsonaro.

22 de maio de 2022

João Pedro se lança ao Governo do AM, mas apoio da Federação ainda é incerto

O ex-senador João Pedro inscreveu pré-candidatura no Partido dos Trabalhadores e defende legado do ex-presidente Lula com o Estado do Amazonas.

22 de maio de 2022

Bolsonaro diz na Marcha para Jesus que ‘só Deus’ o tira do Palácio do Planalto

Em Curitiba, com um discurso com várias citações bíblicas, Jair Bolsonaro voltou a fazer críticas aos ministros do Supremo e a falar sobre "liberdade de expressão".

21 de maio de 2022

STF nega por unanimidade obrigar Lira a analisar impeachments

Decisão unânime do STF que desobriga Lira a cumprir prazos de análise de impeachment ocorreu nesta sexta-feira (20), mantendo 144 processos engavetados.

21 de maio de 2022